Dilma cortará 10 dos 39 ministérios, um clamor das ruas e do PMDB

Pastas cotadas para serem extintas estão sob o comando do PMDB justo no momento de crise entre o vice, Michel Temer, e a presidenta

Os ministros Barbosa, Kassab e Edinho, após reunião no Planalto.
Os ministros Barbosa, Kassab e Edinho, após reunião no Planalto.Antonio Cruz (Ag. Brasil)

Demorou, mas finalmente o esperado anúncio da redução de ministérios chegou. A presidenta Dilma Rousseff fez uma jogada ousada para atenuar as críticas à sua gestão e anunciou uma reforma administrativa que pretende reduzir de 39 para 29 o número de pastas. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (24/08) pelos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e das Cidades, Gilberto Kassab, logo após a reunião semanal da coordenação política, que acontece todas as segundas no Palácio do Planalto.

Os cortes ocorrerão até o fim de setembro e incluirão também a redução dos cargos comissionados. Tanto o número elevado de ministérios quanto o de funcionários comissionados (são mais de 22.000) eram alvos de frequentes críticas da oposição. Segundo Barbosa, nas próximas semanas, todos os ministros apresentarão suas propostas de redução. Algumas pastas serão fundidas e outras, extintas. O ministro não informou quais áreas sofrerão os cortes nem qual a expectativa de economia, mas explicou que o anúncio ocorreu neste momento porque o Governo deve iniciar as negociações para a votação do orçamento de 2016. Até a próxima segunda-feira a peça orçamentária será enviada ao Congresso Nacional. Além disso, de acordo com Barbosa, era necessário encerrar a votação do ajuste fiscal no Legislativo para depois apresentar a redução do custeio público.

“Dentro do processo teremos um valor que se pode atingir, no curto prazo, mas no momento a melhor economia é aumentar a produtividade”, afirmou o ministro do Planejamento.

Entre os ministérios cotados para serem cortados há três secretarias que estão sob comando do PMDB: Portos, Aviação Civil e Pesca. Assim, o partido do vice-presidente, Michel Temer, deverá ser o que mais perderá cargos. A legenda ainda comanda os ministérios do Turismo, da Agricultura e Minas e Energia. O vice também acumula a função extraoficial de ministro da secretaria de Relações Institucionais.

Mais informações
Fim da recessão fica cada dia mais distante com confiança em baixa
Esquerda vai às ruas em clima de ‘ruim com Dilma, pior sem ela’
PT: de mais amado a mais odiado
Dilma fecha com Renan para isolar Cunha e abraça plano polêmico
“O Brasil está conhecendo a direita, e a esquerda está desesperada”
Câmara já começa a discutir sucessão de Eduardo Cunha
A mais maldita das heranças do PT, por ELIANE BRUM
Setor privado se movimenta para blindar a economia
As dores de cabeça de Dilma Rousseff

O corte de pastas era uma cobrança também do presidente do Senado, Renan Calheiros. A Agenda Brasil, proposta por ele há duas semanas como forma de reaproximação entre o Senado e o Planalto, incluía essa sugestão. Na Câmara, o PMDB também tentava ressuscitar um projeto de lei, de autoria do hoje oposicionista Eduardo Cunha, que previa limitar o número de ministérios em 20. Com a reforma anunciada nesta segunda-feira a tendência é que a proposta legal entre em modo de espera.

A reforma administrativa incluirá também a intensificação do programa de redução de custeio (que prevê a economia de gastos com transporte, água e energia elétrica) e a venda de terrenos da União. Entre os que devem ser vendidos estão alguns que hoje pertencem à Marinha. Barbosa diz que ainda não é possível fazer uma estimativa de qual será o retorno com essas mudanças.

Momento político

A decisão de anunciar essa reforma administrativa chega em um dos momentos mais delicados para a gestão Rousseff. O seu vice-presidente, Michel Temer, tem se sentido desprestigiado na função de articulador político e ameaça deixar esse cargo. A saída dele pode significar um aceno à oposição, que tenta emplacar a tese de que Rousseff deveria renunciar ao cargo ou sofrer um processo de impeachment devido a irregularidades na sua gestão (leia-se “pedaladas fiscais”) e por supostas fraudes na arrecadação de recursos na campanha eleitoral do ano passado.

As reclamações de Temer surgiram depois que assessores de Dilma, com cargos inferiores ao dele, passaram a negociar com parlamentares emendas ao Orçamento e maneiras de atuação nas três principais CPIs em andamento na Câmara: a da Petrobras, a do BNDES e a dos Fundos de Pensão. Até então, os responsáveis por esse contato eram Temer e um de seus principais aliados, o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha. Este, inclusive passou os últimos dois meses se preparando para anunciar um pacote de benesses que seriam entregues aos deputados da base, como a indicação de funcionários do segundo e terceiro escalões. Com a reforma administrativa, o trabalho muito provavelmente terá de ser refeito.

Após a reunião da coordenação política desta segunda-feira, Temer e o ministro Padilha, se reuniram a portas fechadas com Rousseff para tentar chegar a um consenso.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS