O Ipea corrige os resultados da pesquisa sobre o estupro uma semana depois

Segundo instituto, 65% dos entrevistados diziam que a mulher com roupa curta merecia ser atacada. Na verdade são 27%. Apesar do erro, o órgão mantém as conclusões sobre a visão do estupro pelos brasileiros

Publicada no último 27 de março, a pesquisa elaborada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) sobre a visão dos brasileiros diante do estupro estava errada. O Instituto reconhece em nota que trocou os gráficos relativos aos percentuais de duas respostas, falha esta que o levou a concluir que 65% dos 3.810 entrevistados acreditavam que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”. A afirmação acendeu uma polêmica, ainda em chamas, na mídia e nas redes sociais, e campanhas de protesto contra o estupro, como a de #eunaomerecoserestuprada da jornalista Nana Queiroz.

O diretor da área social do Ipea, Rafael Guerreiro Osorio, pediu a sua exoneração assim que o erro foi detectado.

Resultados corrigidos da pesquisa.
Resultados corrigidos da pesquisa.Ipea

O erro é resultado da troca de dois gráficos com as respostas a duas perguntas feitas durante a pesquisa, cuja metodologia já havia sido criticada. “Corrigida a troca, constata-se que a concordância parcial ou total foi bem maior com a frase “mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar (65%), e bem menor com “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas (26%)”, explica a nota.

A primeira versão dos resultados havia sido recebida com estupor por uma parte da sociedade brasileira. Outra parcela mostrava sua cumplicidade com a frase nas redes sociais, e trouxe à tona o debate do machismo no país. Até a presidenta Dilma Rousseff se manifestou em apoio à campanha #eunaomerecoserestuprada no Twitter.

Ao corrigir os dados, a afirmação mais polêmica das 41 apresentadas na pesquisa perde seguidores. Contudo, alerta o IPEA, “os demais resultados se mantêm, como a concordância de 58,5% dos entrevistados com a ideia de que se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros. As conclusões gerais da pesquisa continuam válidas, ensejando o aprofundamento das reflexões e debates da sociedade sobre seus preconceitos”.

Arquivado Em: