Aprovação de Dilma para de cair, mas maioria aprova impeachment

Às vésperas de ato, Datafolha diz que só 37% sabem quem assume se houver impedimento

Protesto anti-Dilma na Paulista, em março.
Protesto anti-Dilma na Paulista, em março.EFE

Na véspera de mais um ato pedindo o impeachment de Dilma Rousseff, o instituto Datafolha divulgou uma pesquisa com relativamente boas e alguma más notícias para o Governo. A boa é que a aprovação da mandatária, que vinha despencando desde o final do ano passado, parou de cair. A péssima é que a maioria das pessoas ouvidas no levantamento apoiam a abertura de um processo de impeachment contra ela. Atualmente, nenhum grande partido da oposição endossa abertamente a medida.

No total, 63% dos entrevistados apoiam o impedimento de Dilma, 33% são contra e 4% não sabem, de acordo com os números da reportagem publicada pela Folha de S. Paulo. O desconhecimento do que aconteceria depois, no entanto, também é grande: só 37% sabem que a presidência seria assumida pelo vice, e apenas metade das pessoas que tem conhecimento disso sabem o nome de quem ocupa o cargo atualmente. Logo, apenas 12% dos que defendem o impeachment de Rousseff sabem que Michel Temer (PMDB) herdaria a presidência.

Mais informações

O índice de pessoas que apoiam os protestos contra a mandatária também é alto: 75%. A maioria dos entrevistados (57%) também acredita que Dilma sabia do escândalo de corrupção na Petrobras investigado pela Operacão Lava Jato, e mesmo assim deixou que ele ocorresse. A economia também preocupa os brasileiros, e 78% das pessoas acha que a inflação continuará subindo, e apenas 10% acham que o Governo conseguirá resolver o problema.

O caso da Petrobras investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público parece estar alterando as preocupações do brasileiro. Pela primeira vez, o tema corrupção apareceu empatado tecnicamente com saúde na lista das maiores apreensões dos entrevistados. Para 23%, o maior problema é a saúde, e para 22%, a corrupção.

A porcentagem de pessoas que consideram o Governo de Dilma bom ou ótimo se manteve estável em 13% com relação ao levantamento anterior. 60% dos entrevistados consideram o Governo ruim ou péssimo, dois pontos a menos do que na última pesquisa. De qualquer forma, ainda não há razão para o Planalto comemorar, já que estes números estão entre os piores desde o início do primeiro mandato de Dilma, em 2011.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: