Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Na crise, Dilma nem bem apaga um incêndio e outro já começa a irromper

Crise chegou às ruas, insufla divórcio com base petista e retroalimenta a crise política

Dólar, que nesta segunda subiu 3,37% após queda, é sintoma de uma situação em parafuso

Eduardo Cunha em evento em Brasília. Ampliar foto
Eduardo Cunha em evento em Brasília. REUTERS

A mais de uma hora e meia de carro do centro, na localidade de Embu das Artes, onde a mastodôntica cidade de São Paulo termina, está assentado o acampamento Paulo Freire. São milhares de barracos feitos com plásticos e bambu erguidos em uma paragem estranha que se limita, por um lado, com o fim da cidade e, por outro, com o jardim em que o Brasil se transforma quando a natureza é deixada em paz. Ali, o Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST) ocupou ilegalmente uma propriedade particular para reivindicar moradias. É sua prática habitual de pressão. Os habitantes do acampamento (alguns, os mais desesperados, dormem ali, outros, não) estão inscritos em uma longa lista. Mas a crise, e os ajustes que o governo tem empreendido para combatê-la, fez com que os programas sociais –bandeira eleitoral de Dilma Rousseff e de seu partido, o PT– se ressintam, e que a perspectiva de receber uma casa se alongue muito além dos mais de dez ou 15 anos em muitos casos. O sonho da casa própria se distancia.

Em um dos cantos do acampamento, em um refeitório público feito com tábuas e operado por voluntários integrantes do movimento, especialistas em pratos improvisados para bandejão, como espaguete com salsicha e feijoada feita com o que houver, uma família aguarda. Ela, Vânia, despedaçou o joelho há três anos ao cair e salvar, com uma torção rara, o filho que carregava nos braços. Perdeu o trabalho de faxineira. Ele, Luciano Ferreira, está desempregado. Sobrevivem dos 1.100 reais do seguro-desemprego. Estão inscritos no Programa Minha Casa Minha Vida, um dos que sofreram cortes. Por isso sabem que não será fácil encontrar uma casa e deixar de viver de aluguel em um bairro pobre perto de onde se ergue o acampamento e para onde vão todos os dias para comer e se inteirar das novidades. Também sabem que quando deixarem de receber o valor do seguro-desemprego talvez tenham de ir todos morar no acampamento. Aqui faz muito calor se o sol está forte. Quando chove se converte em uma torrente de lama suja, e no Brasil não é raro que mesmo dia se sucedam as duas coisas. Em uma esquina há um retrato digno de Dilma Rousseff olhando para a frente e uma frase “A saída está à esquerda”. Mas há quem renegue o partido no governo por considerar que os traiu. Na semana passada, membros do MTST invadiram sedes do Ministério da Fazenda para protestar contra os cortes. Alguns levavam outro retrato de Rousseff, desta vez menos entusiástico, desta vez com o acréscimo de feias unhas em forma de facas, parecidas com as do filme Edward Mãos de Tesoura, uma referência ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy. O líder do movimento, o combativo Guilherme Boulos, já não esconde suas críticas a um Governo e a um partido que sempre teve o avanço social do Brasil e a luta contra a desigualdade como uma de suas principais metas. Promete mais protestos.

Enquanto isso, a crise saltou dos jornais para a rua, afetando todos. A queda livre do real em relação ao dólar (nesta segunda-feira, depois do recorde da semana passada, subiu 3,37% de novo e fechou, por 4,10 reais) se transformou no elemento palpável e mensurável de uma economia em parafuso. O pão fica mais caro porque, como paradoxo de um país imenso, o trigo é importado da Argentina. Em alguns supermercados da capital paulista as filas de candidatos com o currículo na mão para uma vaga de caixa dão a volta na esquina, coisa impensável há poucos meses. O desemprego cresceu em um ano, de 5% para 7,6%, em sintonia com os nocauteados ânimos de uma população, tanto os mais ricos como os pobres.

Todos os fogos

Além do mais, a economia alimenta a crise política, e vice-versa: os escândalos de corrupção afundam a crise política, e vice-versa. E no meio de tudo, cada vez mais criticada, Rousseff nem bem apaga um fogo, como o dos rumores de que Levy deixaria o cargo há um mês, e outro já começa a irromper: a agência de classificação de risco Sandard & Poor’s rebaixou a nota do país e a colocou no nível de títulos podres e agora a Fitch ameaça segui-la. Ou outro: condenam o ex-tesoureiro do PT João Vaccari a 15 anos de prisão em uma das múltiplas derivações do Caso Petrobras.

Para acalmar os mercados e deter a perigosa escalada do dólar, a presidenta precisa seguir as rígidas regras do ministro da Fazenda, o ortodoxo e liberal, quanto à contenção do gasto. Precisa também que o Congresso não vete suas medidas de ajuste e de contenção de gastos. Em uma palavra: necessita dar a impressão de que tem o país sob controle. E isso não é fácil.

Na semana passada, depois de um dia de constantes rumores e concessão atrás de concessão, o Governo, em minoria de fato na Câmara, conseguiu que seus teóricos aliados na Casa, ou parte dos 63 deputados do PMDB, uma legenda especialista em ter a palavra decisiva com quem estiver no poder, o ajudassem a rechaçar iniciativas parlamentares destinadas a torpedear esses cortes. Em troca, Rousseff, prometeu ao PMDB seis ministérios em uma iminente reformulação do Executivo, incluindo o emblemático ministério da Saúde. Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente brasileiro e membro do PSDB, de inspiração de centro-direita e na oposição e que no poder também precisou do PMDB, foi explícito na sexta-feira ao qualificar a iniciativa: “Está vendendo sua alma ao diabo”. À primeira vista, o acordo parecia fechado. E parecia fácil. Mas nada no Brasil da crise é assim. A oposição – entre os quais se podem incluir a qualquer momento esses decisivos, mas voláteis nomes do PMDB, peritos no jogo de gato e rato com o Governo– guardou cartas na manga: a votação de um reajuste de 78% no salário dos funcionários da Justiça. Uma aprovação, na votação que agora está prevista para esta quarta, constituiria uma bomba midiática que lançaria por terra as promessas de austeridade, minaria ainda mais a já escassa credibilidade da presidenta, faria o dólar subir e, na sequência, o pão.

MAIS INFORMAÇÕES