Seleccione Edição
Login

Um carrasco com sotaque inglês

O primeiro-ministro britânico acha muito preocupante que o criminoso possa ser um britânico

O ministro de Exteriores britânico mostra sua preocupação pela decapitação do jornalista norte-americano na Síria. Reuters Live!

A decapitação do jornalista norte-americano James Foley causou especial impacto no Reino Unido porque seu assassino, que aparece com o rosto tampado, fala com um forte sotaque inglês, provavelmente de Londres ou do sul da Inglaterra. Esse fato fez com que o primeiro-ministro britânico, David Cameron, interrompesse suas férias na Cornualha para presidir, em Downing Street, diversas reuniões com especialistas do Foreign Office e do Ministério do Interior. Cameron já teve que adiantar em 24 horas seu regresso de Portugal dias antes, ao receber numerosas críticas por continuar de férias enquanto piorava o avanço do Estado Islâmico (EI) no Iraque.

“Isto é profundamente preocupante, mas sabemos que muitos cidadãos britânicos viajaram para o Iraque e a Síria para formar parte do extremismo e da violência”, disse o primeiro-ministro em uma breve declaração depois da reunião do gabinete de crise. “Agora, o que devemos fazer é redobrar nossos esforços para impedir que continuem indo”, acrescentou, apesar de que aclarou que o Reino Unido não aumentará sua participação militar no Iraque.

A Polícia Metropolitana confirmou que está tentando identificar a pessoa que aparece no vídeo, no qual lança uma série de ameaças ao presidente Barack Obama e aos Estados Unidos, justificando a execução do jornalista pelas intervenções aéreas das tropas norte-americanas no Iraque.

Segundo o jornal londrino The Guardian, seria um homem de Londres que se identifica como John, está à frente de três jihadistas britânicos que se encarregam da vigilância de estrangeiros sequestrados em Raqa e foram centrais no passado, nas negociações para libertar 11 pessoas sequestradas. Um antigo refém citado pelo jornal que passou um ano em Raqa o define como “um homem inteligente, educado e devoto dos ensinamentos do islamismo radical”.

A Scotland Yard advertiu os cidadãos britânicos que tanto o envio desse vídeo a outras pessoas quanto simplesmente assisti-lo pode constituir um delito de acordo com a atual legislação antiterrorista do Reino Unido.

Que o assassino de Foley possa ser um britânico mostra a importante presença, nas zonas mais quentes do Iraque e da Síria, de jovens muçulmanos do Reino Unido que se radicalizaram. Estima-se que nestes momentos haja ao redor de 500 britânicos recrutados pela jihad nessas regiões. E já são cerca de 70 os suspeitos de atividades terroristas relacionadas com a jihad detidos no Reino Unido. O fenômeno não é exclusivo das ilhas britânicas e da França, o país que mais contribui com jovens para a jihad. Na própria quarta-feira, as forças de segurança austríacas detiveram nove pessoas suspeitas de quererem viajar para a Síria para se unirem às milícias jihadistas.

Vídeo cedido pelo jornalista Antonio Pampliega de Foley em Alepo, em setembro de 2012.

Em geral, são jovens que, na opinião dos especialistas, viajam para a Síria ou para o Iraque para participar na primeira fileira da guerra e que não se conformam com um papel secundário. “Vimos ali combatentes britânicos operando como terroristas suicidas; vimos como realizavam execuções. Infelizmente, estão entre os combatentes com menos piedade e são os mais veementes”, explicou para a BBC o professor Shiraz Maher, do King's College de Londres. Vídeos como esse têm precisamente como principal objetivo recrutar jovens desencantados.

O ministro de Relações Exteriores, Philip Hammond, manifestou que a presença de cidadãos britânicos nas fileiras do chamado Estado Islâmico é uma ameaça ao país. “Muitas dessas pessoas podem tentar em algum momento voltar ao Reino Unido e se converter em um perigo direto para nossa segurança interna.” O chefe do Foreign Office explicou que esse cenário é especialmente provável se o Estado Islâmico achar necessário retroceder, o que levaria seus combatentes estrangeiros a regressarem a seus países de origem.