_
_
_
_

Uma ministra espanhola viajará ao Panamá para tratar da crise do Canal

O presidente panamenho pede a colaboração dos Governos dos países implicados para desbloquear o projeto

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O presidente do Panamá, Ricardo Martinelli.
O presidente do Panamá, Ricardo Martinelli.EFE

O conflito entre o consórcio internacional encarregado da ampliação do Canal do Panamá e a agência estatal que administra o Canal provocou uma mobilização diplomática por parte dos países envolvidos, num esforço para resolver a crise. A ministra espanhola de Fomento, Ana Pastor, viajará na próxima semana ao Panamá com a intenção de se reunir com o presidente panamenho, Ricardo Martinelli, na busca de uma solução que desbloqueie o projeto. O consórcio é liderado pela empresa espanhola do setor de construção Sacyr.

Ana Pastor chegará na noite de domingo à capital panamenha e no dia seguinte entregará uma mensagem do chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, ao presidente Martinelli falando da crise iniciada em 1º de janeiro, quando o conglomerado multinacional Grupo Unidos pelo Canal (GUPC) ameaçou suspender as obras de ampliação do Canal do Panamá. O consórcio internacional, liderado por Sacyr, argumenta que está enfrentando estouros orçamentários de até 1,6 bilhão de dólares (3,8 bilhões de reais).

Após se reunir na sexta-feira com o embaixador espanhol no Panamá, Jesús Silva, e com o italiano Massino Tudini, encarregado de negócios nesse país, Martinelli alertou: “Vou até a Cochinchina para brigar pelos interesses do Panamá, já que esta obra precisa ser concluída, pois é um dos projetos marítimos mais importantes, e tanto o Governo da Espanha como o da Itália estão dispostos a ajudar para que essas anomalias sejam resolvidas”.

“Não é um problema diplomático”, esclareceu, concordando com Silva e Tudini. Acrescentou que a disputa é “entre empresas”, e que as relações intergovernamentais são “excelentes”. Silva informou ao EL PAÍS que “em princípio” está confirmado que Pastor chegará acompanhada do secretário espanhol de Cooperação Ibero-Americana, Jesús Gracia.

A ministra se reunirá com Martinelli, com a cúpula da estatal Autoridade do Canal do Panamá (ACP) e com executivos do GUPC, na tentativa de desbloquear o conflito gerado pela eventual paralisação de trabalhos a partir de 20 de janeiro, por causa de um aditivo financeiro solicitado pelas empreiteiras. Tudini reiterou o desejo de encontrar uma solução.

Depois da reunião com o presidente no Palácio de Las Garzas, na capital panamenha, Silva explicou, ao lado do Martinelli e Tudini, que, embora seja um problema empresarial, os governos “podem ajudar” a resolvê-lo. “Um primeiro impulso desse diálogo é a visita” da ministra, disse, “porque se houver uma empresa espanhola nesse conflito nós, como Governo, temos de mediar para tentar buscar uma solução”.

Martinelli informou que participará das reuniões o espanhol Manuel Manrique, presidente da espanhola Sacyr Vallehermoso S.A, que integra o consórcio junto com as empresas Impregilo, da Itália, Jan de Nul, da Bélgica, e Constructora Urbana, do Panamá.

O GUPC ameaçou paralisar a construção do novo conjunto de eclusas do centenário Canal, no Atlântico e no Pacífico, porque atribui o milionário estouro dos custos a falhas nas informações fornecidas pela ACP para o planejamento da expansão, uma obra iniciada em 2007 e avaliada em 5,25 bilhões dólares. O Grupo executa desde 2009 a parte de maior importância, que chega a 3,12 bilhões de dólares. Por causa de atrasos anteriores, a conclusão está prevista apenas para junho de 2015.

Martinelli anunciou na quinta-feira que viajaria a Madri e a Roma para “exigir” que os respectivos Governos cumpram sua “responsabilidade moral” para que o GUPC conclua a ampliação. Mas é provável que a visita de Pastor evite a viagem.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_