Skarlatos e Spencer, dois heróis americanos que evitaram massacre

Jovens militares em viagem turística subjugaram o agressor no trem de Amsterdã a Paris

Sadler, Skarlatos e Norman com as medalhas ganhas por bravura. AFP / REUTERS LIVE (reuters_live)

Tudo aconteceu muito rápido”, relatou neste sábado de manhã à imprensa Anthony Sadler, o estudante norte-americano de 23 anos que, junto com dois soldados compatriotas, conseguiu na véspera neutralizar o agressor no trem de Amsterdã a Paris. Sadler viajava com Alex Skarlatos, de 22 anos, e com Spencer Stone, de 23. Os três amigos de infância estavam de férias viajando pela Europa.

Tratados como heróis, os três jovens, auxiliados por um consultor britânico de 62 anos, evitaram uma verdadeira chacina a bordo da linha expressa Thalys em plena operação de volta das férias.

MAIS INFORMAÇÕES

O autor do atentado, um marroquino de 26 anos que esteve na Síria e morou na Espanha por um ano, até 2014, portava duas armas automáticas e dez carregadores. Foi preso na estação de Arras, Norte da França, para onde o trem foi desviado depois do ataque. Neste sábado pela manhã ele foi levado para a divisão antiterrorismo da polícia judiciária, nas imediações de Paris.

“Ouvimos um disparo e o barulho de vidros quebrados”, explicou em entrevista coletiva, em Arras, Alex Skarlatos, membro da guarda nacional do Estado do Oregon, que em julho voltou de uma missão no Afeganistão. O jovem de 22 anos não entendeu o que estava acontecendo até que viu uma funcionária do trem passar correndo. “Olhei para trás e vi um homem entrar no vagão com uma Kalashnikov. Meu amigo e eu nos protegemos e então nos lançamos sobre ele”, contou.

O consultor Chris Norman, que viajava no mesmo vagão, disse que ao ver o homem com a Kalashnikov, Skarlatos disse a Stone, membro da Força Aérea lotado nos Açores e nascido em Sacramento, que precisava ir para cima dele. “O homem sacou um estilete e feriu Spencer na parte de trás do pescoço. Também quase lhe arrancou o dedão da mão. Spencer o segurou e finalmente o neutralizou, estava inconsciente, e o amarramos”, narrou. “Spencer correu uns 10 metros até o sujeito. Começamos a golpeá-lo na cabeça até ficar inconsciente”, acrescentou Skarlatos.

“Não disse uma palavra. Só falava: ‘devolva minha arma, devolva minha arma’”, contou por sua vez o estudante, que segundo a imprensa norte-americana é californiano. “Sou um simples estudante que veio visitar os amigos na minha primeira viagem à Europa, e impedimos um terrorista, é uma loucura”, disse Sadler. O estudante contou que falou por telefone com Spencer, internado no hospital, que lhe assegurou que “está bem”. “Não consegue acreditar no que aconteceu.”

O canal de TV norte-americano CNN publicou um vídeo filmado pelo estudante com seu celular depois de controlada a situação. Nele é possível ver o agressor no chão, de calça branca e sem camisa, com as mãos amarradas nas costas. No banco, perto de uma mochila, é visível a Kalashnikov, além de manchas de sangue nos vidros. Também aparece um homem ajoelhado, com o pescoço totalmente ensanguentado, aparentemente Spencer, ajudando um passageiro ferido.

À noite, o presidente dos EUA, Barack Obama, exaltou a atuação “heroica” dos militares norte-americanos e declarou sua “profunda gratidão pela bravura e pela reação de vários passageiros, inclusive membros do exército norte-americano, que de forma altruísta neutralizaram o agressor”. A cidade de Arras concedeu medalha de honra aos quatro que evitaram um verdadeiro banho de sangue.

Segundo o canal BFMTV, o agressor negou para a polícia que fosse um terrorista e disse que seu objetivo era fazer um roubo à mão armada. Teria dito que tinha encontrado as armas num parque.