Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Fenômeno Macron divide o socialismo francês

Candidato centrista à presidência atrai figuras destacadas no partido do presidente Hollande

Emmanuel Macron, candidato a presidente da França, durante comício nos arredores de Bordeaux. REUTERS

É um gota a gota lento, mas incessante. Um setor do Partido Socialista (PS) parece estar sendo irresistivelmente seduzido por Emmanuel Macron, o candidato centrista à presidência da França. Com poucas chances de passar ao segundo turno da votação, o candidato oficial do PS, Benoît Hamon, enfrenta o risco de uma fuga em massa na direção de Macron, ex-executivo bancário e ex-ministro da Economia do presidente François Hollande, que é socialista. O debate reflete uma dicotomia que assola toda a social-democracia europeia, entre os partidários de uma guinada à esquerda alternativa e os defensores de recuperar a terceira via social-liberal.

O PS, que articulou a centro-esquerda francesa durante toda a V República (de 1958 até o presente), corre o risco de se tornar um partido menor depois do primeiro turno, em 23 de abril – o segundo turno, decisivo, será disputado em 7 de maio.

Hamon, um ex-ministro da ala esquerdista que se rebelou contra as políticas econômicas do seu chefe, Hollande, e depois ganhou as primárias do partido, tem entre 13 e 16% das intenções de voto, segundo as pesquisas, o que lhe coloca apenas na quarta posição, distante de uma vaga no segundo turno. Seria o pior resultado dos socialistas desde 1969, quando Gaston Defferre, prefeito de Marselha, obteve pouco mais de 5% de votos.

A recusa de Hamon em assumir o polêmico legado de Hollande e a competição com outras forças para ocupar o terreno da nova esquerda alternativa deixaram um espaço – o da centro-esquerda – que Macron tenta agora ocupar.

Christophe Caresche é um dos deputados socialistas que declararam apoio a Macron. Há alguns dias, ele divulgou uma carta aberta em que alertava para o perigo que o PS correrá caso se inspire no espanhol Podemos, no alemão Die Linke ou no líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn.

“Existe uma estratégia que afasta o Partido Socialista da cultura de Governo. E isso representa um problema para muitos socialistas, como para mim e outros”, disse Caresche numa entrevista por telefone.

Notáveis do PS, como o prefeito de Lyon, Gérard Collomb, e figuras já aposentadas da linha de frente, como o ex-prefeito de Paris Bertrand Delanoë, passaram às fileiras do Em Marcha!, a formação de Macron, ou declararam-lhe seu apoio. Membros do Governo socialista, como o ministro da Defesa, o bretão Jean-Yves Le Drian, poderiam seguir esses passos nos próximos dias.

Tão significativo quanto esses gestos é o silêncio do presidente Hollande e de Manuel Valls, que foi seu primeiro-ministro até dezembro e perdeu as primárias para Hamon. Numa campanha convencional, obviamente os dirigentes socialistas torceriam pela vitória do candidato do seu partido, mas esta não é uma campanha convencional. Por ideologia, Hollande e Valls estão mais próximos de Macron que de Hamon. Por lealdade às siglas, ou por um cálculo diante dos cenários pós-eleitorais, Valls e outros poderiam impor a si mesmos um exercício de disciplina, evitando se envolver no primeiro turno.

Na França, os socialistas mantiveram por décadas uma posição dominante no amplo espectro que vai da centro-esquerda à esquerda tradicional. “No poder, eles perderam essa posição dominante”, diz Caresche. “Foram respondidos à esquerda por Jean-Luc Mélenchon [um ex-socialista que comanda a esquerda alternativa e mantém afinidades com o Podemos] e à direita por Macron.”

Uma vitória de Macron na eleição presidencial deixaria o partido abalado. “Acho que não será sua morte, mas provavelmente acarretará sua radicalização”, comenta Caresche. “O Partido Socialista não desaparecerá, mas ficará muito debilitado e se deixará encurralar.”

Os partidários de Macron, que fundou o Em Marcha! quando ainda era ministro de um Governo socialista, sustentam que, num segundo turno, um candidato como ele, com capacidade de seduzir eleitores à esquerda e à direita, estará em melhores condições do que ninguém para frear Marine Le Pen, candidata do tradicional partido ultradireitista Frente Nacional. Hoje, Le Pen encabeça a maioria das pesquisas, seguida por Macron.

Macron é o único candidato que, apesar do esforço para se distanciar do atual presidente, não renega o seu legado, um argumento poderoso para os colaboradores e partidários do dirigente socialista em final de mandato.

Que Macron seja um novo Hollande, seu discípulo avantajado e autêntico afilhado político, é um dos principais argumentos dos seus adversários nos dois lados do espectro. O ex-ministro, que pretende transcender as velhas divisões partidárias, não se sente à vontade com a etiqueta do hollandismo nem com a possibilidade de um anúncio de apoio maciço dos seguidores do atual presidente. Prefere colher apoios a conta-gotas, como o do veterano líder centrista François Bayrou, há algumas semanas.

Outro argumento dos socialistas leais a Hamon contra Macron é que, se este ganhar a eleição, governaria sem maioria na Assembleia Nacional, já que o Em Marcha! é um partido jovem e sem estrutura consolidada. Segundo esse raciocínio, tal situação levaria ao caos parlamentar e tornaria a França ingovernável.

A questão não é só partidária, nem francesa. Afeta a identidade de uma social-democracia europeia que saiu abalada dos anos de recessão.

“O Partido Socialista se interroga a si mesmo”, diz o socialista e macroniano Caresche, que enxerga paralelismos com os debates dentro da esquerda espanhola e do próprio PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol). “Fazemos uma aliança momentânea com o centro e a direita? Ou fazemos uma oposição mais forte?”

OS MISTERIOSOS TERNOS DE FRANÇOIS FILLON

François Fillon, candidato de centro-direita à presidência da França, gosta de se vestir bem, e caro. Cliente assíduo da Arnys, uma exclusiva boutique na rue de Sèvres em Paris, Fillon nem sempre paga por suas compras, como revelou o Journal du Dimancheneste domingo. Um benfeitor anônimo presenteou o candidato conservador com dois ternos sob a medida em fevereiro, quando já havia estourado o chamado Penelopegate, um escândalo relativo a supostos pagamentos irregulares de salários à mulher e aos filhos do candidato. Os ternos custaram 13.000 euros (43.700 reais). “Paguei eu a pedido do François Fillon”, declara o signatário do cheque ao jornal, sem revelar sua identidade. “Aliás, sem receber o mínimo agradecimento”, acrescenta. Desde 2012 o ex-primeiro-ministro recebeu 48.500 euros (163.100 reais) em roupas, e uma parte das compras foi paga em dinheiro vivo, segundo o Journal du Dimanche. “Um amigo me deu ternos de presente em fevereiro. E daí?”, respondeu Fillon numa entrevista a outro jornal, o Les Échos. O político deverá depor na quarta-feira à Justiça sobre o Penelopegate.

MAIS INFORMAÇÕES