Biden recebe terceira dose da vacina contra o coronavírus

Presidente dos EUA se dirige aos mais de 70 milhões de norte-americanos que não foram vacinados: “Por favor, faça a coisa certa. Pode salvar a sua vida e a daqueles ao seu redor”

O presidente Joe Biden recebe a terceira dose da vacina contra o coronavírus na Casa Branca, em Washington.
O presidente Joe Biden recebe a terceira dose da vacina contra o coronavírus na Casa Branca, em Washington.Evan Vucci (AP)

Joe Biden, de 78 anos, recebeu a terceira dose da vacina contra o coronavírus Pfizer-BioNTech na Casa Branca nesta segunda-feira. O presidente dos EUA é um dos perfis elegíveis na nova rodada de injeções aprovada na semana passada pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos, incluindo aqueles com mais de 65 anos, pacientes com doenças subjacentes acima de 18 e trabalhadores altamente expostos ao vírus. A agência reguladora de medicamentos (FDA) e os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) declararam que a dose de reforço deve ser recebida seis meses após a conclusão da diretriz original.

“Os reforços são importantes. Mas o mais importante que devemos fazer é vacinar mais pessoas“, disse o presidente. “Por favor, faça a coisa certa. Por favor, receba essas vacinas. Pode salvar sua vida e pode salvar a vida daqueles ao seu redor“, disse Biden, apontando para os mais de 70 milhões de norte-americanos que não foram vacinados.

Apesar da rejeição de organismos internacionais de que países ricos administrem uma terceira dose, o presidente tem defendido a campanha para conter o aumento de infecções pela variante delta, cuja carga viral é até 1.200 vezes maior do que as mutações anteriores. O presidente queria que até adultos saudáveis fossem elegíveis, mas as agências de saúde rejeitaram a proposta.

Biden recebeu sua primeira injeção em 21 de dezembro e sua segunda dose três semanas depois, em 11 de janeiro, no Christiana Hospital em Newark, Delaware. Na semana passada, o presidente anunciou que 60 milhões de americanos estão qualificados para receber uma vacina de reforço, de acordo com critérios estabelecidos pelo CDC. Aproximadamente 22 milhões de norte-americanos receberam a segunda dose da vacina Pfizer-BioNTech há mais de seis meses, e cerca de metade deles tem 65 anos ou mais.

A vice-presidenta Kamala Harris, de 56 anos, recebeu a vacina Moderna. As agências reguladoras ainda não autorizaram as doses de reforço dessa farmacêutica ou da Johnson & Johnson, aguardando dados sobre a segurança e eficácia de uma nova dose. Biden pediu àqueles que não foram vacinados com a Pfizer que “esperassem sua vez na fila”. Órgãos reguladores não recomendam que pessoas vacinadas com uma marca diferente recebam a terceira punção da Pfizer.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se opôs veementemente a uma terceira rodada de injeções enqunato os países mais pobres ainda não têm vacinas suficientes para administrar a primeira em suas populações. Questionado sobre essas críticas, Biden defendeu nesta segunda-feira que os EUA são o país que mais distribuiu doses para nações de baixa renda, “mais do que todos os países juntos”. Washington anunciou na semana passada que doará mais 500 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNtech, elevando o compromisso de doação para mais de 1,1 bilhão de doses no total até 2022.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS