A felicidade de trabalhar das oito da manhã às três da tarde

Uma empresa espanhola de 9.000 funcionários que estabeleceu a jornada de trabalho intensiva constata o sucesso

Ampliar foto
Final da jornada de trabalho na sede da empresa em Madri.

Terça-feira. São 15h no relógio. Milhares de pessoas começam a sair de um edifício em um bairro no subúrbio de Madri. Parece o intervalo para o almoço; na verdade, é a saída do trabalho. Não é um feriado ou o horário especial de Natal. Neste escritório é o cotidiano. Acontece todos os dias desde 2008. Naquele ano, a empresa espanhola Iberdrola concordou com seus funcionários, cerca de 9.000 trabalhadores, em universalizar a jornada intensiva: trabalhar de 7h15 até 14h50 com 45 minutos de flexibilidade à hora de entrar ou sair todos os dias do ano. “A medida poderia beneficiar os trabalhadores e era boa para a empresa”, diz Ramón Castresana, diretor de recursos humanos da empresa. Seis anos depois, Castresana, que esteve no comando dessa mudança, defende a decisão com números: “Melhoramos a produtividade e ganhamos mais de meio milhão de horas por ano. Reduzimos as faltas em 20% e os acidentes de trabalho em 15%”. Apesar desses números e embora a cervejaria Damm tenha acabado de começar um programa semelhante, a empresa de eletricidade continua sendo uma exceção no setor privado espanhol.

“Na parte da manhã, você chega com outra mentalidade”, diz Teresa Roch, 31, que trabalha no departamento de recursos humanos. Depois de algum tempo trabalhando na Escócia, entrou na Iberdrola em julho de 2013. “Em Glasgow chegava no escritório e não parava até a hora do almoço. Muitos companheiros comiam na frente do computador e aproveitavam a oportunidade para verificar e-mail, ler o jornal... Depois da hora da saída ninguém ficava fazendo horas extras”, lembra. Na Espanha, é diferente: chegamos, cumprimentamos, lemos o jornal, tomamos café com um colega e saímos mais tarde. “É preciso preencher as horas, porque ninguém é capaz de passar 10 horas produzindo”, diz Roch, que ingressou na empresa com o horário intensivo já estabelecido. “Por isso procura-se distrações.”

"Um empregado que está mais contente rende mais”, diz um responsável

Paz Montes, 47, no departamento de suprimentos, viveu a mudança. Uma década depois de começar a trabalhar na empresa de eletricidade, participou da reforma do acordo coletivo. “A proposta foi da empresa”, lembra. “Foi vista com algum ceticismo. Pensávamos que queriam eliminar o formato intensivo de verão. Quando nos disseram que o objetivo era estendê-lo, foi uma surpresa.” Mas apesar de ser agradável, a medida enfrentaria críticas. Em primeiro lugar, as dos sindicatos: eles se queixaram de que esta proposta implicava em um aumento anual de 15 horas de trabalho. Em seguida, as de alguns diretores que tinham medo de sair da sala e que não houvesse ninguém; uma espécie de fobia do escritório solitário. E, finalmente, a de alguns trabalhadores que não sabiam como administrar um tempo ao qual não estavam acostumados.

“Quando você faz um horário por 30 anos, é difícil”, disse Castresana. “É uma grande mudança na cultura de trabalho”. “Posso não fazer a jornada intensiva?”, chegou a pedir um funcionário. Pilates, natação, inglês... Logo depois de se concentrar no trabalho, nos corredores começaram a falar das atividades extra-trabalho. “Não sei se alguém chegou a se inscrever em alguma delas”, brinca Montes. Em pouco tempo, ninguém queria nem ouvir falar de passar a tarde em frente ao computador. “A adaptação foi fantástica”, diz o diretor de recursos humanos. “E isso não gerou nenhum custo para a empresa.” “Os funcionários tornaram-se conscientes de que precisam aproveitar bem o tempo para fazer seu trabalho e ir embora na hora certa”, acrescenta. “Evitam interrupções e se concentram no esforço. O resultado: maior produtividade”.

"Mudar de horário é difícil no começo", admite o RH

A nossa vida está marcada pelo tempo. Além das horas de trabalho, que articulam o dia, somos marcados pelo ritmo da vida, a maneira como organizamos nosso tempo livre (horário pessoal), assim como o cronograma da sociedade: aquelas horas que se pode comprar, ir ao cinema ou jantar em um restaurante. “Na Espanha, com mais horas de luz e a possibilidade de realizar atividades quase a qualquer hora, as pessoas não têm tanta pressa para ir para casa”, diz Castresana. “Este é um modelo estabelecido há muito tempo; a sociedade está acostumada às longas horas. Por isso, passamos muitas horas no escritório e nem sempre trabalhando". É comum esquentar a cadeira: chegar antes que o chefe e sair depois. Oito em cada dez trabalhadores afirmaram trabalhar horas demais em 2012, de acordo com um estudo da empresa de recursos humanos Randstad. E 76% das pessoas que esticavam o dia não faziam isso por excesso de trabalho, mas por pura presentismo. “Isso mudou nossa mentalidade”, afirma Roch. “Se realizamos nossa parte, podemos ir embora.”

Quase a única reclamação que pode perturbar os funcionários em relação ao horário é que algum dia a saída se atrase. “Quando sua jornada termina às seis da tarde, se algo complica, as chances de sair às oito são altas”, diz Montes. “Por outro lado, se a sua jornada termina às três, mesmo que se atrase ainda vai continuar saindo cedo. Desde que fizemos a mudança, posso contar nos dedos de uma mão as vezes que fiquei até tarde. Saber que você tem tempo significa uma mudança de perspectiva. Venho trabalhar mais contente e mais tranquila.” “Se os funcionários estão mais felizes, trabalham mais, mesmo sem perceber”, acrescenta Castresana. Isto é corroborado por Time Rational, consultora em organização do tempo: “Uma má gestão dos horários de trabalho e a falta de medidas de flexibilidade podem acarretar um impacto negativo significativo sobre as empresas.”

Ramón Castresana, diretor de recursos humanos, e as funcionárias Paz Montes e Teresa Roch.

“Conciliar é harmonizar sua vida profissional com a pessoal”, diz Montes. Ela é mãe de dois filhos. Teve o primeiro com o horário habitual; o segundo, depois da mudança. “Em termos de estresse, o segundo quase nem notei”, lembra. “Não tive que fazer malabarismos com o tempo.” Como alguns de seus companheiros, ela come no escritório e sai um pouco mais tarde. “Podemos adequar o horário com nossas vidas”, diz. Os trabalhadores controlam o seu tempo, o que lhes dá uma sensação de liberdade. “Notamos a inveja das pessoas”, diz Teresa Roch, séria. Considera que este modelo deve se estender para outras empresas: “Acho que muitas pessoas trabalhariam melhor assim.” Várias empresas pediram informações sobre as medidas que foram aplicadas na empresa. “Em 2015, vamos assinar o novo acordo coletivo e não temos nenhuma dúvida: continuamos com nosso compromisso”, assegura Castresana. “Acho que as novas gerações de trabalhadores vão acabar pressionando para que se promovam acordos semelhantes e isto vai se generalizar”, conclui. É hora de se despedir. Já está há muito tempo fora de seu posto de trabalho. Todo mundo tem uma tarefa pendente. E todo mundo quer sair às três da tarde.

Conciliação e salário emocional

  • A jornada contínua reduz os gastos das empresas e, em média, aumenta a produtividade em 6%, de acordo com a pesquisa Produtividade e emprego, elaborada pela Universidade de Zaragoza.
  • Os espanhóis saem em média duas horas mais tarde do trabalho em relação ao resto da Europa, concluiu um estudo da Comissão Nacional de Horários.
  • O salário emocional refere-se à percepção que tem o profissional a respeito de sua empresa. Se ela cuida do trabalhador, será maior. Flexibilidade e conciliação aumentam esse salário emocional. As empresas que aplicam essas políticas aumentam a produtividade em 19%, de acordo com o Barômetro de Conciliação Edenred-IESE 2012. Além disso, os funcionários se sentem quatro vezes mais comprometidos com a empresa e com seu trabalho.
  • Devido à crise, as empresas cortaram o orçamento para a conciliação; a redução chegou a até 40% dos investimentos, de acordo com dados do observatório demográfico e consultoria PeopleMatters.

MAIS INFORMAÇÕES