Troca na Cultura expõe divisões do PT e crise na montagem do Governo

Críticas da senadora Marta Suplicy escancaram dificuldades internas do segundo mandato

Ministro Mercadante cumprimenta o colega Juca Ferreira.
Ministro Mercadante cumprimenta o colega Juca Ferreira.Elza Fiúza (Agência Brasil)

Desde que renunciou ao comando do Ministério da Cultura, em novembro do ano passado, a senadora Marta Suplicy criticou a condução econômica do primeiro Governo Dilma Rousseff, chamou o principal ministro do Governo Dilma, Aloizio Mercadante, de arrogante e autoritário, e denunciou o novo ministro da Cultura, Juca Ferreira, à Controladoria-Geral da União (CGU) por "desmandos e irregularidades". A expectativa é de que Marta deixe o PT em busca de mais espaço e prestígio _e uma possível candidatura à Prefeitura de São Paulo_ em outro partido. Mas, para além de seu incômodo pessoal, as críticas da senadora levam a público as tensões com que os petistas se confrontam enquanto Dilma tenta colocar de pé seu segundo Governo.

Mais informações
Equipe econômica do segundo mandato estreia com ruídos
Dilma se compromete com metas que dependem da Petrobras
Sob aplausos e vaias discretas, Dilma empossa novo ministério
À espera da reinvenção de Dilma
Marta Suplicy é a primeira ministra a pedir demissão no Governo Dilma

Marta utilizou a polêmica entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, no fim de semana, para dizer que Dilma montou um ministério "cujo critério foi a exclusão de todos que eram próximos do [ex-presidente] Lula". De fato, a troca de Gilberto Carvalho por Miguel Rossetto na Secretaria-Geral da Presidência não apenas tirou do novo Governo um fiel escudeiro de Lula, como ampliou, junto com Pepe Vargas na articulação do Governo, a presença da corrente petista minoritária Democracia Socialista (DS). Esse subgrupo do PT ganha espaço na esteira dos desentendimentos e da falta de coesão da corrente majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB), da qual fazem parte, por exemplo, Mercadante, Marta Suplicy e Lula.

Segundo Marta, Lula não estaria mais se entendendo tão bem com Dilma, "Mercadante é inimigo", o presidente nacional do PT, Rui Falcão, "traiu o partido e o projeto do PT" e "o partido se acovardou ao recusar um debate sobre quem era melhor para o país [na eleição de 2014], mesmo sabendo as limitações de Dilma". A senadora disse ainda que "Mercadante mente quando diz que Lula será o candidato" do PT em 2018 e acusa o ministro-chefe da Casa Civil de fazer um complô com Falcão e o marqueteiro João Santana "para barrar Lula".

Muitas das insatisfações verbalizadas por Marta nos últimos meses ecoam dentro do partido, como comprovou o senador em fim de mandato — e ex-marido de Marta — Eduardo Suplicy, ao dizer nesta segunda-feira que acha "importante que todos nós do PT façamos uma reflexão de profundidade a respeito [das declarações de Marta]". "Todos nós temos sofrido e nos preocupado com as inúmeras notícias relativas a acontecimentos com membros do PT, ou da própria administração, a exemplo do que ela citou sobre a Petrobras", comentou Suplicy.

Um dos grandes incômodos petistas é a fama de corrupto que o partido ganhou ao longo dos anos de poder — o que ajudou a reduzir o número de representantes petistas no Congresso Nacional ano após ano, apesar das vitórias nas eleições majoritárias. "Somos um dos partidos mais cobrados e atingidos pela Operação Lava Jato, mas, até agora, ninguém do PT foi preso ou denunciado", exemplifica o deputado estadual pelo Rio Grande do Sul Raul Pont, um dos líderes da recém-fortalecida corrente Democracia Socialista. Para Pont, é hora de o PT fortalecer o próprio Governo, apostando em uma "participação mais protagonista da população", para depender menos de aliados sem disciplina como o deputado Eduardo Cunha, do PMDB, que "só afronta o Governo".

O problema é que, na tentativa de se valorizar dentro do Governo, o PT pode melindrar ainda mais os apoiadores já insatisfeitos com o espaço que ocupam, mesmo após a presidenta Dilma fazer exercícios para acomodar todos os partidos de sua base na Esplanada dos Ministérios. Líderes do principal partido aliado, o PMDB, que nunca se furtaram a demonstrar incômodo no Governo Dilma, alimentam a criação de uma nova CPI da Petrobras e já avisaram que não estão com os petistas em pautas como a regulação da mídia.

Enquanto tenta lidar com as tensões internas, a cúpula do Governo Dilma faz como sugeriu o vice-presidente do PT e deputado federal José Guimarães: "O silêncio é a melhor resposta". Após a mais recente entrevista de Marta Suplicy, nenhum dos nove ministros que foram reforçar a posse de Juca Ferreira no Ministério da Cultura, entre eles Mercadante, se arriscou a comentar as críticas da senadora. O único a falar sobre o assunto foi o próprio Ferreira, segundo quem a colega de partido "quis atirar em Deus, e acabou acertando num padre de uma paróquia". O ministro só não esclareceu quem é o Deus que segue inatingido no PT.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS