_
_
_
_
_
Pedra de Toque
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Na corda bamba

Desejo ardentemente que Keiko Fujimori vença a eleição presidencial no Peru para salvar o país da incompetência, da censura e da pobreza que o comunismo de seu rival traria

Elecciones Peru
FERNANDO VICENTE

Se colocamos um mapa da América do Sul sob nossos olhos, é evidente que nos últimos anos as forças de esquerda obtiveram triunfos consideráveis. No gigante brasileiro, além das barbaridades cometidas pelo próprio Jair Bolsonaro e as atribuídas a ele pela imprensa estrangeira, que o odeia, os juízes soltaram Luiz Inácio Lula da Silva e o Partido dos Trabalhadores está bem encaminhado à próxima eleição. Se os estrangeiros pudessem votar, Lula, seu menino dos olhos, ganharia fácil. Os brasileiros são mais cautelosos: lembram, sobretudo, que várias condenações pesam sobre ele, por se aproveitar do poder e por corrupção. A candidatura do juiz Sergio Moro à presidência da República —o homem que mandou à prisão o maior número de empresários, funcionários e delinquentes da história do Brasil na operação Lava Jato—, foi esvaziando e agora parece paralisada, talvez abolida.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Mais informações
Imágenes de las protestas que provocaron la renuncia de Manuel Merino en Perú.
O poder dos jovens peruanos que lideraram os protestos se dilui nas urnas
La candidata presidencial Keiko Fujimori
Keiko Fujimori busca ganhar as eleições do Peru com pedido de perdão pelos erros passados
Pedro Castillo
Pedro Castillo, o professor rural que quer levar a esquerda de volta ao poder no Peru

Na Argentina, o dueto Alberto Fernández/Cristina Kirchner está cada dia pior e a ruptura está no ar; mas os dois são menos insensatos do que se pensa e provavelmente manterão uma convivência aparente para conservar o poder. Não é de grande ajuda para eles, a julgar pela situação catastrófica da nação. O Chile não está muito melhor e tudo nesse país, que parecia ter feito sua lição de casa e crescido até se distanciar do restante da América Latina e atingir níveis europeus, agora é um absoluto caos. O Partido Comunista, que havia encolhido até ser quase marginal, é agora o maior partido político do país, conduzido por jovens aguerridos de ambos os sexos que sonham com uma nação uniforme, de economia estatizada, que arruinaria uma sociedade que, parecia, iria ser a primeira na América Latina a acabar com o subdesenvolvimento. Mas quem agora se lembra disso? O Partido Comunista e os revolucionários e anarquistas da Frente Ampla, e seus jovens furiosos, parecem ter conquistado o futuro imediato e, cúmulo dos males, a direita – a ultradireita que é, além disso, ultracatólica – parece confinada ao bairro rico de Las Condes. Como farão as 150 pessoas escolhidas – talvez sejam mais – para redigir a nova Constituição? Arrancando os cabelos, sem dúvida. O país que acreditávamos na vanguarda passou à retaguarda da América Latina entre as devastações das que basta um número para medir a catástrofe: em menos de meia hora os rebeldes queimaram e destruíram oito estações do metrô mais moderno e caro da América Latina.

Na Bolívia, as forças de Evo Morales voltaram ao poder e este tem agora um candidato a quem divulga e chama de “irmão” e “cholito” em todos os seus discursos. Mas não é boliviano, e sim peruano: Pedro Castillo, que disputa o segundo turno com Keiko Fujimori nas eleições peruanas que serão decididas neste domingo. A Colômbia, como se vê nos jornais, queima por todos os lados e o presidente Iván Duque é atacado até mesmo por seu próprio partido e seu mentor, o ex-presidente Álvaro Uribe, o acusa de ser fraco e não recorrer mais ao Exército para pacificar os manifestantes violentos que, guiados pela mão venezuelana, querem roubar seu poder. O solitário Equador, com outro solitário, o Uruguai, país onde os eleitores foram mais sensatos do que o restante dos sul-americanos, são as escassas exceções democráticas em um subcontinente que parece empenhado em ressuscitar o marxismo-leninismo que os europeus e asiáticos se encarregaram de enterrar.

O caso do Peru, país que tem fronteiras com cinco países sul-americanos, e é um alvo favorito no imediato para o eixo cubano, venezuelano, boliviano e nicaraguense, terá sua conclusão neste domingo, entre o candidato dessa quadriga, Pedro Castillo, e Keiko Fujimori, os dois finalistas do primeiro turno eleitoral. Esta última reduziu a distância que tinha com o vencedor, de mais de seis pontos, e ele caiu ligeiramente até os dois chegarem, segundo as últimas pesquisas, a um empate técnico. O vencedor, não importa quem, terá muitos problemas com um Parlamento muito dividido, em que será difícil, para qualquer Governo, obter a maioria indispensável necessária para aprovar as leis.

Mas, ao contrário de outras, esta eleição no Peru significará não uma mudança de pessoas no poder, como até agora, e sim uma mudança de sistema. Se Pedro Castillo ganhar a eleição, o marxismo-leninismo-mariateguismo (assim o definem suas hostes) chegará ao poder ungido e sacramentado com os votos dos peruanos, e, como disseram com clareza os dirigentes do partido Peru Livre que lançou esse candidato, o de Vladimir Cerrón, não pensam em deixar o poder, como todos os regimes comunistas que existiram no passado no planeta e dos que são exemplos sobreviventes Cuba, Venezuela e a Nicarágua do comandante Daniel Ortega e sua esposa Rosario Murillo. Os peruanos querem isso? Um país devastado pela censura, pela incompetência econômica, sem empresas privadas e investimentos estrangeiros, empobrecido por burocratas prevaricadores e servis, e uma polícia que sufoca diariamente conspirações fantásticas criando uma ditadura mais feroz e sanguinária do que todas as conhecidas pelo país ao longo de sua história?

Muitos peruanos acreditamos que não e decidimos votar em Keiko Fujimori. Ela pediu desculpas publicamente por seus erros do passado e ampliou consideravelmente sua equipe de governo, incorporando antifujimoristas convictos e confessos, e se comprometendo a respeitar a liberdade de expressão, o poder judicial e entregar o comando após os cinco anos de mandato como estabelece a Constituição. Não é certo que essas promessas a farão vencer a eleição. Mas, se a perder, a certeza, isso sim, é que com Pedro Castillo no poder não voltarão a ocorrer eleições limpas no Peru, e as supostas “consultas” eleitorais serão idênticas a essas farsas coletivas de Cuba, Venezuela e Nicarágua, a cada determinado número de anos, em que se pede à população que confirme com seus votos os candidatos escolhidos pelo poder.

Minha impressão é que boa parte da esquerda peruana se resigna a uma ditadura como a que se avizinha no país se o pequeno partido de Vladimir Cerrón (que se formou em medicina em Cuba, onde morou por 10 anos), o ex-governador de Junín que não pôde ser candidato presidencial de seu partido por ter cometido crimes punidos pelos juízes, vencer o segundo turno. A aparição de Pedro Castillo, professor de Chota, uma região de Cajamarca, foi uma surpresa aos moradores de Lima, que de repente descobriram que as províncias existiam, com reivindicações enormes contra a capital —que representa mais ou menos um terço da população, mas que concentra a maior parte do poder econômico e político do país— e um ressentimento que a péssima gestão da pandemia agravou pois matou até agora um em cada duzentos peruanos (180.000 pessoas), principalmente nas províncias e aldeias da serra, se reflete como em um espelho nessas eleições. Mas ceder ao mais imediato, como as enormes distâncias que separam os ricos dos pobres no país e que esta pandemia tornou mais visíveis e dramáticas, é se lançar em um suicídio político que fecharia para sempre —ou por muito tempo— a possibilidade do país de recuperar sua velha história, quando foi, no passado pré-hispânico, cabeça de um império que alimentava todo mundo, e nos trezentos anos coloniais quando o vice-reinado peruano era o mais próspero da América. Tudo isso para se transformar em um agente a serviço de Cuba e Venezuela, países que, mesmo que morram de fome e transformados em prisões, sabem principalmente reprimir e controlar uma sociedade em bancarrota. Por isso, fiz campanha por Keiko Fujimori e desejo ardentemente que vença esta eleição.

Direitos mundiais de imprensa em todos os idiomas reservados a Ediciones EL PAÍS, SL, 2021.

© Mario Vargas Llosa, 2021.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.


Registre-se grátis para continuar lendo

Obrigado por ler o EL PAÍS
Ou assine para ler de forma ilimitada

_

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_