Processo de Impeachment

José Serra: “O impeachment não resolve a crise”

Senador tucano crê que o o Governo Dilma cairá e descarta tentativa de golpe de Estado

José Serra (ao centro) assiste a um seminário durante evento jurídico em Lisboa que reúne, em sua maioria, líderes opositores do Governo petista.
José Serra (ao centro) assiste a um seminário durante evento jurídico em Lisboa que reúne, em sua maioria, líderes opositores do Governo petista.Armando Franca (AP)

O senador de oposição José Serra (PSDB-SP) dá como certa a queda do Governo de Dilma Rousseff, embora afirme que “o impeachment não resolve a crise”. O tucano, que disputou a presidência da República com a mandatária em 2010 participou em Lisboa do IV Seminário Luso-Brasileiro de Direito, um evento jurídico que reuniu personalidades que em sua maioria se opõem ao Governo petista, promovido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal.

MAIS INFORMAÇÕES

Durante sua palestra sobre “sistemas políticos em tempos de crise”, ele minimizou as conquistas dos Governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma. “Dos anos cinquenta até os oitenta, o Brasil triplicou seu PIB; desde então, cresceu só 40%. O país se desindustrializou, e [o setor industrial] representa apenas 10% do PIB; toda a aposta da política econômica consistiu em favorecer o consumo.”

Serra observou que o país vive um “período de agonia” nos últimos anos. “As grandes manifestações começaram ainda em 2013, por causa do desemprego, e voltaram em 2015, mas já centradas na crítica ao Governo.”

Apesar de ser um evento jurídico, Serra não se esquivou de perguntas sobre a situação política. “Nunca acreditei que a Dilma possa perder o mandato por culpa da crise; o que ocorre no nosso país é que o sistema político impede uma mudança de Governo sem traumas. Historicamente, as mudanças presidenciais foram por suicídio, renúncia, deposição ou impeachment. O sistema presidencialista não permite outros. O impeachment, portanto, é um recurso político com decorrências jurídicas.”

"Para que essas crises não se repitam, é preciso mudar o trocar o regime presidencialista pelo parlamentarismo, e assim substituir os Governos sem traumas"

Como fórmula para acabar com as crises institucionais do país, Serra propôs uma mudança legislativa para que o sistema presidencialista seja substituído pelo parlamentarista, mas admitiu que será uma mudança difícil. “Dizer que a política é a arte do possível é reacionário; eu prefiro dizer que a política é a arte de ampliar os limites do possível.”

Serra, que recordou ter vivido os golpes militares do Brasil e do Chile, disse não acreditar que um golpe de Estado esteja sendo gestado no país —como tem classificado a presidenta Dilma, que em mais de um momento chamou os articuladores do processo contra ela de "golpista" —e  que tampouco deseje isso. “Estamos vivendo o período democrático mais longo da nossa história”, afirmou.

O senador tucano considera certa a queda do Governo, e acha que ela será benéfica para o Brasil. “Já vimos que só com a proximidade da queda da Dilma a taxa de risco caiu mais de 100 pontos. A mudança de Governo trará imediatamente algumas melhoras, porque cria novas expectativas nas pessoas. A mudança é saudável. Os juros cairão e se gerará entusiasmo, mas isso só terá efeitos em curto prazo; para que essas crises não se repitam, é preciso mudar o trocar o regime presidencialista pelo parlamentarismo, e assim substituir os Governos sem traumas.”

Questionado sobre o que faria se um dia se tornar presidente, Serra respondeu que priorizaria as exportações e o setor energético.

Arquivado Em: