Eleições municipais 2020
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

A São Paulo que eu sonho: pobres e ricos morando no mesmo arranha-céu no Jardim Europa

Cidade precisa de um choque de capitalismo solidário, tirando regras que impedem setor privado de erguer moradia barata e ao mesmo tempo incentivar habitação social nas melhores regiões

Matheus Hector é candidato a vereador de São Paulo pelo NOVO.
Matheus Hector é candidato a vereador de São Paulo pelo NOVO.Divulgação

São Paulo não vive apenas um déficit fiscal e habitacional, mas também um déficit de sonhos. Os problemas rotineiros e a nossa desigualdade cavalar impedem a maioria dos paulistanos de sonhar. É possível fazer uma cidade melhor, mas para isso, precisamos romper com os erros que nos trouxeram até aqui. Provavelmente você já deve ter escutado, ou até mesmo dito, que os problemas de São Paulo são frutos de falta de planejamento. Na realidade, nossos problemas são frutos de uma cidade que tentou se planejar demais.

Mais informações

Desde a década de sessenta adotamos uma série de regulações para construir uma cidade perfeita: limitamos a construção dos prédios, colocamos zoneamento rígidos nos bairros e o resultado disso foi péssimo. Na prática, essas regras impediram que construíssemos moradia nas regiões centrais da cidade. Esta menor oferta fez com que os preços subissem e os mais pobres fossem expulsos das melhores regiões, tendo que recorrer às favelas e moradias irregulares.

A cidade compacta representada pelo Copan, prédio que abriga cinco mil pessoas de diversas classes sociais no coração de São Paulo, se tornou proibida e deu origem a uma metrópole espraiada que segrega os vulneráveis. Para efeito de comparação, uma quadra em Manhattan ou em Paris abriga o dobro de pessoas do que uma quadra no centro expandido de São Paulo. Afinal, construímos uma bela cidade, mas para poucos.

Os problemas disso se tornam evidentes, as pessoas morando longe do trabalho tem que passar ­horas no trânsito, aumentando a poluição e reduzindo o bem-estar. Ambientalmente vivemos um desastre, como não podemos crescer para cima, a cidade se espalha para os lados destruindo nossas regiões de preservação.

Basta olhar os mananciais da zona sul que estão sendo destruídos por condomínios irregulares feitos pelo crime organizado. A real é que impedimos o setor privado de construir moradia digna, mas a liberamos para organizações criminosas.

Porém, é possível construir uma saída de longo prazo para esses problemas. Primeiro precisamos de um choque de capitalismo em São Paulo, retirando as regras que impedem a construção para o setor privado construir moradia barata em grandes quantidades. Ao mesmo tempo em que precisamos de um choque de solidariedade, fazendo uma boa regulação que incentive a construção de habitação social nas melhores regiões da cidade e as evidências científicas vão nessa direção.

O economista Ciro Biderman mostra em um artigo acadêmico que cidades que adotaram política de zoneamento e “preservação de bairros” tiveram um aumento de até 50% de moradias informais. São Paulo é uma caricatura disso. Se na década de sessenta ― sem excesso de regulação ― 1% da população vivia irregularmente, hoje este número chega a 20%, deixando claro que erramos em planejarmos demais a cidade.

No outro ponto, nossa política de moradia social também foi um desastre. Construímos moradia longe do centro e condenamos os mais pobres a favelas verticais, basta ver a Cidade Tiradentes. Enquanto isso, a evidência empírica mostra que programas de moradia social que transferem vulneráveis para regiões centrais e ricas acabam gerando um aumento de 30% na renda dos filhos menores de doze anos para o resto da vida.

Porém, este modelo de cidade que eu defendo sofre muita resistência, pois a ignorância se junta ao egoísmo. Grupos intelectuais resistem a ideia e abrem espaço para os grupos de interesse agirem. O Jardim Europa é um exemplo claro disso: uma parcela da população que se organiza politicamente para impedir que mais moradia seja construída no centro da cidade. O clássico NIMBY, expressão americana para “não no meu quintal”.

Precisamos romper com as ideias atrasadas e com o egoísmo, liberar potencial construtivo e sermos solidários na habitação social. Não é brincadeira que eu sonho com pobres e ricos morando no mesmo arranha-céu no Jardim Europa, pois é o único caminho de termos uma cidade mais próspera e inclusiva.

Matheus Hector, 24 anos, é formado em Economia no Insper com extensão em Urbanismo pelo CitiesX da Universidade de Harvard. Realizou trabalho humanitário na Índia e na África e como pesquisador fez trabalhos na área de educação e desenvolvimento econômico. É fundador do Consilium, entidade de debate de políticas públicas e formação de jovens lideranças. E candidato a vereador de São Paulo pelo NOVO.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: