Falta de água em São Paulo já afeta mais de 15,6 milhões de pessoas

Na pior crise hídrica do último século, EL PAÍS percorre quatro cidades à beira do colapso

Victor Moriyamaundefined

O Estado de São Paulo vive hoje sob uma ameaça com toques apocalípticos: a água está terminando. Não se trata de uma previsão a longo prazo ou uma campanha de conscientização, é que não existe nenhuma garantia de que no próximo mês será possível abastecer a cidade, tampouco cerca de 70 municípios do Estado. Enquanto que na região metropolitana fala-se de cortes encobertos, no interior, a água já deixou de correr em muitas localidades.

Mais informações

A empresa estatal de saneamento Sabesp, que abastece 60% dos municípios paulistas, continua negando o racionamento. Já para as prefeituras e gestoras dos recursos hídricos dos municípios menores é mais difícil ocultar a falta de previsão e de investimento. Os cortes afetam 38% da população, mais de 15,5 milhões de pessoas, segundo uma pesquisa do Instituto Ibope de setembro.

Nesta maior crise hídrica do último século, EL PAÍS percorreu quatro municípios onde a falta de chuva e a gestão dos recursos determina o cada vez mais angustiado dia a dia dos moradores.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: