TERMÔMETRO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMÉRICA LATINA

Agricultura familiar, prioridade contra a fome na América Latina

Novos estudos mostram que apoiar famílias rurais pobres é fundamental na luta contra desnutrição

Uma vendedora de hortaliças na Guatemala.
Uma vendedora de hortaliças na Guatemala.Isabelle Schaefer/Banco Mundial

A cada dia, 27 milhões de latino-americanos e caribenhos, cerca de 5,5% da população regional, acordam sem ter o que comer. É um número ainda colossal, mas bem menor do que a média de 58 milhões registrada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) no período entre 1990 e 1992. À época, 14,7% dos moradores da América Latina e do Caribe sofriam com a desnutrição.

Mais informações

Por isso, pode-se dizer que a América Latina e o Caribe cumpriram a missão — estabelecida nos Objetivos do Milênio — de diminuir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção de pessoas que sofrem com a fome. As Nações Unidas ainda consideram que a região está entre as que fizeram progressos mais rapidamente, devido ao ótimo desempenho econômico e agrícola e às políticas de proteção social adotadas no período. Entre elas, os programas de alimentação escolar e apoio à agricultura familiar.

Mas um olhar mais a fundo revela como os progressos foram desiguais e o quanto determinadas sub-regiões terão de evoluir para a América Latina e o Caribe como um todo alcançarem a meta número 2 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU em 2030: acabar com a fome, conquistar a segurança alimentar e promover a agricultura com sustentabilidade.

A maior parte dos avanços feitos pela região foi feita pela América do Sul, segundo a FAO. Nela, foi possível diminuir a desnutrição em 75% desde 1990, fazendo com que a prevalência registrada em 2015 fosse de menos de 5%. Já a América Central reduziu o problema em 38,2% no período. Exatamente 6,6% dos centro-americanos sofriam de desnutrição no ano passado.

No Caribe, a queda foi ainda menor: 26,6% entre 1990 e 2015, resultado puxado principalmente pelo Haiti, país de economia frágil, que enfrenta desastres naturais constantes e baixa disponibilidade de comida para atender ao crescimento da população. Quase 20% dos caribenhos ainda lutavam contra a desnutrição em 2015.

Cereais e nutrição

O desafio de acabar com a fome até 2030 será grande não só na América Latina, mas também no resto do mundo. O percentual de desnutrição caiu quase pela metade em todo o planeta, de 19% para 11%, nos últimos 25 anos. No entanto, ainda há 795 milhões de pessoas desnutridas no mundo hoje, a maior parte delas em países de baixa renda, como os da África Subsaariana.

O relatório Indicadores de Desenvolvimento Global 2016, do Banco Mundial, acrescenta que será difícil cumprir a segunda meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável se o ritmo atual de queda continuar. Para acelerá-lo, é fundamental elevar a produtividade agrícola das famílias de baixa renda, já que 70% dos pobres do mundo trabalham no campo.

Outro motivo para apostar na produtividade agrícola — em especial a de cereais — é o fato de ela influenciar diretamente os números de forme e desnutrição. De 2000 a 2012, quando houve aumento médio anual de 2,6% na produção de cereais nos países de baixa renda, a pobreza e a desnutrição caíram 2,7% ao ano. Já entre 1990 e 1999, quando a produção ficou estagnada nos países mais pobres do mundo, houve pouca melhora nos índices de pobreza e saúde nutricional.

Os programas de proteção social que permitiram à América Latina e ao Caribe avançar nos Objetivos do Milênio também podem ser uma inspiração para o resto do mundo. Ao aumentar a produtividade e reduzir a vulnerabilidade dos pequenos agricultores, bem como melhorar a qualidade da nutrição das crianças em idade escolar, eles vêm contribuindo significativamente para melhorar a segurança alimentar na região.

Mariana Kaipper Ceratti é produtora online do Banco Mundial

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50