Merkel propõe a Putin uma estrutura federal para a Ucrânia

A chanceler alemã recomenda também o envio de uma comissão de investigação sob mandato da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa

Vladimir Putin e Angela Merkel durante uma coletiva em 2012.
Vladimir Putin e Angela Merkel durante uma coletiva em 2012.REUTERS

A iniciativa mais recente do governo alemão para acabar com a perigosa crise na Ucrânia foi divulgada nesta segunda-feira por meio de um breve comunicado oficial. A nota veio marcada por algo pouco habitual na diplomacia internacional: uma inédita repreensão da chanceler Angela Merkel ao presidente da Rússia, Vladimir Putin. Durante uma longa conversa telefônica na tarde do domingo, a chanceler disse a Putin que a presença russa na Crimeia era “uma intervenção inaceitável e contrária ao direito internacional”.

Na conversa, Merkel pediu para o presidente russo que respeitasse a integridade territorial da Ucrânia e lhe propôs o envio de uma comissão de investigação, sob o mandato da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). “O presidente aceitou a proposta da chanceler Merkel, destinada a iniciar um diálogo político”, diz o comunicado oficial do governo alemão, divulgado na segunda-feira pela manhã.

Horas mais tarde, o porta-voz do governo, Steffen Seibert, deu mais detalhes sobre a proposta que Merkel fez a Putin e que poderia marcar o começo de uma solução à grave crise que mantém toda a comunidade internacional em estado de alerta. Segundo Seiffert, o governo alemão propôs a Moscou uma possível estrutura federal para a Ucrânia.

Seibert disse, durante uma coletiva de imprensa em Berlim, que a chanceler está a favor da criação de um “grupo de contato”, que incluiria a Ucrânia, Rússia e outros estados da OSCE e do Conselho de Europa, duas organizações, segundo o porta-voz, que têm “uma grande experiência” na solução deste tipo de problemas.

“Em um país com uma população tão diversa, com diferentes línguas e tradições é muito importante que todos os grupos étnicos se sentam representados em um só país e se sintam protegidos… É o grande desafio que a Ucrânia tem pela frente”, acrescentou Seibert, ao sugerir que a principal missão do grupo de contato seria estudar uma solução federal para a Ucrânia para garantir os direitos das minorias.

Embora Merkel obteve um pequeno sucesso ao ter o consentimento de Putin para o envio da missão, uma medida que desbloqueou de momento a via diplomática que parecia estar fechada para sempre, o porta-voz da chanceler admitiu que ainda existiam grandes diferenças de pontos de vista entre Rússia e a comunidade internacional

“Um processo político é o único caminho sensato para superar esta crise e o presidente Putin mantém grandes diferenças de parecer com o resto do mundo sobre a Ucrânia”, disse o porta-voz do governo federal alemão, ao responder a uma pergunta de um jornalista que quis saber se era verdade que Merkel tinha comentado com Barack Obama, também em uma conversa telefônica no domingo, que o mandatário russo perdia completamente “o sentido da realidade”.

Seibert insistiu em que a suspensão dos preparativos da cúpula do G-8 em Sochi foi realizada de comum acordo entre todos os membros, exceto Moscou, e acrescentou que se tratava de uma medida temporária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: