Os desafios dos emergentes

Lula sobre Dilma: “Nossa candidata dizia que ajuste era coisa de tucanos”

Ex-presidente defende investimento no Brasil mesmo na crise em evento do EL PAÍS

O ex-premiê espanhol Felipe González e Lula em Madri.
O ex-premiê espanhol Felipe González e Lula em Madri.Javier Lizón (EFE)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um diagnóstico da crise brasileira para uma atenta plateia em Madri nesta sexta-feira no qual não fugiu de um certo mea culpa. Atribuiu parte dos problemas políticos no país a um erro da campanha do PT para reeleger Dilma Rousseff em 2014. "Nossa candidata dizia que ajuste era coisa dos tucanos", disse o petista, em referência à mensagem durante a disputa eleitoral que rejeitava a possibilidade de ter de fazer cortes e arrocho econômico. "Há um equívoco que nós cometemos. Nós ganhamos as eleições fazendo um discurso, e depois fizemos coisas que dissemos que não íamos fazer". O giro provocou a revolta, ele disse, da base social da legenda.

O ex-presidente brasileiro participou na capital espanhola do fórum Os desafios dos emergentes, organizado pelo EL PAÍS, ao lado de Juan Luis Cebrián, presidente do PRISA, grupo que edita o jornal, o diretor desta publicação, Antonio Caño, e o ex-chefe do Governo espanhol Felipe González, entre outros.

MAIS INFORMAÇÕES

Na conversa, na mesa que compartilhou com González e Cebrián, o petista voltou a fazer críticas a um programa de recuperação da crise brasileira que envolva só ajuste fiscal: "Os coitados que subiram dois degraus não querem descer de novo." Defendeu, contudo, o investimento estrangeiro no Brasil, mesmo em recessão. "Não vejo hipótese de alguém estar pessimista com o Brasil. Se tem uma febre, você não vai jogar fora a criança. Você vai cuidar da criança." Ao seu lado, Felipe González fez coro e disse aos empresários espanhóis que deveriam aproveitar a atual conjuntura para “ajudar e investir na recuperação brasileira.” Investidores espanhóis estão entre as principais no Brasil, ao lado de americanos e belgas.

Desafio aos delatores

Lula, cujo partido e um filho são alvos de investigações por suspeita de corrupção, afirmou que o efeito das operações anticorrupção são positivos e repetiu que elas só são possíveis por medidas aprovadas sob o PT. "Só não tem uma forma de não ser molestado no Brasil: fazer as coisas corretas", disse. "Incomoda? Incomoda, mas acaba produzindo efeitos positivos".

O petista não fez referência direta à Operação Lava Jato ou à prisão do pecuarista José Carlos Bumlai, acusado de fazer tráfico de influência usando seu nome e até de seus parentes. "Eu desafio, mesmo aos empresários que estão sendo delatados, aqueles que estão presos, a dizer se um dia eles tiveram 20 segundos de conversa comigo sobre qualquer coisa que fosse ilegal." Disse não ter feito nada fora das normas em atividades e viagens nas quais promoveu investimentos e negócios das empresas brasileiras no exterior. "Os políticos temos de fazer esse debate."

O ex-presidente defendeu ainda a capacidade de recuperação da economia brasileira diante de uma crise conjuntural “que demorou mais do que deveria”. Defendeu a honestidade da presidenta Dilma agora que o seu Governo se encontra afetado por diversos casos de corrupção e a própria presidenta é alvo de pedido de impeachment. “Dilma é uma pessoa de muito caráter e muito decente”, sublinhou, mas advertiu que a “crise política atrasa a adoção das reformas necessárias”.

Na sua avaliação, o processo de destituição de Dilma “não chega a lugar nenhum, é um atentado moral”, que está fazendo com a que a imagem da economia brasileira dos últimos anos seja piorada mais do que realmente é.

Ainda nesta sexta-feira fontes ligadas à Operação Zelotes, que investiga a compra de medidas provisórias em seu Governo e no de Dilma, anunciaram que o ex-presidente seria convocado a depor no caso. Um dos filhos do petista, Luís Cláudio, é investigado por suposto envolvimento no esquema.

Um apelo a Maduro

Os ex-mandatários fizeram um apelo ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para que inicie um diálogo com a oposição e os setores produtivos para o bem do país e o sistema democrático. "O que aconteceu na Venezuela foi muito importante, é a alternância. Maduro precisa aprender que a democracia não é a perpetuação do poder”, disse Lula. “Poderia parecer diferente depois dos resultados do dia 6 de dezembro mas é igualmente dramático. Há a mesma necessidade de diálogo entre o Governo venezuelano e a oposição”, reforçou González.