Na ‘República das bananas’, o porte de armas é abacaxi

Os recém-editados decretos presidenciais permitem que cidadão circule portando uma arma desde que declare ir a um local de treinamento ou manutenção —qualquer local, sem vínculo obrigatório com associação ou clube

Manifestante pró-armas durante protesto em Brasília, em 9 de julho passado.
Manifestante pró-armas durante protesto em Brasília, em 9 de julho passado.ADRIANO MACHADO / Reuters
Carolina Ricardo|Beatriz Graeff

Jair Bolsonaro foi eleito com promessas de facilitar o acesso a armas de fogo para a população, tentando lastrear essas propostas em alguma relação com a segurança pública. Um dos primeiros atos normativos de seu Governo mirou exatamente esse objetivo e desde então foram editadas mais de 30 normas sobre o assunto. No entanto, a suposta preocupação com a segu...

Mais informações