Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os países exportadores de petróleo, da abundância à tensão econômica

Sombra do FMI paira sobre a Nigéria e o Azerbaijão. No Brasil, cai receita com exportação

“Os países petrolíferos têm problemas não me deixam dormir à noite.” A frase teria passado despercebida na boca de qualquer analista, mas quem a disse na terça-feira foi a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde. A francesa se referia explicitamente à Nigéria, que passou da posição de líder do boom econômico africano à de um país mergulhado em sérios problemas em menos de um ano e meio. Motivo: o desabamento do preço do petróleo, que caiu 70% no período.

O sétimo maior produtor de petróleo do cartel da OPEP – e a maior economia do continente – foi o lugar escolhido por Lagarde para sua primeira visita oficial de 2016, o que provocou rumores sobre um possível resgate para suas deterioradas finanças públicas. Cerca de 90% das exportações e 60% da receita pública desse enorme país de 185 milhões de habitantes estão diretamente vinculadas ao petróleo. Tanto Lagarde como o Executivo nigeriano negaram que o país precise de ajuda financeira imediata, mas a visita serviu para estabelecer as bases para um possível plano de contingência.

As dificuldades não se restringem ao gigante africano. No fim de janeiro, técnicos do FMI foram ao Azerbaijão, um país de 10 milhões de habitantes na costa do Mar Cáspio, cujas exportações dependem em 95% da venda de petróleo. Essa ex-república soviética desvalorizou sua moeda em 35% desde dezembro para ganhar competitividade pela via rápida e reinstaurou os controles para evitar uma fuga de capitais.

Embora seu Governo tenha negado que precise de ajuda financeira, o comunicado do FMI foi devastador: a visita, solicitada pelas autoridades de Baku, teve como objetivo o “debate sobre uma possível assistência técnica e sobre as necessidades de financiamento” do país. A agência russa Interfax chegou a divulgar cifras: o Azerbaijão pretende obter 3 bilhões de dólares (11,7 bilhões de reais) do FMI e 1 bilhão de dólares (3,9 bilhões de reais) do Banco Mundial.

Mas se há um caso que serve para ilustrar com perfeição a situação nos Estados que prosperaram graças ao boom das matérias primas, esse é o do Suriname. Nas últimas duas décadas, esse país sul-americano com pouco mais de um milhão de habitantes baseou seu crescimento nas matérias primas. Até agora.

Nesta semana, os homens de negro do FMI visitarão o Suriname a pedido das autoridades do país para discutir os detalhes de um programa de ajuda financeira conjunto com o Banco Mundial, a fim de lidar com os problemas de um Estado que viu desaparecer metade de suas reservas monetárias em um ano.

No caso do Brasil, sua maior empresa pública, a Petrobras, tem um peso enorme para a economia, e tudo que se refere a ela reflete no resto do país. Assim, com o preço do petróleo em baixa, a exportação dos derivados da matéria-prima garantiu retorno menor no mês de janeiro deste ano, embora tenha exportado um volume maior do que no mesmo mês do ano passado.

Colaborou Carla Jimenez, de São Paulo

MAIS INFORMAÇÕES