_
_
_
_
_

Nicolás Maduro reabre cassinos em busca de oxigênio para a economia venezuelana

Governo suspende o veto que Hugo Chávez impôs havia uma década por considerar esses negócios “antros da burguesia”

Nicolas Maduro Venezuela
Nicolás Maduro, em uma coletiva de imprensa em 8 de agosto.LEONARDO FERNANDEZ VILORIA (Reuters)

Há 10 anos, Hugo Chávez ordenou o fechamento de todos os cassinos e casas de bingo na Venezuela. A medida deixou mais de 100.000 desempregados e dezenas de enormes edifícios abandonados. Agora, seu sucessor autorizou o funcionamento de 30 estabelecimentos em todo o país. É outro sinal da guinada liberal que vem sendo adotada pelo Governo, acuado pela mais grave crise econômica da história recente do país, após a queda nas receitas do petróleo decorrente do colapso da produção e das sanções internacionais, que complicaram para Nicolás Maduro o financiamento da economia.

Mais informações
FILE PHOTO: The Citgo Petroleum Corporation headquarters are pictured in Houston, Texas, U.S., February 19, 2019.  REUTERS/Loren Elliott/File Photo
Venezuela trava batalha para recuperar títulos da petroleira PDVSA e não perder sua ‘joia da coroa’
Henry Ramos Allup, líder del partido socialdemócrata Acción Democrática, este miércoles en Caracas.
Oposição venezuelana anuncia lista de unidade para enfrentar chavismo nas eleições regionais de novembro
Vista de un mural en La Habana (Cuba) el 1 de septiembre.
Criptomoedas, a nova ferramenta política dos governos rebeldes da América Latina

O anúncio não foi feito formalmente, mas vários negócios de jogo em hotéis e clubes do país já receberam autorização para funcionar, segundo a mídia local. Pelo menos 10 deles estão localizados em Caracas. O retorno dos cassinos teve um prelúdio em 2020, com a inauguração de uma sala de jogos no exclusivo Hotel Humboldt, complexo construído na década de 1950, durante a ditadura militar de Marcos Pérez Jiménez.

O Hotel Humboldt fica no cume de Ávila, a montanha tutelar de Caracas, a mais de 2.000 metros de altura. O edifício, que é um desafio da arquitetura, passou por décadas de abandono até que o chavismo empreendeu uma longa reforma que, por causa de vários contratempos, durou quase uma década. A operação do hotel e os seus serviços seriam entregues à rede Marriot, mas, no final, a administração foi deixada nas mãos do Governo e de empresários próximos. Seu cassino seria então um cassino do Estado, que no ano passado, em plena quarentena pela covid-19, realizou o primeiro torneio de pôquer da cidade.

O comandante da revolução bolivariana chamou esses lugares de “antros de perdição da burguesia”. Maduro resolveu, de modo pragmático, com a inauguração do cassino Humboldt, convidar as pessoas a apostarem em petros, a criptomoeda criada pelo Governo para enfrentar a desvalorização do bolívar. “No Hotel Humboldt será aberto um cassino internacional e todos que quiserem jogar vão apostar em petro e todos esses recursos entrarão no Estado para a saúde, a educação”, disse Maduro à televisão em janeiro de 2020.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

A reversão da medida de Chávez conflita, porém, com a legislação vigente sobre o assunto, sancionada antes do chavismo. De acordo com a norma que regulamenta as salas de bingo, nas instalações onde operam as máquinas caça-níqueis e os cassinos é necessário um referendo consultivo para sua instalação. Eles deveriam se estabelecer em áreas declaradas turísticas e aptas para seu funcionamento. As medidas tomadas nos últimos anos pelo Governo passaram ao largo da legalidade, por isso a legislação não seria um entrave.

Durante o veto aos cassinos, a atividade não cessou de todo. Alguns estabelecimentos continuaram a operar clandestinamente e, desde o ano passado, em meio ao tédio da pandemia, as casas de jogos de pôquer ilegais ganharam impulso. Uma delas fica no bairro 23 de Enero, reduto dos chamados coletivos, grupos de choque armados fiéis ao chavismo.

A reduzida economia venezuelana é sustentada por atividades comerciais —com as chamadas tendas de produtos importados como carro-chefe— serviços e um turismo incipiente, já que o aparato produtivo está totalmente prostrado e a desmantelada indústria petrolífera tenta produzir apenas algum combustível para reduzir a severa escassez. Alguns economistas destacam que a abertura dos cassinos permitirá ao Governo captar receitas por meio de impostos e que, ao mesmo tempo, são grandes geradores de empregos. Para uma nova classe criada como resultado da suspensão do controle de preços e do uso de divisas, e atrelada ao luxo, também são uma forma de entretenimento.

O anúncio causou polêmica na opinião pública. O país está passando por uma transição econômica que também produziu enorme desigualdade e pobreza, segundo dados da Pesquisa de Condições de Vida do Venezuelano. Em meio a esse panorama, a abertura de cassinos é mais uma contradição. Além disso, já foi observado o uso desse tipo de negócio para a lavagem de dinheiro que, com a repatriação de capitais, as remessas, algumas exportações privadas e o pouco que entra com a venda de ouro e petróleo são as atividades em que se assenta a dolarização que a economia venezuelana vem experimentando na prática há alguns anos.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_