Semana negra na aviação

Este é o terceiro incidente aéreo em uma semana

(reuters_live)

Nesta quinta-feira, 24 de julho, cerca de 50 minutos depois da decolagem de um avião operado pela Air Algérie que voava de Ougadougou (Burkina Faso) a Argel, as autoridades de aviação civil argelinas perderam o contato com a aeronave, que era da empresa espanhol Swiftair. É o terceiro incidente aéreo em uma semana, após a tragédia do Boeing 777 na Ucrânia e a catástrofe da TransAsia em Taiwan.

Voo MH17

Na última quinta-feira, 18 de julho, um Boeing 777 da companhia Malaysia Airlines foi derrubado, supostamente por um míssil em uma área controlada por rebeldes pró-Rússia, enquanto sobrevoava o leste da Ucrânia, na região de Donetsk. O voo MH17, com destino a Kuala Lumpur, levava 298 passageiros a bordo. Não houve sobreviventes. Dentre as pessoas a bordo, 189 eram holandeses. O primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, afirmou que não vai descansar até levar os culpados à Justiça. Apenas três dias depois do incidente, os legistas holandeses conseguiram acesso ao trem onde se acumulavam os corpos que deveriam ser repatriados. A consternação pelo acidente não foi só por parte do Governo da Holanda. Muitos países exigem que se investigue a fundo e de maneira imparcial as circunstâncias do ocorrido.

TransAsia

Um ATR72-500 da companhia aérea TransAsia caiu na quarta-feira, 23 de julho, nas ilhas de Penghu (ou Ilhas dos Pescadores) no oeste de Taiwan, em meio ao mau tempo que ainda atingia a região após a passagem do tufão Matmo, que trouxe ventos de mais de 100 quilômetros por hora. Pelo menos, 48 pessoas morreram quando o avião caiu sobre o povoado de Xixi, a um quilômetro do aeroporto de Magong, quando tentava aterrissar. A aeronave, que já tinha decolado com duas horas de atraso por causa do temporal, abortou uma primeira tentativa de aterrissagem por causa da forte chuva e da má visibilidade.

Air Algérie

Um avião da companhia africana Air Algérie partiu nesta manhã de Ougangougou (Burkina Faso), com destino a Argel. Quase uma hora depois da decolagem, as autoridades de aviação civil argelina perderam o contato com a aeronave, que pertence à empresa espanhola Swiftair. A companhia emitiu uma nota afirmando que não está conseguindo se comunicar com os dois pilotos do avião, no qual viajavam 110 passageiros. Fontes do Sindicato Espanhol de Pilotos de Linhas Aéreas (Sepla) confirmaram que a tripulação da aeronave – dois pilotos e quatro tripulantes de cabine – é espanhola. O incidente remete ao ocorrido com o voo MH370 da Malaysia Airlines, desparecido desde 8 de março quando fazia a rota de Kuala Lumpur a Pequim com 239 pessoas a bordo.