Bolsas internacionais

Bolsas europeias desabam pelo temor de nova recessão mundial

Índice espanhol Ibex 35 se retrai 4,44%, a maior queda diária desde agosto

Vista geral da Bolsa de Frankfurt (Alemanha).
Vista geral da Bolsa de Frankfurt (Alemanha).J. Juinen / Bloomberg

Mais informações

Novo dia nefasto nas Bolsas europeias. O crescente temor sobre uma estancada econômica mundial decorrente da freada a seco dos emergentes e o drástico barateamento do petróleo levou o Ibex espanhol a cair 4,44% nesta segunda-feira, arrastado por construtoras, energéticas e bancos, e com todos os seus indicadores em vermelho. O índice italiano FTSE Mib caiu 4,5%, empurrado pelo seu maltratado setor financeiro; o DAX alemão, 3,5%, e o CAC francês, 3,4%. É o maior baque do índice espanhol desde finais de agosto, quando vieram à tona os piores presságios sobre a economia chinesa e o Ibex desabou 5,01% em um só dia, e isso leva a Bolsa espanhola a seu nível mais baixo em dois anos e meio. Em paralelo, o título alemão — considerado o ativo mais seguro da zona do euro — cai a mínimos de um ano pela alta do interesse dos investidores nos papéis de menor risco para resguardar-se da tempestade.

Os mercados valoram os temores já recorrentes sobre o declínio da economia mundial, que teve no recente dado das reservas chinesas o último ponto de preocupação. As reservas em moeda estrangeira do banco central do gigante asiático, principal origem do nervosismo econômico dos últimos tempos, caíram em janeiro em quase 100 bilhões de dólares (390 milhões de reais), segundo os dados divulgados no domingo. As reservas totais da segunda economia mundial estão agora em 3,2 trilhões de dólares (12,5 trilhões de reais), muito abaixo do mínimo de 4 trilhões de junho de 2014 (15,6 trilhões de reais).

“O risco mundial de recessão e deflação está crescendo”, afirma François Savary, chefe de investimento da companhia de investimentos Prime Partners, em declarações à Bloomberg. “Não bastaram as quedas dos últimos dias e o fato de os resultados empresariais não terem sido tão ruins. A confiança é muito baixa e não há muita visibilidade neste momento. E isso é aterrador”, sentencia.

Os retrocessos vão além da Europa, embora muito mais atenuados. O índice MSCI de mercados emergentes também recua nesta segunda-feira e prolonga as quedas da semana passada. Somente os mercados de valores do Golfo mantêm a taxa de câmbio, com as Bolsas chinesas, indonésias, malaias, filipinas e coreanas fechadas por feriado. O Nikkei japonês, todavia, tinha subido mais de 1%.

O prêmio de risco espanhol, em máximos desde julho

O prêmio de risco espanhol — o diferencial entre o título espanhol de 10 anos e o alemão — supera os 155 pontos básicos, seu nível mais alto desde julho, em comparação aos 173 da semana passada. Por trás dessa subida está a substancial redução da rentabilidade da dívida pública alemã,

A rentabilidade exigida nos mercados secundários para a dívida espanhola com vencimento em dez anos subia até 1,697%, tendo começado a sessão com 1,647%. Os títulos alemães de uma década chegaram a cair, por sua vez, 0,257%, seu nível mais baixo desde abril do ano passado.

O prêmio de risco italiano sobe até os 148,8 pontos, tendo iniciado com 127,41, e o português aumenta até 278,10 pontos.

Matérias-primas em baixa

No mercado de matérias-primas, fortemente vinculado às Bolsas nos últimos meses — o desabamento do petróleo arrastou os índices para baixo —, tanto o óleo bruto como a maioria dos metais industriais caem. O barril do brent cai nesta segunda-feira 1,7%, até 33,5 dólares, arrastado pelos escassos sinais de acordo entre os principais países petroleiros. Os Estados Unidos estão à margem para reequilibrar o mercado mediante um corte de oferta. No domingo, representantes venezuelanos se reuniram com as autoridades da Arábia Saudita para tentar conseguir um pacto nesse sentido e, embora o clima de entendimento tenha sido bom, não se concretizou nenhuma medida de diminuição da produção. “Os sauditas são o grande obstáculo para a redução dos bombeamentos”, afirma Ole S. Hansen, chefe de análise de matérias-primas do Saxo Bank.

O ouro, principal refúgio, ao lado do iene japonês, o franco suíço e os títulos alemães e norte-americanos, mal se mexe nesta segunda-feira depois do forte aumento da sexta-feira, quando o dado positivo do desemprego nos EUA — em janeiro, ficou abaixo do 5% pela primeira vez desde antes da Grande Recessão — alimentou a especulação sobre um endurecimento ainda maior da política monetária do Federal Reserve. Tudo o que não for duas altas de juros este ano, o previsto hoje pelas principais empresas de análise dos mercados, seria um balde de água fria para as Bolsas e um argumento para o aumento dos ativos mais seguros. A onça do ouro está cotada em seu nível máximo dos últimos três meses e sobre em dígito duplo desde janeiro.

No mercado de divisas o euro continua, por sua vez, seu caminho ascendente desde mínimos estabelecidos no final de 2015 e já é trocado por 1,12 dólar.

Mais informações