Tiroteio em Dallas

Beyoncé: “Parem de nos matar”

Cantora protesta contra a violência racista em uma carta depois do assassinato de dois negros em mãos da polícia

A cantora Beyoncé. Joel Ryan/Invision/AP

Mais informações

Beyoncé utilizou na quinta-feira sua página na Internet para pedir ao Governo dos Estados Unidos que intervenha no caso de Philando Castile e Alton Sterling, dois homens negros assassinados pela polícia norte-americana esta semana. Na mensagem, publicada antes do assassinato de cinco policiais, a cantora assumiu um dos lemas dos movimentos de cidadãos dos EUA contra a violência racial: "Stop killing us" ("Parem de nos matar").

"Cabe a nós nos levantarmos e exigir que deixem de nos matar. Não necessitamos de simpatia, o que necessitamos é que todo o mundo respeite nossas vidas”, escreveu a diva do pop, que em seu último disco faz uma homenagem aos Panteras Negras. Mas também quis ir mais além: “O problema não é somente das mulheres e dos homens negros. Afeta qualquer um que se sinta marginalizado, qualquer um que lute por sua liberdade e os direitos humanos”.

“O medo não é uma desculpa. O ódio não ganhará”, disse a autora de Halo, e prossegue: "Todos temos o poder de canalizar nossa ira e frustração através das ações. Precisamos usar nossas vozes para contatar os políticos e os legisladores de nossos distritos e demandar mudanças sociais e judiciais”.

Ao longo do texto, Beyoncé incluiu vários links para contatos com o Congresso dos Estados Unidos, bem como com os sites das instituições legislativas de Louisiana –por Alton Sterling– e de Minnesota –por Philando Castile.

Estrelas contra a violência

Além de Beyoncé, outras estrelas, como o cantor John Legend e as atrizes Halle Berry, Patricia Arquette e Mandy Moore reagiram contra a violência racista e os assassinatos de cinco policiais em Dallas. Legend, que usa com frequência sua conta no Twitter para expressar opiniões sobre as injustiças sociais, classificou os disparos – ocorridos durante uma manifestação pública– de “contraproducentes”.

Berry compartilhou na quinta-feira uma fotografia no Instagram de seu filho Maceo, de 2 anos, na qual se perguntava qual era o futuro de seu filho “marrom” e dos demais.

Arquete aproveitou a ocasião para pedir o fim das armas. “Por favor, todo o mundo, deixem de se matarem uns aos outros. Não mais pistolas, não mais violência, não mais assassinatos. Horrível”, escreveu a atriz.