Seleccione Edição
Login

Rio, Hollywood à brasileira

Sob protestos, o Rio desponta como a capital que mais investe no cinema nacional

Cena de 'Vai que dá certo', comédia da Globo Filmes.
Cena de 'Vai que dá certo', comédia da Globo Filmes.

O cinema do Brasil ainda está longe de superar uma indústria poderosa como a hollywoodiana mesmo em terra própria, mas os números mostram que os brasileiros são hoje muito mais fãs de seu cinema do que já foram – de 2008 a 2013 o público de filmes nacionais mais do que triplicou (passou de 8,8 milhões para 27,7 milhões, segundo dados da Ancine). E também indicam que o Rio de Janeiro é a cidade que anda produzindo alguns dos filmes de maior bilheteria no país – foi o caso, no ano passado, de Vai que dá certo, comédia de Maurício Farias, que fez 2,7 milhões de espectadores. A pergunta é: será que os cariocas estão conseguindo criar uma frente nacional para combater a indústria de Hollywood?

Tem um Rio de Janeiro que diz que não. A capital do Brasil que mais investe em cinema atualmente é também a que mais insatisfações tem gerado entre os profissionais do setor. A conclusão emerge dos debates levantados com força desde o último Festival do Rio, que foi temperado pelas demandas do movimento Rio, mais cinema, menos cenário e sua manifestação contra políticas locais de apoio ao audiovisual adotadas por órgãos municipais e estaduais, como a Secretaria de Cultura e a RioFilme.

O descontentamento do grupo carioca – cerca de 200 profissionais atuantes no setor que se articularam sem uma liderança única – tem raízes específicas, mas se resume na evidência de que, hoje, as grandes comédias de moldes televisivos despontam como a saída brasileira para combater a hegemonia dos blockbusters (principalmente os norte-americanos) no circuito cinematográfico nacional, na visão de gestores públicos. Dessa estratégia, terminam ficando de fora filmes de menor potencial de público, porém de relevância artística e cultural, além de histórias enquadradas em outros gêneros narrativos.

Segundo os dados de 2012 fornecidos pela RioFilme, dos dez filmes nacionais de maior bilheteria, nove foram realizados no Rio de Janeiro com investimentos desta empresa ligada à prefeitura da cidade. E mais: 59% dos longas-metragens brasileiros lançados nesse ano são cariocas e representam 94% da arrecadação da indústria cinematográfica brasileira nesse período. Fala-se de De pernas pro ar 2, Até que a sorte nos separe e Aí, comeu?, entre outras comédias vistas por muitos espectadores.

O movimento Rio, mais cinema, menos cenário não se declara contra esses “sucessos”, mas afirma em uma carta aberta que quer “uma política cultural democrática, transparente e atenta à diversidade”. Muitos de seus integrantes, inclusive, trabalharam nessas superproduções, mas também levam adiante projetos autorais, de gênero ou não. Ambos tipos de filmes podem receber apoio da RioFilme, que distribui recursos públicos e também investe, como sócia, em produções locais, mas, segundo eles, as grandes têm sido mais favorecidas no rateio, o que prejudica a diversidade e a qualidade do cinema nacional.

“As grandes produtoras cariocas financiam seus projetos através do edital reembolsável da RioFilme, que dá recursos automaticamente de acordo com os resultados obtidos em bilheteria. Já as pequenas contam com uma linha não-reembolsável, pensada para filmes de baixo orçamento e de caráter cultural. Este ano, esse ‘guichê’ da RioFilme permaneceu fechado até pouco tempo atrás. Uma terceira via de financiamento, aproximadamente um terço dos desembolsos de 2008 pra cá, é de investimento direto [aportes de dinheiro feitos sem editais], feito na canetada”, explica o cineasta Douglas Duarte, que faz parte do movimento. Segundo ele, o grupo reivindica, tanto da RioFilme, quanto dos demais órgãos públicos, a desconcentração dos recursos aplicados, transparência na prestação de contas e um maior diálogo com o setor, “que permanece à espera de uma reunião pública”.

O presidente da RioFilme, Sérgio Sá Leitão, que também preside o Conselho Municipal de Cultura, se defende dizendo que “fizemos dezenas de reuniões com as entidades do setor, recebemos centenas de profissionais e empresas, respondemos todas as consultas feitas, colocamos todos os nossos editais em consulta pública e todos os nossos dados estão no Portal da Transparência”. Para ele, existe, sim, diversidade no cinema nacional hoje em dia. No entanto, para Sérgio “o assunto mais importante” é o market share do cinema brasileiro, que está crescendo, apesar de se manter ainda próximo da marca histórica (foi de 18% em 2013, um pouco acima da média que varia entre 13 e 15%) junto com o mercado como um todo. “Precisamos de mais filmes competitivos, em gêneros diferentes, para enfrentar Hollywood em nosso mercado e ampliar a capacidade de geração de renda e de emprego. A disputa econômica é vital”.

É aí, na seara econômica, onde se destacam as comédias. Para muitos, ela é uma saída fácil e um caminho que pode levar a uma pasteurização da jovem indústria brasileira, ainda tímida na produção de gêneros. Porém, o movimento diz que se equivoca quem acha que o debate levantado quer contrapor as comédias de amplo público aos filmes “artísticos” vistos por dois ou três espectadores. “Cabem muitos cinemas na cabeça das pessoas, mas no esquema de financiamento não está cabendo”, resume Douglas Duarte.

A RioFilme reagiu reabrindo o guichê dos projetos não reembolsáveis durante o Festival do Rio, uma vez liberados os recursos de cinco novos editais que já foram lançados – e que serão pagos ainda este ano. Os insatisfeitos estão felizes com a notícia, mas ainda esperam uma oportunidade de dialogar e anunciam que a luta vai além. Quem disse que seria fácil, afinal, combater Hollywood?

MAIS INFORMAÇÕES