operação zelotes

Lula é intimado a depor em inquérito sobre venda de Medidas Provisórias

Filho do ex-presidente, Luís Cláudio, é investigado pela PF por tráfico de influência

Lula, nesta quinta-feira, em Madri.
Lula, nesta quinta-feira, em Madri.Juan Naharro Gimenez (Getty Images)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá de prestar depoimento na investigação da Polícia Federal denominada Operação Zelotes. Um dos filhos de Lula é investigado neste caso que envolve desde a compra de sentenças no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) até a venda de uma medida provisória para beneficiar montadoras de automóveis.

A intimação de Lula foi enviada no último dia 3, segundo investigadores da PF confirmaram ao EL PAÍS, e ele terá de prestar esclarecimentos no próximo dia 17. Os policiais suspeitam que o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente, praticou tráfico de influência ao receber 2,5 milhões de reais de um escritório de lobistas investigado pela Zelotes. Os advogados de Luís Cláudio negam essa interferência e dizem que a empresa dele, a LFT Marketing Esportivo, só prestou serviços na sua própria área.

MAIS INFORMAÇÕES

A firma suspeita é a Marcondes e Mautoni. Ela prestava serviços para a MMC Automotores, que é a representante da Mitsubishi do Brasil, e para a CAOA, que produz veículos da Hyundai e revende automóveis da Subaru e da Ford. As investigações da PF mostram que as montadoras pagaram 33 milhões de reais para que duas medidas provisórias fossem elaboradas com o intuito de gerar isenções fiscais de 4,5 bilhões de reais.

Em entrevista ao EL PAÍS, Lula afirmou que seu filho  está subordinado “à mesma Constituição que eu e 204 milhões de brasileiros estamos.” “Se ele cometeu algum deslize e os investigadores, o Ministério Público ou a polícia descobrir, meu filho pagará o preço de ter cometido o erro. Igual a mim, igual a qualquer um, não tem diferença não tem protecionismo. Nós viemos ao mundo para fazer a coisa certa.”

Nesta sexta, em evento deste jornal, em Madri, o ex-presidente Lula citou novamente as denúncias que envolve seu nome. “Eu desafio, mesmo aos empresários que estão sendo delatados, aqueles que estão presos, a dizer se um dia eles tiveram 20 segundos de conversa comigo sobre qualquer coisa que fosse ilegal”, afirmou ele para a plateia do encontro Os desafios dos emergentes. Disse não ter feito nada fora das normas em atividades e viagens nas quais promoveu investimentos e negócios das empresas brasileiras no exterior. "Os políticos temos de fazer esse debate."

Desde o início das investigações, 16 pessoas já se tornaram réus pelo caso. O filho de Lula ainda não foi indiciado pois as apurações contra ele não foram concluídas. O ex-ministro Gilberto Carvalho, que atuou nas gestões Lula e Dilma Rousseff, está sendo investigado no mesmo inquérito. Em outra frente de investigação, na CPI do CARF no Senado, o filho do ex-presidente também foi excluído de qualquer denúncia.