Com vitória que não garante Governo, sociais-democratas discutem coalizão com Verdes e liberais

Olaf Scholz, do Partido Social-democrata (SPD), vence por uma pequena margem o CDU de Angela Merkel, mas precisa se unir a outras forças no Parlamento para assumir o cargo

Olaf Scholz, candidato social-democrata a primeiro-ministro da Alemanha, nesta segunda-feira na sede do partido em Berlim.
Olaf Scholz, candidato social-democrata a primeiro-ministro da Alemanha, nesta segunda-feira na sede do partido em Berlim.ODD ANDERSEN (AFP)
Mais informações

Faz tempo que a Casa Willy Brandt, sede do Partido Social-Democrata (SPD) da Alemanha, não vivia um dia tão feliz. Um homem e duas mulheres, cada um segurando um buquê de flores, eram a viva imagem da vitória na manhã desta segunda-feira. Olaf Scholz, vencedor por margem mínima nas eleições federais da véspera, comparecia ao lado de Franzisca Giffey e Manuela Schwesig, também ganhadoras do pleito de domingo em Berlim e no pequeno Estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, respectivamente. O SPD tem motivos para comemorar.

Após duas décadas de derrotas, Scholz argumenta que os alemães agora lhe deram um voto de confiança para formar um Governo tripartite com Os Verdes e o Partido Democrático Liberal (FDP, na sigla em alemão). “Os eleitores falaram com clareza. Reforçaram os três partidos e, portanto, temos um mandato muito claro para construirmos o próximo Governo entre nós três”, declarou o candidato do SPD, que no domingo obteve 25,7% dos votos, contra 24,1% da União Democrata-Cristã (CDU) de Armin Laschet. Este resultado representa, segundo Scholz, que a CDU “recebeu o recado de que deve passar à oposição”.

Os sociais-democratas se sentem legitimados a liderar o Governo pela primeira vez desde 2005, quando Gerhard Schröder perdeu – por uma margem ainda mais estreita que a de agora, apenas 0,8 ponto percentual – para uma Angela Merkel que parecia muito enfraquecida. Mas isso não significa que a questão esteja resolvida. Porque, apesar de a CDU ter sofrido o pior resultado da sua história, Laschet deixou claro que não pensa em se render. Sua saída do Governo acarretaria, muito provavelmente, a sua morte política.

A batalha será dura. E Scholz tem a seu favor a legitimidade de ter ficado em primeiro lugar com um forte respaldo eleitoral, frente ao castigo inédito à CDU de Laschet. Mas a lei alemã é clara: será chanceler (primeiro-ministro) quem tiver mais deputados a seu favor, e os dois candidatos estão nesse jogo. Não seria a primeira vez que um chanceler não procede da formação mais votada. Aconteceu em três ocasiões, nas décadas de 1960, 70 e 80, quando os liberais preferiram apoiar os sociais-democratas Willy Brandt e Helmut Schmidt frente aos candidatos da CDU.

Nesta segunda-feira, Scholz se referiu a esse “bem-sucedido” passado de cooperação social-liberal sob os chanceleres Brandt e Schmidt e à experiência de Governo com Os Verdes sob Gerhard Schröder para ressaltar as bases negociadoras que se abrem a partir de agora. O homem-chave nesta disputa será Christian Lindner, líder do FDP, inicialmente mais próximo da CDU. Lindner, que aspira a se tornar ministro das Finanças, promete que só participará de um governo que se comprometa a não elevar impostos e manter a disciplina fiscal. Os Verdes – liderados por Annalena Baerbock, possível futura ministra de Relações Exteriores, e Robert Habeck, que também terá um papel muito relevante – ressaltam por sua vez que com eles a Alemanha tem que obter a neutralidade climática nos próximos 20 anos, ou seja, cinco anos antes da meta adotada pelo SPD.

Scholz foi bem claro: os três partidos têm margem para um acordo envolvendo ideias que sejam um avanço para a Alemanha. Os Verdes insistirão nos aspectos relacionados à mudança climática, e os liberais, na modernização do país.

O debate durante a campanha mostrou que Os Verdes e o FDP entram muito fortalecidos nas negociações. E tanto Scholz como Laschet parecem dispostos a lhes dar o que pedirem para conseguirem o cargo de chanceler. Mas tudo isto está só começando. A dança das cadeiras, de cargos e de negociações vai se prolongar durante semanas. Scholz, que na noite da eleição disse ter esperança de selar um acordo antes do Natal, acrescentou nesta segunda-feira que as negociações serão conduzidas com “pragmatismo e calma”. Os alemães já sabem que ingredientes pediram, mas desconhecem qual é o prato que vão receber.

As farpas já estão sendo disparadas em Munique, onde na manhã de segunda-feira se reúne a cúpula da CSU (versão local da CDU). O chefe dessa bancada, Alexander Dobrindt, criticou a campanha democrata-cristã, entre outras coisas, pela fraqueza do seu candidato a chanceler, segundo noticiou o jornal Die Welt. E o presidente do partido, Markus Söder, disse que não se deve relativizar a derrota. Laschet está consciente de que precisa a todo custo convencer Os Verdes e os liberais a serem seu par nesta dança, em vez de Scholz.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: