Seleccione Edição
Login

Por que o Estado Islâmico odeia a França

EI alega razões militares, culturais e históricas para justificar seus ataques em Paris

Estado Islâmico ataca França
Tributo às vítimas dos ataques de sexta-feira em Paris. AFP

“Bata com uma pedra na cabeça, ou mate com uma faca, ou atropele com seu carro, ou empurre de um lugar alto, ou asfixie, ou envenene.” Foi assim que, em setembro de 2014, o porta-voz oficial do Estado Islâmico, Abu Mohamed Al-Adnani, ordenou a seus partidários que executassem “todos os descrentes” ocidentais. Mas acrescentou um comentário curioso: “Especialmente, os sujos e desprezíveis franceses”. Quatro meses depois, a redação do jornal Charlie Hebdo e um supermercado judaico de Paris eram vítimas de ataques, aos quais logo se sucederam a decapitação de um empresário em Lyon e o ataque frustrado a um trem de alta velocidade que ia de Amsterdã a Paris, e agora o atentado em série que abalou novamente a capital francesa.

O que motiva o Estado Islâmico a se irritar com a França? Segundo a procuradoria de Paris, os terroristas que atacaram o Bataclan justificaram sua violência pelo envolvimento francês na coalizão que atinge os bastiões jihadistas no Oriente Médio. Mas a retórica do contra-ataque militar tem matizes. Para o geógrafo Fabrice Balanche, especialista em Síria e diretor do Grupo de Estudos do Mediterrâneo e Oriente Médio na Universidade de Lyon, esse argumento é “parcialmente contraditório”, já que a França foi, até o momento, o país ocidental menos hostil aos sunitas e o mais duro com Bashar el Assad. “Paris apoiou a oposição política na Síria, armou alguns grupos rebeldes e se mostrou inflexível na luta contra El Assad, enquanto outras capitais europeias tinham posturas moderadas”, afirma Balanche. “Além disso, 95% dos ataques aéreos contra o EI na Síria e no Iraque são iniciativa dos norte-americanos.” A França, que não começou a bombardear os feudos do EI até setembro de 2015, seria responsável apenas por 4% do total dessas ofensivas.

Políticos, historiadores e outros especialistas concordam que existem razões que vão além do aspecto puramente militar. “Trata-se de um ataque a nossos valores. Não só os da França, mas os de todos os países que compartilham a fé na democracia, na tolerância e no valor do ser humano. Trata-se de uma investida contra os valores do Iluminismo do século XVIII, contrários a sua visão totalitária do mundo”, afirma o ex-ministro socialista Jack Lang, que preside o Instituto do Mundo Árabe em Paris. “Atacam todo o Ocidente, mas a França é um país especialmente simbólico, não só por nossa firme participação militar na Síria, mas por ser o lugar da Revolução de 1789 e do Século das Luzes.”

Nos ataques orquestrados contra a França, essa dimensão simbólico não é nada secundária. “O apego dos franceses aos valores republicanos, especialmente o laicismo, é algo que contraria o islã radical, incluindo seus partidários residentes na França. É um argumento recorrente, que permite mobilizar melhor seu entorno”, afirma Jean-Charles Brisard, consultor internacional sobre terrorismo e especialista no financiamento das redes jihadistas, depois de ter sido assessor de vários Executivos conservadores nos anos noventa. Segundo Brisard, a lei contra o véu islâmico em escolas e sedes da Administração francesa, aprovada em 2004, marcou um ponto de inflexão.

“A França é o país para o qual o Estado Islâmico mais aponta, por defender um sistema de valores oposto ao seu”, afirma Balanche. “Mas também por ser o país que mais tem jihadistas. Seriam 600 na Síria e no Iraque, segundo dados do Ministério do Interior, mas na verdade, conforme fontes não oficiais dos serviços de informação, mais de 2.000. Todos eles são suscetíveis a voltar ao território francês para perpetrar atentados”, afirma. “Com seus ataques, o EI tenta fazer com que a população muçulmana que vive na França seja estigmatizada, como aconteceu depois do atentado ao Charlie Hebdo. Querem que essa população pense que não vale a pena integrar-se a este país, onde isso gera muitos problemas, e acabe radicalizando.”

O cientista político Gilles Kepel, grande especialista francês no mundo árabe, tem a mesma opinião. “O que o Estado Islâmico deseja é provocar a guerra civil”, explicou no sábado ao Le Monde. Segundo Kepel, o EI pretenderia provocar “o linchamento de muçulmanos, os ataques a mesquitas e as agressões a mulheres com véu, para provocar assim uma guerra entre enclaves que semeiam o fogo e o sangue na Europa, percebida como o ponto fraco do Ocidente”. Para o cientista político, o passado colonial do país também está relacionado à violência islâmica da qual a França foi vítima nos últimos anos. “Recordemos que Mohamed Merah matou os alunos da escola [...] de Toulouse em 19 de março de 2012, no 50o aniversário do cessar-fogo da guerra da Argélia”, recorda.

Além disso, a França assinou, com o Reino Unido, o chamado acordo Sykes-Picot, que em 1916 permitiu desmantelar o Império Otomano desenhando diferentes países com fronteiras artificiais. Por exemplo, Síria e Iraque. Assim, Paris seria responsável por ter colocado fim ao sonho do califado perdido, a oumma (ou comunidade de crentes) que foi abolida quando o império caiu definitivamente em 1924. O EI joga com esse fantasma entre seus partidários, defendendo a emergência de um novo império islâmico que deixe para trás as fronteiras atuais, consideradas coloniais pelo grupo terrorista.

MAIS INFORMAÇÕES