Seleccione Edição
Login

Milhares de pessoas se mobilizam contra a falta de água em São Paulo

Cidadãos mais vulneráveis pedem por mais transparência na crise e pelo fim do racionamento seletivo

Militantes do MTST protestam em São Paulo.
Militantes do MTST protestam em São Paulo. AFP

Cerca de 10.000 pessoas convocadas pelo Movimento de Trabalhadores Sem-Teto (MTST) marcharam na tarde desta quinta-feira contra o "racionamento seletivo" de água que sofrem nas suas casas há meses. Os manifestantes, moradores de periferia, favelas e ocupações irregulares, chegaram até o Palácio dos Bandeirantes depois de três horas de caminhada e conseguiram ser recebidos no gabinete do governador Geraldo Alckmin. As exigências da marcha passam por que o Estado seja mais transparente na gestão da crise hídrica, que distribua caixas de água para os mais pobres e que suspenda os contratos que privilegiam com descontos os grandes consumidores. O grito de guerra repetia-se nos discursos do carro de som: "Se a água não chegar, a cidade vai parar".

"Tem bairros que ficam cinco dias sem água. Enquanto o Governo afirma que não há e que não haverá rodízio, o racionamento já está acontecendo contra os mais pobres. Não vamos a admitir que só nós assumamos a irresponsabilidade do Governo nesta crise", gritava Guilherme Boulos, um dos líderes do movimento. "Na periferia, o racionamento é sistemático há meses", disse.

Entre os 10.000 manifestantes — PM e organizadores coincidiram no número — fala-se com assombrosa naturalidade dos banhos com canequinha, de que sem ajuda dos vizinhos muitas noites não poderiam cozinhar, da água suja da torneira (quando sai) e dos baldes para captar água de chuva. Muitos não têm nem caixa de água e, quando são questionados sobre se já pensaram em comprar uma, a resposta é sempre a mesma, uma risada e uma pergunta: "com que dinheiro eu compro?".

Com a filha nos ombros, a recepcionista Josiane de Jesus, de 28 anos, relata a rotina na sua casa de Parelheiros, no extremo sul de São Paulo. "A água falta desde as 13h e quando volta não tem força para preencher nossa caixa de água. A gente enche ela com a mangueira e, quando não dá, com baldes". O problema de Josiane é precisamente aquele que na quarta-feira reconhecia por primeira vez o diretor metropolitano da Sabesp Paulo Massato. O dirigente afirmou que a companhia rebaixa tanto a pressão, descumprindo normas técnicas, que é insuficiente para atingir os reservatórios nos telhados.

"Estamos assim desde o mês de março, já me aconteceu várias vezes de chegar em casa depois do trabalho e não poder cozinhar. Em casa, a louça, a roupa e a descarga dependem da água que a gente cata quando chove. Gostaria de que o Governo se colocasse na minha situação, eles continuam tendo água", lamenta Josiane, que mora com mais sete pessoas.

Os manifestantes carregaram de símbolos a passeata. Um boneco do governador Alckmin tomando banho e um caminhão-pipa, escoltado por homens armados com metralhadoras feitas com canos, ocuparam um lugar nobre da marcha, moradores vestidos de índios dançaram pedindo chuva e dezenas de pessoas se fantasiaram de sujos para encenar como fica difícil viver sem água.

Mancando de uma perna, o baiano Edivaldo de Aragão, de 66 anos, acompanhava com dificuldade e um chapéu de cowboy a multidão. "Já chegamos a ficar sem água um semana, mas a gente pede um baldinho para os vizinhos, senão, não daria", conta o idoso, morador do Jardim São Marcos, em Embu das Artes.

Outro dos temores dos milhares de manifestantes é a possibilidade de a Sabesp aumentar, mais uma vez desde dezembro, a tarifa, como revelou a Folha de S.Paulo. Boulos advertiu logo no começo da passeata: "Se a conta de água subir, nós não vamos mais pagar". A multidão também deixou clara sua mensagem na porta da residência do governador: "Se a água subir, o Geraldo vai cair, vai cair, vai cair".

Está é a segunda marcha do MTST para evidenciar a falta de água nas comunidades mais carentes — a primeira foi em setembro do ano passado. Além do MTST, também participam do ato partidos o PSOL e PCdo B, além da Central Únicas dos Trabalhadores (CUT), ligada ao PT. A presença da polícia foi mínima e o protesto acabou sem incidentes.

MAIS INFORMAÇÕES