Israel liberta menina palestina de 12 anos depois de dois meses na prisão

A menor foi condenada por tentar atacar israelenses com uma faca em um assentamento judeu

A adolescente abraça o pai no posto de controle de Jabara.
A adolescente abraça o pai no posto de controle de Jabara.Majdi Mohammed (AP)
Mais informações

A menina palestina D. A. W. , de 12 anos, foi libertada da prisão neste domingo, depois de ter permanecido encarcerada por dois meses e meio em Israel, e entregue à família em um posto de controle perto de Tulkarem (norte da Cisjordânia). A menor foi julgada depois de ter sido presa, vestida com o uniforme escolar, no dia 9 de fevereiro no assentamento judaico de Karmel Tzur, perto de sua casa em Halul, na província de Hebron (sul da Cisjordânia), acusada de ter tentado atacar israelenses com uma faca.

"É a menina palestina mais jovem presa em Israel, onde a lei proíbe a prisão de menores de 14 anos", disse à France Presse o advogado Tariq Barghut. A lei militar israelense aplicada na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, sob ocupação desde 1967, permite, no entanto, incriminar crianças de até 12 anos, um caso excepcional em todo o mundo, de acordo com o Unicef.

"Ela está muito feliz, mas fala muito dos prisioneiros que deixou para trás na prisão", disse no domingo o pai da menina, que foi libertada dois meses antes do fim de sua sentença, a pedido da família e depois de uma campanha popular, que exigiu sua libertação diante da divergência entre as leis civis e militares de Israel.

Seus parentes denunciaram que a menor foi detida com presos palestinos adultos e que sua mãe só pôde visitá-la pela primeira vez em 28 de março, durante 45 minutos, e sem contato físico entre ambas. O advogado da menina, Abir Bachar, em entrevista ao jornal Haaretz, criticou o tribunal militar por ter colocado a menina atrás das grades, em vez de lhe oferecer tratamento para os supostos problemas de comportamento que um assistente social israelense destacou durante a visita.

Durante a onda de violência iniciada em outubro passado – na qual morreram 28 israelenses e 201 palestinos (em sua maioria considerados agressores) –, o número de detenções de menores por "crimes contra a segurança" disparou, segundo o Serviço Israelense de Prisões. Dos 170 jovens detidos em setembro, o número subiu para 438 em fevereiro, sendo que 54% desse total se encontra em prisão preventiva, aguardando julgamento. Apenas seis deles, envolvidos em ações terroristas conduzidas por judeus, não são palestinos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: