O Irã torna pública a operação cirúrgica de seu líder supremo

O Aiatolá Khamenei, chefe de Estado desde 1989, fez uma operação bem-sucedida na próstata

O presidente iraniano (direita) visita o aiatolá (esquerda) depois da operação.
O presidente iraniano (direita) visita o aiatolá (esquerda) depois da operação.

O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, foi submetido, esta manhã, a uma bem-sucedida operação cirúrgica para solucionar um problema de próstata, informaram os meios de comunicação iranianos nesta segunda. Khamenei confirmou a notícia para as câmeras momentos antes da hospitalização, em uma aparição incomum, segundo destaca a France Presse, que ressalta que houve muita especulação sobre a saúde do chefe de Estado pelo hermetismo em torno a sua figura.

A agência local Tasnim difundiu um vídeo esta manhã que mostrava o líder fazendo um chamado para que todos ficassem calmos: “Sim, vou ser operado e vou ao hospital agora. Claro que não há necessidade de se preocupar. Isso não significa que as pessoas não devam rezar. Se Alá quiser, não deve ser um motivo de preocupação. É uma operação comum e normal”, assegurou Khamenei antes de ser hospitalizado em um centro público de Teerã. “Alá todo-poderoso ajudará e o trabalho será bem feito”, acrescentou o aiatolá de 75 anos. O médico responsável pela equipe médica assegurou que os pacientes submetidos a esta operação tendem a repousar entre três e cinco dias.

Em janeiro de 2007, depois de uma série de ausências, circularam rumores sobre a morte de Khamenei já que este não informou que estava gripado. Nos últimos anos, especulava-se que Khamenei sofria de câncer de próstata, destaca a France Presse. Esta mesma agência de notícias aponta que, como líder supremo, Khamenei ostenta um controle direto da mídia do Estado, portanto o anúncio de sua hospitalização exigia sua aprovação.

Khamenei é o chefe de Estado do Irã, líder supremo da Revolução Islâmica e guardião jurista do país. Embora, no geral, não tenha participação no dia-a-dia da política, o líder supremo no Irã é quem nomeia muitos dos cargos importantes do país (o chefe da Justiça, vários membros do Conselho de Guardiães, os presidentes dos meios de informação públicos e os chefes do Exército e dos Guardiães da Revolução, entre outros) e delimita as linhas da política exterior e nuclear no país, “com consulta prévia ao Conselho de Exigência da Nação”, segundo consta na seção 1 do artigo 110 da constituição iraniana. Khamenei é eleito pela Assembleia dos Peritos, composta por 86 clérigos e confirmado no cargo a cada oito anos, embora, sob determinadas circunstâncias, esta Assembleia também poderia destituí-lo a qualquer momento. O predecessor no cargo, o aiatolá Ruhollah Khomenei, foi o fundador da República Islâmica do Irã e manteve este cargo desde a revolução, em 1979, até sua morte dez anos mais tarde.