Bolsas internacionais

Bolsas europeias voltam a despencar por medo da recessão

Índice espanhol desce 2,39% e acumula uma queda de 17% desde o começo do ano

Operadores de mercado trabalham na Saca de Frankfurt, Alemanha EFE

Mais informações

As Bolsas europeias não conseguem se recuperar. Após uma abertura com leve aumento, os principais mercados europeus fecharam a terça-feira no vermelho com quedas generalizadas nos principais índices.

Um dos mais castigados entre os principais mercados é o Ibex espanhol, com uma queda de 2,39%, seguido pelo FTSE Mib italiano e o CAC 40 francês, que caíram 2,57% e 1,63% respectivamente. Frankfurt caiu 0,94% e Londres, 0,87% em outro dia ruim para os investidores. Os mercados foram afetados pela incerteza diante do crescente risco de recessão sobre a economia global e as dúvidas sobre a saúde dos bancos em vários países europeus, entre eles a Alemanha — com o gigante Deutsche Bank com problemas — e a Itália. O petróleo, transformado nos últimos meses em referências dos investidores, se mantém praticamente plano e deixa de ser uma desculpa para a tormenta nas bolsas.

O índice espanhol acumula uma queda de quase 17% em 2016. Mas é o mercado italiano que soma as maiores perdas deste ano — por lá, a queda já ultrapassou os 25% pelas dúvidas sobre a saúde de seus bancos.

Com a queda das Bolsas, os prêmios de risco dos países periféricos voltaram a subir. O diferencial entre o bônus espanhol a 10 anos e os bônus alemães fechou em 151 pontos, nível semelhante aos 153 do fechamento de segunda-feira.

Todos os mercados europeus acumularam enormes perdas na segunda-feira. A Bolsa espanhola caiu 4,4%. A italiana, quase 4,7%. Os mercados dos Estados Unidos também tiveram fortes quedas durante a maior parte de sua sessão, mas suavizaram o golpe ao final do dia com uma queda de 1,1%. Dessa forma os principais mercados permaneceram fechados pela comemoração do Ano novo chinês. A Bolsa de Tóquio (Japão), entretanto, permaneceu aberta e também terminou no vermelho, despencando 5,4%, sua maior queda desde as perdas do final de agosto, quando os mercados caíram pelo temor da real situação da economia chinesa.

Os investidores temem uma nova manifestação da Grande Recessão, dessa vez com epicentro nos países emergentes. Os últimos dados da produção industrial na Alemanha, referentes a dezembro e tornados públicos na terça-feira, mostram um enfraquecimento do setor secundário alemão pela queda da economia chinesa, que acaba de ser desbancada pela Índia como a economia de crescimento mais rápido do G20. O gigante asiático é o quarto maior comprador de produtos alemães.

Também existem dúvidas sobre a situação real de boa parte dos bancos europeus após o gigante alemão Deutsche Bank cair quase 10% na segunda-feira e os principais bancos italianos sofrerem fortes quedas. No gigante alemão, são avaliadas as dúvidas sobre sua solvência, após os resultados ruins apresentados duas semanas atrás e após o conhecimento de que seu custo de financiamento disparou desde agosto. A direção do Deutsche Bank reafirmou na terça em um comunicado sua capacidade para realizar o pagamento de seus bônus mais arriscados, os chamados CoCos, e frisou sua “forte posição de capital”.

No caso das entidades transalpinas, as dúvidas estão na configuração do bad bank (entidade financeira que compra os chamados ativos tóxicos [ativos contabilizados no balanço de um banco por um valor supervalorizado] com a finalidade de salvar o sistema financeiro) que deveria permitir aos bancos desfazerem-se de seus ativos tóxicos. Esses fatores somam-se às dificuldades no negócio tradicional de todos os bancos da zona do euro em uma região de juros zero e com a euribor (European Interbank Offered Rate — uma das principais taxas de referência do mercado monetário da zona euro) no negativo.