A morte de Miele

Muito além de ‘Cocktail’: dez canções para lembrar Miele

Grandes momentos de Luiz Carlos Miele, o homem que marcou o show business brasileiro

Luiz Carlos Miele foi essencial na história da MPB.
Luiz Carlos Miele foi essencial na história da MPB.TV Globo

Miele pode ser muitos. Para os mais jovens - jovens mesmo, tipo adolescentes -, ele pode ser o Jack Parker da novela global Geração Brasil. Para a turma de 30 anos de idade, a imagem mais marcante, porém, talvez possa ser a de um animador extravagante, que introduzia mulheres seminuas (para sermos generosos) em palcos queijinhos do programa Cocktail. Se voltarmos mais no tempo chegaremos ao Miele humorista ao lado de Jô Soares ou ao Miele parceiro do ratinho Topo Gigio - ao substituir Agildo Ribeiro no Mister Show. E se avançarmos mais ainda na nossa viagem cairemos no Beco das Garrafas, onde organizava pocket shows.

Ao lado de Ronaldo Bôscoli, Luiz Carlos Miele (que morreu nesta quarta no Rio de Janeiro) foi um dos principais nomes do show business brasileiro. A dupla produziu apresentações de Elis Regina, Wilson Simonal, Roberto Carlos, Sérgio Mendes. Em uma época pré-MTV, Luiz Carlos Miele foi diretor musical do ‘Fantástico’.

"Enquanto Boscoli era odiado como a língua mais venenosa do Brasil e um virtuose de maledicência, todo mundo gostava do Miele. Eram uma dupla perfeita. Os artistas e empresários brigavam com Boscoli e faziam as pazes com Miele", disse o jornalista Nelson Motta em sua página no Facebook.

Para brindar a contribuição do músico, produtor, diretor, ator e tantos outros ofícios que mais couberem na história da cultura brasileira, escolhemos dez músicas para lembrar a Era Miele.

Melô do Tagarela. Na voz do próprio Miele, a versão de Rapper's delight é considerada o primeiro rap da história brasileira.

Nem vem que não tem. Wilson Simonal foi um dos tantos artistas brasileiros que tiveram shows e especiais de TV produzidos pelo Luiz Carlos Miele.

Copacabana. Em uma edição do Fantástico de 1978, Miele interpretou o hit de Barry Manilow.

Samba de uma nota só. Um clássico do Rio de Janeiro de Tom Jobim, cenário das aventuras do jovem Miele.

Tereza da Praia. Dick Farney foi amigo de Miele e o primeiro a gravar essa canção, que depois ganhou diversos intérpretes.

Chega de Saudade. Não tem como falar de Bossa Nova e Beco das Garrafas sem citar João Gilberto e essa música, tida como o marco do movimento.

Zazueira. Elis Regina foi uma das maiores vozes femininas da MPB. E mulher de Bôscoli, parceiro de Miele. No início dos anos 1970, a dupla produziu especiais de Elis.

Mas que nada. Sergio Mendes, um dos nomes da música brasileira mais populares internacionalmente, foi outro artista cujos shows ganharam o toque de Miele.

Emoções. Até mesmo o 'Rei' não passou incólume à magia de Miele. Roberto Carlos entrou para a rol de artistas dirigidos por ele.

Mambo Mambo. O grupo Tutti Frutti Girls cantava a música tema do programa Cocktail no SBT, que muito fez a alegria dos meninos na puberdade.

Nossa playlist dedicada ao Miele no Spotify.