Seleccione Edição
Login

Le Pen faz da extrema direita o principal partido da França

As eleições regionais, as primeiras desde os atentados de Paris, consagram desabamento do Partido Socialista do presidente Hollande

Marine Le Pen, logo após a divulgação dos primeiros resultados.

Marine Le Pen levou, neste domingo, a Frente Nacional, partido da extrema direita francês, às maiores taxas de sua história. A formação conquistou, no primeiro turno das eleições regionais, cerca de 30% dos votos, superando os Republicanos do ex-presidente Nicolas Sarkozy e os socialistas do atual presidente François Hollande. É um patamar inédito para a extrema direita, que confirma o êxito da estratégia da presidenta do partido de “desdemonizar” a organização, que vem conquistando adeptos nas classes populares.

A filha do fundador da Frente Nacional consolidou neste domingo o partido ultranacionalista e anti-imigração como o primeiro partido da França. “E isso, amplamente”, insistiu o vice-presidente da organização, Florian Philippot, depois de tomar conhecimento dos primeiros resultados do primeiro turno das eleições regionais. Marine Le Pen permitiu à FN um avanço espetacular desde que assumiu as rédeas de sua direção em 2011. O eleitorado consagrou sem margem a dúvidas a sua estratégia. Já o havia feito nas eleições para o Parlamento Europeu em 2014 e registrou uma nova vitória em março passado, nas eleições departamentais. Com o pleito deste domingo, realizado apenas três semanas após os piores atentados já registrados na França, com 130 mortos, a organização consegue uma aceleração inédita. Ela foi, além disso, o partido mais votado no primeiro turno em seis das 13 regiões metropolitanas em disputa.

Marine Le Pen tem forte possibilidade de conquistar a presidência da região Nord-Pas de Calais-Picardie. Neste primeiro turno, com 89% dos votos apurados, ela registrava 41,65% do total. Exultante diante da votação obtida, foi breve e solene, porém, em sua primeira declaração: “O povo se exprimiu. A França volta a erguer a cabeça”, afirmou. Mais tarde, chamou todos os seus “compatriotas a votarem no próximo domingo”, no segundo turno.

Uma virada geral à direita

Os Republicanos, partido presidido por Nicolas Sarkozy, se apresenta nas eleições sob a direção dos centristas. Seu discurso, porém, esteve mais próximo do que nunca do da extrema direita. A direitização generalizada é evidente. Depois dos atentados terroristas de 13 de novembro, o Partido Socialista adotou medidas extraordinárias: algumas delas amplamente defendidas pela Frente Nacional. E planeja adotar outras, na mesma direção.

Laurenht Wauquiez, secretário-geral dos Republicanos, foi mais além, depois dos atentados, exigem a criação de centros de internação para as 4.000 pessoas fichadas no país por terrorismo. Wauquiez concorre em Auvergne Rhône-Alpes, onde seu partido foi o mais votado no primeiro turno.

Mais difícil é a situação de outro candidato de centro-direita, Christian Strosi, que enfrenta Marion Marechal Le Pen em Provence-Alpes-Côte d’Azur (PACA). Strosi exibe um discurso anti-imigração bastante duro, fala em “quinta coluna do islamofascismo”, que teria declarado “uma terceira guerra mundial contra a civilização judaico-cristã”. Para esse deputado, o fato de possuir um documento de identidade não torna a pessoa, necessariamente, um francês. A retirada da candidatura do PS pode lhe favorecer para obter uma vitória no segundo turno domingo que vem.

Seu principal adversário na região, Xavier Bertrand, dos Republicanos, fez um apelo à esquerda para que se uma à sua candidatura com o objetivo de derrotar Marine Le Pen. “A FN levaria a região a uma situação de angústia e de declínio”, alertou. O presidente do partido, Nicolas Sarkozy, insistiu nessa posição: Os Republicanos não irão retirar nem se unir com outros no segundo turno. Os socialistas é que terão de votar nos seus candidatos para que se derrote a Frente Nacional.

O Partido Socialista reagiu anunciando a retirada de seus candidatos nas duas regiões onde a FN disparou: Nord-Pas de Calais-Picardie e Provence-Alpes-Côte d’Azur (PACA), onde Marion Marechal Le Pen obteve 42,87% dos votos (com 64% das urnas apuradas). A decisão foi anunciada pelo primeiro-secretário do PS, Jean-Christophe Cambadélis. Como indicavam todas as pesquisas, o Partido Socialista é o grande perdedor das eleições. Até agora, o partido governava, junto com aliados, 21 das 22 regiões metropolitanas. Com o novo mapeamento, definido no ano passado, manterá o controle de apenas duas, no máximo três, das 13 novas regiões.

A centro-direita registrou uma derrota relativa nestas eleições, tendo sido incapaz de capitalizar o declínio dos socialistas e de conquistar espaços da extrema direita. Foi o partido mais votado em apenas quatro das 13 regiões em disputa. Diante do baixo comparecimento dos eleitores, Sarkozy fez um apelo à mobilização para tentar conter a FN no segundo turno. A previsão é de que consiga conquistar no próximo domingo importantes fatias de poder. Seu discurso, além disso, teve um caráter nacional: “O veredito dos franceses é muito claro. A prioridade, para os franceses, é que a República pare de recuar, como tem feito nos últimos quatro anos”. “Os Republicanos são a única alternativa com credibilidade”, acrescentou o ex-presidente.

As eleições regionais fornecem à Frente Nacional uma plataforma inédita para continuar avançando na França. As regiões francesas dispõem de atribuições bastante limitadas: em suas mãos está a gestão administrativa das escolas, a organização dos transportes públicos, o apoio às pequenas e médias empresas e a política ambiental. Institucionalmente, porém, trata-se de um passo decisivo, e seus orçamentos são consideráveis: o governo de Nord-Pas de Calais-Picardie, que poderá ser dirigida por Marine Le Pen, conta com 3,3 bilhões de euros (cerca de R$ 13,2 bilhões) ao ano. A administração da região de PACA, que pode vir a ser dirigida por Marion Marechal Le Pen, tem orçamento anual de 2,1 bilhões de euros (R$ 8,4 bilhões).

A Frente Nacional terá um ano e meio para se mostrar como um partido de governo, capaz de administrar instituições de peso mais significativo, até as próximas eleições presidenciais, em 2017. O pleito deste domingo, além de ter sua importância aumentada por sido o primeiro desde os atentados terroristas de Paris, é também último antes da corrida presidencial. Por isso, a punição sofrida pelo Partido Socialista é carregada de simbolismo.

A esquerda corre o risco de se ver varrida do mapa político da França. O motivo para isso não reside apenas no ressurgimento da força da direita e da extrema direita. Os partidos de esquerda chegaram a essas eleições divididos, razão pela qual boa parte dos eleitores os aponte como principais responsáveis pela irrupção da extrema direita.

 

 

MAIS INFORMAÇÕES