Três são detidos por incidentes com camisetas republicanas em Madri

A polícia monitora uma concentração de 400 pessoas no centro da capital espanhola

Atlas / Kike Para (atlas)

A polícia deteve na manhã de hoje no centro de Madri três pessoas acusadas de desobediência, em dois incidentes com camisetas e emblemas republicanos, informaram as autoridades. Uma pessoa foi detida ao tentar acessar a passagem do Rei trajando uma camiseta com as cores da bandeira republicana. Já duas mulheres foram presas quando tentavam chegar perto de onde passava a comitiva da cerimônia, o que levou a um confronto com policiais. Todos são acusados de resistência aos agentes da lei e desobediência.

Os detidos rodeados por policiais
Os detidos rodeados por policiaisprisa

Pouco depois das 13h (8h em Brasília), cerca de 400 pessoas estavam concentradas ao redor da praça Tirso de Molina, no centro de Madri, com bandeiras e camisetas, entoando canções em favor da república. A reunião era pacífica e a polícia não interveio porque o local não fica nas proximidades do itinerário da comitiva real, onde a simbologia republicana foi vetada pelas autoridades.

Por volta das 14h (9h em Brasília), a maioria das pessoas deixou a praça. As grandes bandeiras que carregavam foram dobradas e guardadas. Durante todo o tempo, não deixaram de gritar frases como "A Espanha, amanhã, será republicana". Não houve brigas nem problemas sérios. Os agentes da Unidade de Intervenção Policial (UIP, antidistúrbios) permaneceram junto ao comércio da praça, sem intervir, esperando para ver como evoluiria a passeata.

O SAMUR atendeu 98 pessoas durante toda a manhã, a maioria por desmaios e tonturas

O Superior Tribunal de Justiça de Madri proibiu ontem a manifestação Reivindicar a república na proclamação do novo Rei, convocada para o início da tarde de hoje. Segundo a polícia e o Superior Tribunal de Justiça de Madri, o risco potencial associado à exibição de bandeiras ou símbolos republicanos e uma concentração reivindicando a República é suficiente para impedi-los. O risco "real" e "certo" de ocorrência de brigas durante a proclamação de Felipe VI prevalece sobre as liberdades de reunião e expressão, de acordo com o tribunal.

Os policiais impediram a exibição de bandeiras ou outros símbolos republicanos no itinerário percorrido pelo novo rei Felipe VI e sua esposa no centro de Madri e arredores. O argumento é que esses itens podem ser vistos como uma provocação às pessoas que acompanham o desfile.

Um porta-voz do Emergencias Madrid informou que o Serviço de Ambulâncias Municipais de Emergência e Resgate (SAMUR) atendeu 98 pessoas durante toda a manhã, seis tiveram de ser levadas a algum centro hospitalar. A maioria dos casos era de pouca gravidade, principalmente desmaios, tonturas e quedas de pressão resultantes das altas temperaturas. Houve também uma queda, entorses e lesões, além de picadas de insetos.

Quase metade dos atendimentos ocorreu na praça Oriente, centro de Madri, entre 12h30 e 14h, por ser o local com maior concentração de pessoas e temperaturas mais elevadas, de acordo com o Emergencias Madrid.