Os curdos atacam os jihadistas para retomar a maior represa do Iraque

As forças curdas rodeiam o dique de Mossul apoiados pelos bombardeios dos EUA

Um soldado curdo patrulha a represa de Mossul.
Um soldado curdo patrulha a represa de Mossul.Khalid Mohammed (AP)

As forças curdas (peshmergas) chegaram ontem até a estratégica represa de Mossul, cidade que está nas mãos do Estado Islâmico (EI) desde o último dia 7 de agosto. Seu avanço foi possível graças à cobertura da aviação norte-americana que desde sábado bombardeia posições jihadistas na zona. Embora algumas fontes assegurassem ontem à noite que a infraestrutura já estava sob seu controle, tudo aponta que o assalto final acontecerá esta noite.

Uma notícia da agência France Presse afirmou que a represa já foi recuperada. No entanto, pouco depois, um jornalista da rede semioficial Rudaw que viaja junto com os peshmergas assegurava que essas forças ainda se encontram a dois e três quilômetros das instalações, e que preparavam o ataque decisivo. Aparentemente, eles controlam os arredores, mas ainda precisam limpar a zona de explosivos antes de avançar. "Não tenho detalhes militares, mas o certo é que os combates continuam", declarou a EL PAÍS, o governador de Erbil, Nawzad Hadi.

Mais informações
Os iraquianos fogem do terror jihadista
Obama aprova uma missão de ajuda humanitária no Iraque
“O califado trará mais divisão que apoios”
Dezenas de milhares de cristãos e iazidistas fogem dos jihadistas no Iraque
Ofensiva global contra o avanço da Al Qaeda

Situada nas margens do rio Tigre, uns 50 quilômetros ao norte de Mossul, a represa de Chambarakat (seu nome oficial depois de ter sido apagado o de Saddam Hussein, o antigo ditador) é a maior do Iraque. Gera eletricidade para aquela cidade e controla o abastecimento de água de toda a região. O temor era que o EI pudesse cortar o fornecimento ou provocar uma inundação.

Anteriormente, responsáveis militares asseguraram que os soldados curdos já controlavam "o lado oriental" do pântano. Pela manhã, fontes curdas anunciaram a tomada das localidades de Telsqof, Sharafiya e Batnaya, uma zona eminentemente cristã a uns 30 quilômetros da represa. As três cidades estão ainda mais a leste da estrada nacional 2, que continua nas mãos dos jihadistas depois da tomada de Mossul em junho.

Os táxis que fazem a rota entre Dohuk e Erbil, um trajeto de apenas duas horas e meia (162 quilômetros) por essa estrada, optam agora por dar uma volta de 220 quilômetros, que aumenta a viagem em uma hora. Embora no caminho não se perceba atividade militar, os controles dos peshmergas são numerosos e patrulham inclusive localidades como Chra ou Robya, na província de Ninawa e que, formalmente, ficam fora da região autônoma curda.

O avanço dos peshmergas até a represa foi facilitada pelos bombardeios dos EUA sobre as posições jihadistas. A página web do Comando Central dos EUA assegura que ontem foram realizados 14 ataques para "apoiar as forças de segurança iraquianas e as forças de defesa curdas (...) em sua luta contra o EI". O texto parece indicar que Washington ampliou o compromisso de suas operações no norte do Iraque além do inicial respaldo aos esforços humanitários.

Uma sabotagem na represa provocaria enormes perdas materiais e mortes. Depois da invasão norte-americana em 2003, temia-se que as tropas de Saddam destruíssem o dique em sua retirada. Um relatório militar estimou que causaria uma onda de 20 metros sobre Mossul e seus efeitos seriam sentidos inclusive em Bagdá. Na época, uma milícia curda garantiu a segurança de quinhentos trabalhadores.

O EI já utilizou a água como arma em Fallujah. Quando, no começo do ano, tomou a represa próxima a essa cidade da província de Al-Anbar, inundou uma ampla zona, o que interrompeu o abastecimento no sul do país e forçou o deslocamento de milhares de pessoas cujas casas ficaram submersas.

No entanto, o problema em Mossul é maior. Por sua localização em um terreno que se dissolve facilmente com a água, a mera ausência de manutenção poderia provocar uma catástrofe. Sem chegar a isso, o EI também pode utilizá-la para financiar seu autoproclamado califado, chantageando o Governo central para continuar fornecendo água e eletricidade.

Os responsáveis curdos correram em junho para garantir a instalação quando os jihadistas tomaram a terceira cidade do país. No entanto, o repentino avanço destes em direção às fronteiras da região autônoma no começo deste mês colocou-os no limite de sua capacidade. "Só temos velhas armas russas e os extremistas tomaram os modernos equipamentos que os EUA disponibilizaram para o exército iraquiano", queixa-se o governador de Erbil.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS