Diretor da CIA: “Não havia respostas fáceis” contra o terrorismo

John Brennan diz que a agência “fez muitas coisas corretamente” após o 11 de setembro

Brennan, na coletiva de imprensa desta quinta-feira.
Brennan, na coletiva de imprensa desta quinta-feira.LARRY DOWNING (Reuters)

A CIA iniciou nesta quinta-feira uma contraofensiva depois que o relatório do Senado dos Estados Unidos sobre o seu programa de detenção e interrogatório de suspeitos de terrorismo ameaçou danificar sua credibilidade. O documento do Comitê de Inteligência da Câmara Alta revela uma agência pouco preparada e disfuncional após os atentados de 11 de Setembro, em 2001. Durante o programa –que aconteceu entre 2002 e 2007—, afirma o relatório, a CIA não sabia exatamente quantos detidos tinha em suas mãos, ocultou informação ao Departamento de Justiça e à Casa Branca, e as torturas consideradas como Técnicas Reforçadas de Interrogatório não proporcionaram informações de inteligência úteis.

Em uma entrevista coletiva pouco comum na sede da CIA, nos arredores de Washington, o atual diretor da Agência Central de Inteligência, John Brennan, admitiu erros e abusos no polêmico programa de interrogatório, mas evitou classificá-los como tortura, os limitou a um pequeno grupo de oficiais, e rejeitou boa parte das conclusões do relatório do Senado. “A maioria esmagadora de oficiais envolvidos no programa levou a cabo sua responsabilidade de acordo com as diretrizes legais proporcionadas. Fizeram o que tinham que fazer a serviço da nossa nação”, afirmou Brennan, no cargo desde 2013, com mais de três décadas de experiência na CIA, e uma pessoa próxima do presidente norte-americano, Barack Obama.

Brennan iniciou sua aparição com uma descrição dos atentados de 11 de setembro de 2001, que provocaram cerca de três mil mortes em Nova York, Washington e Pensilvânia. “Não apenas nossas consciências foram impactadas, mas nosso sentido de segurança nacional foi destruído”, disse a maior autoridade do serviço de inteligência, que, à época, era chefe de gabinete do diretor da CIA. Naquele momento, continuou, a CIA buscava respostas para “parar” a Al Qaeda e evitar novos atentados. Foi nesse contexto, seis dias depois dos atentados, que o então presidente dos EUA, George W. Bush, autorizou a agência a prender secretamente suspeitos de terrorismo.

Mais informações
Obama tenta virar a página das torturas cometidas pela CIA
Ex-espiões defendem a agência após críticas de relatório
Senado acusa CIA de cometer brutalidades em interrogatórios
Pontos principais do relatório sobre os brutais interrogatórios da CIA
EUA em alerta pela publicação do relatório sobre torturas da CIA

Brennan fez a mea culpa pelos abusos cometidos por alguns trabalhadores dos centros de interrogatório, mas os limitou a um pequeno grupo. Durante o programa, diz o relatório, a CIA ocultou informação ao Departamento de Justiça e à Casa Branca, e as torturas consideradas como Técnicas Reforçadas de Interrogatório não proporcionaram informações de inteligência úteis. Brennan convocou esse comparecimento incomum, apenas dois dias depois da divulgação do documento, para defender o trabalho do serviço de espionagem externa dos EUA.

Brennan admitiu nesta semana os equívocos da agência, mas criticou as principais conclusões da investigação do Senado. Disse que a CIA cometeu “erros”, especialmente no início do programa, e que não cumpriu com seus “altos padrões”. Mas destacou que a CIA aprendeu com esses erros, e que os métodos de interrogatório “ajudaram a abortar planos de ataque, capturar terroristas e salvar vidas”.

Por exemplo, o relatório do Senado afirma que a “imensa maioria” das informações usadas para encontrar a pessoa que levou os EUA a conhecerem o paradeiro do antigo líder da Al Qaeda Osama bin Laden e a executá-lo, em 2011, não foi obtida por meio das técnicas de interrogatório. Por outro lado, em sua resposta ao documento, a CIA alega que as técnicas permitiram à agência identificar corretamente o mensageiro que a levou a Bin Laden.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS