Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Faceglória: a rede social evangélica sem palavrão onde ‘like’ vira ‘amém’

Iniciativa visa fazer contraponto ao Facebook, considerado "muito liberal" pelos criadores

Anúncio da rede Faceglória, lançada em junho.
Anúncio da rede Faceglória, lançada em junho.

Os likes foram substituídos por améns, pornografia e palavrões estão proibidos e cantos de louvor evangélicos são a trilha sonora constante. É o Faceglória, a rede social que se autodenomina “da família cristã”. “São todo bem vindos, espíritas, católicos... O nome é voltado para os evangélicos, mas todos podem estar lá”, afirma Átilla Barros, 30, um dos responsáveis pela iniciativa. “O Facebook é muito liberal, tem muita baixaria, promiscuidade. E isso desagrada as famílias”, diz o designer.

Ele rejeita o rótulo de careta, e diz que até fotos de biquíni estão liberadas: “Desde que de forma respeitosa. A praia é natureza, e a natureza foi criada por Deus. Não é pecado usar biquíni na praia”. Paqueras também são permitidas, desde que sigam os preceitos de “um ambiente familiar e sadio”. A rede social, criada este mês por um grupo de 30 pessoas ligadas a diversas igrejas, custou cerca de 40.000 reais até o momento. “Já chegamos a 50.000 membros, e nosso objetivo é chegar a 10 milhões em um ano. Em quatro meses não estaremos devendo nada para o Facebook”, diz Barros. Para ajudar a divulgar a plataforma, a estrela gospel Aline Barros foi recrutada, e ilustra a campanha da nova rede.

Homossexuais também são bem vindos, “desde que respeitem os princípios do Faceglória”, explica seu criador. De acordo com ele, gays não poderão usar a plataforma para “divulgar a ideologia deles”. “Respeitamos homossexuais, mas esta rede é para a família, e para nós família é um homem e uma mulher”. O controle do conteúdo é garantido por uma equipe que fiscaliza o que é postado, e quem viola as regras é punido com a exclusão do perfil.

Os responsáveis pela rede também adquiriram o domínio faceglory.com, visando expandir a iniciativa para outros países. O Faceglória ainda não tem anunciantes, mas Barros admite que para se sustentar a rede vai precisar de verba publicitária. “Qualquer um poderá anunciar, desde que os as propagandas respeitem nossos princípios”, afirma. O Boticário, que provocou polêmica com uma campanha de Dia dos Namorados com casais homossexuais, poderia anunciar, “desde que uma outra peça”, diz. Segundo o designer, a rede não é associada a nenhuma igreja ou partido político.

Para Edna Lima, 25, o Faceglória  é "uma rede social da família" que pode "contribuir para criação de novas famílias" e ajudar "os jovens de Deus" a "seguir e compartilhar sua palavra". Miriam Melchiore de Mattos, 50, também é usuária da rede. “Gosto muito porque fica tocando as músicas de louvor”, diz. Para ela, as outras redes sociais têm “muitas coisas que não convém”.  Não descarta que a rede, que tem ferramenta de bate-papo e um visual inspirado na principal rede social do mundo, também sirva para formar novos casais: “Desde que sejam dois solteiros, né?”

MAIS INFORMAÇÕES