O lago Poopó, na Bolívia, seca e os cientistas temem que seja improvável que volte a se encher

É o segundo maior da Bolívia, mas não tem mais água e, sem ela, tampouco vida. Os habitantes aimarás relataram que a área se enchia a cada 50 anos, mas especialistas acreditam que isso não acontecerá mais

Valerio Rojas e sua mulher, Cristina Mamani, caminham pelo Lago Popoó, o segundo maior da Bolívia, e que secou.CLAUDIA MORALES / REUTERS
Mais informações
Destrucción en Lytton, en la Columbia Británica de Canadá, tras la ola de calor y los incendios que golpearon a este pueblo de 200 habitantes a finales de junio.
Crise ambiental avança e clima extremo desafia o mundo
A firefighting helicopter makes a water drop as a wildfire continues to rage at Varympompi suburb north of Athens, Greece, August 4, 2021. REUTERS/Giorgos Moutafis
Alimentados pelo calor extremo, incêndios devoram o leste do Mediterrâneo
(FILES) In this file photo taken on August 15, 2020 smoke rises from an illegally lit fire in Amazon rainforest reserve, south of Novo Progresso, Para state, Brazil. - Brazil will not be able to accomplish the goal of reducing deforestation in the Amazon in a 10% in the period between August, 2020 and July, 2021, admitted on August 2, 2021 Brazilian Vice-President Hamilton Mourao, chief of the National Council of Legal Amazon (CNML). (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)
Clima mundial piora a partir de 2030, e Amazônia poderá virar floresta seca

O Lago Poopó, na Bolívia, já foi fonte de vida para os habitantes locais, que pescavam em suas águas abundantes e cultivavam ao longo de suas margens. Agora é um deserto. Cientistas dizem que o antigo lago, que fica entre o altiplano de alta altitude banhado pelo sol da Bolívia, foi vítima de décadas de desvio de água para atender às necessidades regionais de irrigação. E o clima mais quente e seco tornou sua recuperação cada vez mais improvável.

“É como uma tempestade perfeita”, diz Jorge Molina, pesquisador da Universidade Maior de San Andrés. “A cada ano que passa, a situação piora.” O lago, o segundo maior da Bolívia, é muito raso e tradicionalmente flui e reflui, de acordo com cientistas e antigos habitantes aimarás.

Valerio Rojas, que chegou a ganhar a vida pescando no lago, conta que os anciãos da aldeia dizem que o lago se enche totalmente a cada 50 anos. Mas, enquanto olha para o deserto de sal ressecado e margeado de branco que resta, ele tem dúvidas. “O lago vai voltar a se encher? Com essa mudança climática e a poluição, me parece que não se pode mais prever o clima”, reflete. “Em nossa língua aimará se diz que: ‘nossa mãe terra está cansada’.”

Os cientistas também estão se tornando céticos. Molina diz que os Andes estão ultrapassando o aumento da temperatura média global, especialmente durante o dia, o que significa que a evaporação aumentou, tornando especialmente difícil para um lago pouco profundo sobreviver. “Um lago que seca com muita frequência não é mais funcional para a fauna, a flora e a biodiversidade”, explica.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

A seca também afasta comunidades que antes viviam em suas margens, alerta Benedicta Uguera, uma indígena de Untavi, que criava gado em uma ilha do lago. “As famílias decidiram ir embora porque não podemos sobreviver sem água e não há mais vida.”

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS