O processo de impeachment

Senadores elegem uma comissão do impeachment desfavorável a Dilma

Pelo cronograma inicial, votação de admissão do processo deve ocorrer no dia 12 de maio. Se o relatório de impeachment de Dilma no Senado for aprovado, a presidenta é afastada

Os opositores Cunha Lima, Aécio e Imbassahy, no Senado.
Os opositores Cunha Lima, Aécio e Imbassahy, no Senado.J. Rudy / Ag. Senado

Os corredores da Câmara dos Deputados estão quase vazios. Meia dúzia de deputados correm apressados para acompanhar uma sessão no Senado, onde tripés, câmeras a postos e microfones  são o sinal de que nas próximas semanas o foco estará voltado para os congressistas de cabeça branca, o apelido dos senadores no meio político. Nesta segunda-feira, um incomum dia de trabalho no Legislativo brasileiro, esses experientes parlamentares elegeram a comissão especial do impeachment que analisará o processo de destituição da presidenta Dilma Rousseff (PT). De seus 21 membros, apenas cinco são considerados governistas. Os demais já declararam, em algum momento, votar a favor do impeachment.

Mais informações

O tom dado nesse primeiro dia em que o impeachment esteve oficialmente na pauta do Senado demonstra o cuidado que os senadores querem dar ao tema na Casa. Os opositores querem evitar uma judicialização do processo e tentar excluir o argumento governista de que há um "golpe" em andamento. Por isso, a mensagem é de que não haverá aceleramento do trâmite. “Aqui é diferente da Câmara. Vamos buscar debater juridicamente”, afirmou o senador tucano e presidente do PSDB, Aécio Neves (MG).

Apesar da promessa de um ritmo mais moderado, o Governo não terá vida fácil. Os dois principais cargos da comissão ficaram com Raimundo Lira (PMDB-PB), que agora se diz indeciso e foi indicado para a presidência, e com Antonio Anastasia (PSDB-MG), que irá para a relatoria. Já notando dificuldade em ganhar a disputa no voto, os representantes da base de Rousseff apresentaram uma série de questionamentos à Mesa Diretora do Senado questionando, principalmente, a indicação de Anastasia para a função de relator.

“É uma provocação colocar como relator um membro do PSDB e maior aliado do candidato derrotado na eleição para presidência, Aécio Neves”, reclamou Lindbergh Farias (PT-RJ). Os dois questionamentos feitos para evitar que o tucano fosse o relator do caso, não deram em nada. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que não caberia a ele decidir sobre essas dúvidas e transferiu a responsabilidade para a própria comissão tomar essa definição. Nesse grupo, a tendência é que Anastasia seja mesmo o relator.

“Essa é só uma tentativa de obstruir as apurações”, afirmou Neves (PSDB-MG) e fiador político do futuro relator. Anastasia foi vice-governador de Neves em Minas Gerais e o sucedeu no Governo. “Essas pequenas divergências serão superadas rapidamente”, disse o futuro presidente do colegiado, Raimundo Lira.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa, afirmou que insistirá no questionamento. “É uma questão de bom senso. É conveniente para o processo que ele siga em um caminho diferente do que o que ocorreu na Câmara, sem atropelos”.

A instalação da comissão ocorrerá oficialmente nesta terça-feira e a previsão é que até o dia 9 de maio o relatório sobre a admissibilidade do processo, que já foi aceito pela Câmara, seja votado pelo colegiado. E no dia 12, pelo plenário do Senado. Caso aprovado por maioria simples (41 dos 81 votos dos senadores), a presidenta Rousseff será afastada temporariamente por 180 dias de seu cargo a partir do momento que for notificada da decisão. Se isso ocorrer, quem assume é o vice-presidente Michel Temer (PMDB), que já negocia cargos e projetos de Governo com representantes de seu partido e de outros da oposição, como PSDB, DEM e PSB.

Não há prazo para que Rousseff seja julgada. Para o impeachment ser configurado é necessário que dois terços dos senadores, 54 dos 81, votem a favor de seu impedimento. Se isso não ocorrer, a presidenta retorna ao seu cargo.

Impeachment de Temer

Dois movimentos ocorreram paralelamente às reclamações dos governistas. O primeiro foi um questionamento apresentado por sete senadores que se dizem independentes. Este grupo tinha como objetivo vincular o pedido de impeachment de Rousseff a um que tramita na Câmara dos Deputados contra o vice Michel Temer. No último dia 6, antes da votação do impeachment de Dilma pelos deputados, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, decidiu que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deveria abrir a comissão especial de impeachment para analisar uma denúncia contra Temer.

Agora, quase 20 dias depois, esse grupo não foi composto. O pedido desses sete senadores, capitaneado por João Capiberibe (PSB-AP) e Randolfe Rodrigues (REDE-AP), era para que o caso de Rousseff só fosse analisado quando o de Temer chegasse à Casa. Foi mais um pedido que Calheiros negou.

O segundo movimento foi o anúncio feito por senadores petistas de que um grupo de juristas estrangeiros acompanhará o julgamento de Rousseff no Senado. A ideia é avalizar a tese de que o país está passando por um processo ilegítimo.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete