Coluna
i

Por que Dilma não revela quais são os ‘inimigos externos’ da Petrobras?

Até agora nenhum dos acusados denunciou inimigo externos responsável pelo seu colapso

A presidenta Dilma Rousseff em seu discurso de posse perante o Congresso fez uma afirmação grave, uma das mais importantes de seus 40 minutos de discurso, e que causou perplexidade. Falou que existem “inimigos externos” que conspiram contra a Petrobras, a grande petroleira brasileira hoje sofrendo grande humilhação da Justiça e da Polícia Federal por ter sido descoberto em seu interior o maior escândalo de corrupção política e empresarial da democracia. E garantiu que está disposta a combatê-los.

Não revelou, no entanto, quem são esses famosos inimigos que decidiram causar a crise na importante petroleira. Por que esse silêncio?

Fez bem, Dilma, em tecer os elogios à que já foi a joia da coroa da indústria brasileira fora e dentro do país. Fez bem em prometer que deseja extirpar o câncer que corrói a Petrobras, que tem, entre os diretores e gestores nomeados por ela ou seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, alguns que estão na prisão acusados de ter subtraído da empresa bilhões de dólares para alimentar o partido do governo ou partidos aliados, além de terem enriquecido pessoalmente, como estão revelando os interrogatórios da Justiça.

Mais informações

Ocorreu, porém, um lapso grave da presidenta em seu discurso, como puseram em evidência os analistas políticos, no fato de ter mantido o silêncio e suspense em relação a esses misteriosos “inimigos externos” da Petrobras.

É estranho porque a tentativa de lançar sobre inimigos externos os males de um governo costuma ser patrimônio de democracias frágeis, inseguras, dominadas por populistas ou ditadores incapazes de fazer autocrítica de seus erros.

Não é o caso do Brasil, que, como a própria presidenta destacou, goza de uma democracia onde funcionam com liberdade os três poderes e todas as instituições.

Os cidadãos brasileiros e todos os que têm ações da empresa, que perdeu 60% de seu valor, têm o direito, portanto, em respeito à democracia que desfrutam, de conhecer quem são esses inimigos de fora da Petrobras que os levaram a perder parte de seu patrimônio.

Pelo que até agora estão descobrindo tanto a Polícia Federal como os promotores e juízes federais por meio dos interrogatórios e das delações premiadas, esses inimigos ficaram aninhados durante anos dentro da empresa, foram escolhidos pelo governo, às vezes para agradar aos partidos aliados, e eles mesmos estão revelando que o demônio que tentou a Petrobras estava dentro, muito dentro, e não fora.

Nenhum deles, nem sequer os empresários opulentos que faziam seus cambalachos com a empresa para obter benefícios –altos dirigentes que continuam na cadeia –, acusou nenhum inimigo externo pelos males que prejudicaram a Petrobras e a levaram a perder valor e prestígio.

Já que a presidenta preferiu o silêncio sobre esse enigma dos “inimigos externos”, cabe imaginar que poderia referir-se, por exemplo, aos meios de comunicação que trouxeram a públicos os escândalos hoje confirmados pelos juízes.

A liberdade da mídia, porém, de trazer a público os escândalos do poder não só não pode ser vista como “inimiga” da Petrobras, mas, pelo contrário, como um estímulo a mais para ajudar o governo a corrigir os graves casos de corrupção, cada vez mais numerosos e graves.

Quantos desses escândalos teriam ficado ocultos para sempre, impunes, sem a colaboração dos meios de comunicação, cuja missão em uma democracia é a de ser uma das instituições que vigiam o poder? A experiência nos ensina que poucos, talvez nenhum, dos casos de corrupção denunciados pela imprensa brasileira nos últimos 20 anos eram falsos.

Teríamos conhecido o escândalo do mensalão sem a ajuda da imprensa? Ou o do metrô de São Paulo e, agora, o da Petrobras, sem as revelações da mídia?

Outra hipótese é que Dilma poderia estar se referindo à oposição, como se fosse ela que desejasse a privatização da Petrobras, para tirá-la do controle público. No entanto, a acusação da oposição foi que os governos do Partido dos Trabalhadores (PT) já estavam “privatizando” a Petrobras ao terem-na transformado em um tesouro político de família, para melhor poder usá-la por razões pouco republicanas em vez de ser uma empresa a serviço da nação.

Que países estariam, por exemplo, interessados em atentar contra a Petrobras se muitas empresas deles mesmos já trabalham ativamente com ela e, provavelmente, estão surpresos e incrédulos vendo a petroleira agitando-se em um mar de corrupção sem que nem sequer tenha sido substituída sua presidenta e seus responsáveis mais imediatos?

Dilma deve aos cidadãos que lhe depositaram sua confiança e aos que não o fizeram, já que todos são brasileiros, uma explicação plausível sobre esses inimigos que seriam responsáveis, do exterior, mais do que internamente pela catástrofe da Petrobras.

A presidenta, ao estrear em seu novo mandato faria um grande bem à sociedade, e fora dela, se revelasse com nome e sobrenome esses que, segundo ela, estariam, de fora da Petrobras, tentando destruir a empresa da qual depende em boa parte a recuperação de nossa economia ferida.

Não teriam os brasileiros o direito de saber?