Frente Nacional

Os Le Pen diante da justiça por subavaliar seus bens

"É uma perseguição republicana", disse o fundador da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen

Jean-Marie Lhe Pen, de vermelho, e sua filha Marine Lhe Pen o passado maio em Paris.
Jean-Marie Lhe Pen, de vermelho, e sua filha Marine Lhe Pen o passado maio em Paris. (AFP)

A Alta Autoridade para a Transparência da Vida Pública, um órgão administrativo, denunciou à promotoria as declarações patrimoniais apresentadas no ano passado pela presidenta da Frente Nacional, Marine Le Pen, e seu pai e fundador do partido, Jean-Marie Le Pen. Uma vez analisada a documentação oferecida pelos políticos, o órgão declarou ontem ter “sérias dúvidas” sobre a “exaustividade, exatidão e sinceridade” de tais declarações. Acrescenta, além disso, sua convicção de que há uma “subavaliação flagrante de certos ativos imobiliários” que os dois políticos têm em comum e que Jean-Marie Le Pen inclusive omitiu alguns bens. Os valores apontados pelo organismo são enormes: um milhão de euros (cerca de 4 milhões de reais) de subavaliação no caso do político veterano e centenas de milhares de euros no caso de sua filha.

MAIS INFORMAÇÕES

Este assunto se soma à já longa lista de problemas da Frente Nacional com a justiça francesa. Esta investiga o partido por suposto financiamento ilegal na campanha eleitoral de 2012, empréstimos russos, fraude e abuso de bens sociais. Marine Le Pen foi denunciada na semana passada por publicar em seu Twitter fotos de reféns do Estado Islâmico, mas foi absolvida por ter comparado há cinco anos as orações muçulmanas nas ruas à ocupação alemã.

Marine Le Pen recorreu da decisão da Alta Autoridade anunciada ontem diante do Conselho de Estado, enquanto seu pai denunciou uma “perseguição republicana, social e psicológica”.

Arquivado Em: