ANÁLISE
Exposição educativa de ideias, suposições ou hipóteses, baseada em fatos comprovados (que não precisam ser estritamente atualidades) referidos no texto. Se excluem os juízos de valor e o texto se aproxima a um artigo de opinião, sem julgar ou fazer previsões, simplesmente formulando hipóteses, dando explicações justificadas e reunindo vários dados

Islândia: Tempestade de piratas

Parece que o grande beneficiado político neste país será uma espécie de versão liliputiana do Podemos

O primeiro-ministro islandês, Sigmundur David Gunnlaugsson, nesta segunda-feira em Reykjavik.
O primeiro-ministro islandês, Sigmundur David Gunnlaugsson, nesta segunda-feira em Reykjavik.Brynjar Gunnasrson (AP)

Os islandeses querem sangue. Os piratas o sentem.

Tudo indica que o vazamento maciço de documentos conhecido já em todo o mundo como os Panamaleaks fará sua primeira vítima na Islândia. Traição, ultraje, vergonha eram as palavras na boca do povo islandês ante a revelação de que seu primeiro-ministro, Sigmundur David Gunnlaugsson, havia criado uma empresa offshore, aparentemente com a finalidade de reduzir o pagamento de impostos enquanto a população lutava para superar a assombrosa crise bancária que afundou o país em 2008.

Mais informações
‘Panama Papers’ atingem políticos de ao menos sete partidos no Brasil
Quem são os principais citados?
Oposição lança ofensiva contra Macri por conta nas Bahamas
Por que os islandeses pedem a renúncia imediata de seu primeiro-ministro

No provável caso de que sejam realizadas eleições gerais antecipadas, o grande beneficiado político parece que será o Partido Pirata –uma espécie de versão liliputiana do Podemos–, líder nas pesquisas entre os partidos de oposição, antes mesmo de o escândalo vir à tona.

A intempestiva e indigna fuga de Gunnlaugsson no meio de uma entrevista na televisão no domingo, na qual se pediam explicações a ele, aprofundou a sensação geral na Islândia de que seu Governo, que tem também dois ministros na lista dos Panamaleaks, deve cair. Ao meio dia de domingo o primeiro-ministro, chefe de um Governo de coalizão de centro-direita, declarou em uma segunda entrevista que não tinha intenção de renunciar. Mas o mesmo disse Geir Haarde, que ocupava o cargo em 2008, quando os três principais bancos islandeses entraram em colapso, e ele não só acabou caindo, mas foi processado pela justiça.

Contatados nesta segunda-feira por telefone vários conhecidos islandeses, inclusive alguns que haviam simpatizado com o atual Governo, a sensação que transmitiram foi de um profundo desconcerto, somado a uma irada disposição de vingança. Profundamente decepcionados, tinham desejado acreditar que a avareza e o abuso de poder que há oito anos desencadearam a catástrofe em seu país era algo que pertencera ao passado. Os islandeses foram os primeiros a sucumbir à crise e os primeiros a sair. A economia islandesa, baseada na pesca e no turismo, é hoje mais potente que nunca. O desemprego neste país de 320.000 habitantes superou 9% em 2008; hoje está abaixo de 3%. A moeda sofreu da noite para o dia uma desvalorização brutal, mas hoje a Islândia é um país caro para os visitantes europeus.

Estive em Reykjavik há apenas duas semanas e o que se respirava no ambiente era orgulho pela firmeza, pragmatismo e coragem que os islandeses haviam demonstrado para se recuperar da crise. Falei nesta segunda-feira com uma das pessoas que vi naquela visita, Halla Tomasdottir, uma bem-sucedida empresária que aspira a ser eleita presidenta de seu país, um cargo mais honorário do que executivo, na segunda metade deste ano. Tomasdottir compartilhava a indignação geral.

"Os islandeses não querem que no restante do mundo seu primeiro-ministro seja associado a líderes mundiais conhecidos por sua hipocrisia", disse-me, referindo-se claramente a figuras como Vladimir Putin e certos líderes árabes mencionados nos Panamaleaks. "Embora possa não estar claro se leis foram violadas ou se impostos não foram pagos, permanecem perguntas válidas sobre a natureza da liderança e o comportamento ético que esperamos daqueles que nos servem no Governo. Nós, islandeses, não nos vemos refletidos nesse tipo de liderança. Os valores que sentimos que nos representam são a honradez, a igualdade, o respeito e a justiça."

Tomasdottir considera difícil que o primeiro-ministro Gunnlaugsson continue sendo capaz de refletir esses valores ante uma opinião pública manifestamente enojada uma vez mais com seus governantes. O Partido Pirata, erigindo-se como representante dos valores autênticos islandeses, não duvidou em tirar proveito do estado de ânimo geral.

Sua principal dirigente, Birgitta Jonsdottir, lidera o coro de vozes que pede a renúncia de Gunnlaugsson. Ela o acusou no domingo de ser um "mentiroso e uma fraude". Não haverá muitos de seus compatriotas que hoje divirjam dela, a possível primeira chefe de Governo pirata na Islândia desde os tempos dos vikings.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS