Eleições municipais 2020Tribuna
i

Por uma cidade antirracista e o bem viver em São Paulo

Queremos mais do que apenas sobreviver: queremos viver com dignidade, ao nosso modo, a partir de padrões de cooperação e solidariedade. Para isso, é preciso investir e repensar as políticas para cada região da cidade, principalmente as periferias

Tamires Sampaio
Tamires Sampaio, candidata a vereadora de São Paulo pelo PT.
Tamires Sampaio, candidata a vereadora de São Paulo pelo PT.Divulgação

São Paulo, mais de 12 milhões de habitantes: eu costumo dizer que esta é uma cidade em que coube o mundo inteiro, muito diversa, mas extremamente desigual. São Paulo é resultado da força que herdamos do sangue negro e indígena derramado (até hoje), da garra do nordestino que veio para cá ajudar a construir essa megalópole. Da autonomia da mulher negra que enfrenta as barreiras de uma sociedade machista e racista para construir e garantir um futuro melhor para os filhos e filhas. De uma periferia que por mais atacada e segregada que seja, tem um censo de comunidade e de família como nenhum outro lugar da cidade. É desse lugar que eu venho. Eu sou uma dessas filhas.

Mais informações

Por ser uma cidade grande, São Paulo carrega características antagônicas. Riqueza na mão de poucos, pobreza na vida de muitos, segurança para privilegiados, criminalização e segregação social para a maioria. Essa desigualdade se acentua de acordo com o território em que se vive na cidade e há muito tempo vem sendo comprovada por números e estatísticas que nos inquietam. Não é por acaso, por exemplo, que habitantes de Cidade Tiradentes vivem, em média, 23 anos a menos do que os de Moema; que o índice de feminicídio aumentou 167% em 2019 e que a violência contra a população negra, em especial a juventude, aumentou nos últimos anos. Também não é por acaso que as mais de 140.000 vítimas do coronavírus no Brasil e em nossa cidade são negras moradoras da periferia.

A crise do coronavírus escancarou o quanto a organização do espaço na cidade determina quem pode viver e quem deve morrer. Chamo isso de política de morte, que se expressa pela ausência de políticas públicas que garantem uma vida digna, pela desigualdade de renda e por meio da violência contra a população pobre, negra, indígena, mulheres, os LGBTs e as pessoas que vivem nas periferias.

A cidade de São Paulo é o principal foco da doença no Brasil e é nela que estão os 20 bairros onde mais pessoas morreram por covid-19, todos na periferia, com a população majoritariamente negra. Hospitais públicos, que desde o início do sucateamento do Sistema Único de Saúde, o SUS, já operavam no limite, e profissionais da saúde, a maioria mulheres negras, hoje, trabalham em condições precárias, sem testes e equipamentos de proteção.

Enquanto isso, milhares de pessoas só possuem a alternativa de sair para buscar o sustento da família. Outros milhares perderam o emprego e a renda e não puderam contar com o, ainda que pequeno, auxílio emergencial ou qualquer outra política de proteção ao emprego e distribuição de renda. Essa situação se agrava com a gestão do presidente Jair Messias Bolsonaro, a verdadeira materialização da política de morte no Brasil, com a perda de direitos e políticas sociais. Em São Paulo com o governador João Doria, no Governo estadual, e Bruno Covas, na prefeitura, nos últimos anos, vimos o aprofundamento das desigualdades sociais e a violência. Ambos seguem a cartilha neoliberal de desmonte das políticas sociais e privatização dos serviços públicos, refletindo diretamente no sucateamento dos setores de saúde, educação e assistência social.

Agora, mais do que nunca, é preciso reafirmar: temos o direito de viver! E queremos mais do que apenas sobreviver: queremos viver com dignidade, ao nosso modo, uma vida plena e que nos permita viver melhor, a partir de padrões de cooperação e solidariedade.

A defesa do bem viver em SP é necessária diante do momento em que vivemos, uma perspectiva que tem como objetivo contribuir para outra forma de vida consciente na cidade: à garantia e soberania em relação ao ar, à água, aos minérios, à fauna e à flora. Com inspiração nas cosmovisões indígenas, retomamos a compreensão de que a terra é um organismo vivo onde a natureza está integrada, razão pela qual as agressões a ela ameaçam a continuidade da sobrevivência, inclusive da espécie humana.

Na Câmara Municipal de São Paulo, vamos lutar pelo direito à saúde integral, pública, gratuita e universal, e o fortalecimento do SUS, um dos maiores sistemas de saúde do mundo, que é referência internacional. Queremos uma educação pública, de qualidade e democrática, como forma de compreender os fundamentos dos diferentes campos do conhecimento. Precisamos desenvolver o pensamento crítico e transformar o mundo. Pretendemos, na futura construção coletiva de mandato valorizar as culturas populares, negras, indígenas, LGBTs, que devem estar nos espaços públicos, físicos e de poder. Todos temos direito a moradia e ao trabalho digno e produtivo, à geração de emprego e renda. Vamos trabalhar para beneficiar a maior parte da sociedade, ao invés de servir para o lucro de poucos, com direitos trabalhistas, aposentadoria e tempo livre para o lazer e bem viver.

Para isso, é preciso investir e repensar as políticas para cada região da cidade, principalmente as periferias. São Paulo pode ser uma cidade inteligente, que use a tecnologia a favor da vida das pessoas. Pode mudar seus padrões de produção e sua relação com a natureza, iniciando a tão possível transição ecológica. Transformar a cidade de São Paulo equivale a transformar nossas vidas. Vamos juntas construir uma cidade antirracista e o Bem Viver em São Paulo.

Tamires Sampaio, mestra em Direito Político e Econômico pela Universidade Mackenzie, feminista negra, é candidata a vereadora de São Paulo pelo PT. Moradora da periferia de São Paulo, foi a primeira mulher negra a presidir o Centro Acadêmico da Faculdade de Direito do Mackenzie.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50