O pastor da favela que desafiou a milionária indústria de Deus

Igreja Deus é Amor e Abelardo Lino travam batalha por um templo na favela da Rocinha

O pastor Abelardo Lino pregando na Rocinha.
O pastor Abelardo Lino pregando na Rocinha.Mauro Pimentel

Com uma bíblia numa mão e um punhado de fiéis a seu lado, o pastor Abelardo Lino Silva, de 38 anos, resolveu enfrentar a Deus é Amor, a sétima igreja pentecostal mais poderosa do Brasil. O alvo da disputa é um imóvel próximo à entrada da Rocinha, uma das favelas mais populosas da América Latina, onde, segundo dados não oficiais, convivem mais de 150.000 almas. A história começa cinco anos atrás, quando Abelardo, depois de duas décadas de serviço e vários périplos pela África como missionário da igreja, foi designado pastor para aquele imóvel que a congregação usava como templo havia mais de 20 anos. Mas sua missão de "ganhar almas para Deus" não superou os três meses. “Um dia, e eu ainda não sei qual é o motivo, a diretora, a filha do fundador, Débora Miranda, me ligou e me disse que não podia ser mais pastor da igreja. Desde então não retornaram mais minhas ligações”, lembra Abelardo.

No culto que se seguiu àquela ligação, Abelardo alçou os braços e contou aos fiéis que ia abandoná-los e aí começou uma pequena revolução. Cansados, dizem, de ver como o dízimo que entregavam religiosamente saía integralmente para a organização em São Paulo enquanto eles tinham que levar ao templo o papel higiênico de casa, os devotos encorajaram o pastor a resistir. “É muito dinheiro mas você não via que eles fizessem nada pela comunidade”, relata Abelardo, caçula de seis irmãos e criado em uma família humilde de Nova Iguaçu, no Rio.

Nesse tempo, o pastor fundou uma nova fé, a Igreja Pentecostal Missão de Resgatar Vidas, e usou o dízimo para levantar mais dois andares no imóvel original, montar uma creche gratuita para que as mães da comunidade possam trabalhar, oferecer auxílio aos dependentes de drogas e comprar a merenda a jovens na corda bamba da criminalidade e que só lhe escutam se estiverem de estômago cheio. Os fiéis relatam que quando têm problemas para pagar o aluguel, precisam comprar remédios, ir ao hospital ou resolver um conflito familiar a porta de Abelardo sempre se abre.

O local alvo da batalha entre fiéis.
O local alvo da batalha entre fiéis.mauro pimentel

“É o único pastor presente. Daqui só saiu dinheiro por 20 anos. Tentaram nos tirar o único líder que fazia bem à comunidade, então resolvemos tirar a instituição e ficar com o líder. Tinha uma época que nem podíamos sentar nas cadeiras de tão quebradas que elas estavam. Fomos lesados e enganados, o certo seria que eles nos indenizassem agora”, relatam atropeladamente Luciana, Regina, Isaura, Maria da Penha, Nildete e Aureceia, que invadiram todas juntas o escritório do pastor durante a entrevista. A Igreja Pentecostal Deus é Amor foi fundada em 1967 pelo missionário Davi Miranda e na época batizada pela imprensa de seita. Hoje conta com mais de 22.000 templos espalhados pelo Brasil e em outros 136 países.

Abelardo, com seus sapatos de ponta de couro, que dificilmente sai de seu papel de obreiro de Jesus eternamente abençoado, afirma que a decisão da Igreja o entristeceu pois afirma ter dado muito por ela. “Quando voltei da África [ele mostra os selos no seu passaporte de Moçambique, África do Sul e Zimbawe] fiquei muito doente, um problema de estômago que eu sofro até hoje”.

A batalha entre devotos está prestes a se resolver e é possível que os rebeldes percam diante a Justiça terrena. A última sentença, de setembro deste ano, apoiava a causa de Deus é Amor e decretava a reintegração de posse do imóvel. O conflito ainda reside em apontar quem é realmente o proprietário do local. Enquanto a Igreja afirma à reportagem que tem a posse e que muitos dos seus fiéis cobram há anos a volta de Deus é Amor ao templo, os seguidores de Abelardo mostram os papéis que provariam que o templo foi cedido pela comunidade para a evangelização, mas não entregue. “Isto nunca foi deles, foi comprado com nosso dízimo. A gente não tinha um pastor e deixamos que eles [Deus é Amor] ocupassem. E agora eles querem tirar o que é nosso? Se for preciso a gente fecha a Niemeyer [principal avenida que une a favela com os bairros ricos da Zona Sul]!”, exclama Regina de Fátima Leandro, de 63 anos, uma das cerca de 140 obreiros da nova fé.

Mais informações

Abelardo, na sua última chance, recorreu à decisão da Justiça. “Se chegar a ordem judicial, tudo o que foi plantado vai sumir”, anuncia, para concluir com a passagem bíblica da perseguição de Saul contra o rei Davi, vencedor da mítica batalha contra Golias. O texto descreve um Saul possuído pela ira diante a admiração do povo e da própria família por Davi o que levou a Saul, predecessor de Davi como rei de Israel, a perder a razão. “Se te mostrares fraco no dia da peleja, tua força será pequena”, reza Abelardo. “Seja forte e corajoso que Deus estará contigo”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: