Um presidente grudado no celular, vulnerável à espionagem

As revelações sobre a suposta vigilância do telefone de Emmanuel Macron pelo Marrocos abrem um debate sobre a possível fragilidade dos líderes no uso de suas comunicações

O presidente francês, Emmanuel Macron, com dois de seus telefones durante uma cúpula europeia em novembro 2017.
O presidente francês, Emmanuel Macron, com dois de seus telefones durante uma cúpula europeia em novembro 2017.LUDOVIC MARIN (AFP)
Mais informações
A man stands watch outside the Microsoft office building in Beijing, Tuesday, July 20, 2021. The Biden administration and Western allies formally blamed China on Monday for a massive hack of Microsoft Exchange email server software and asserted that criminal hackers associated with the Chinese government have carried out ransomware and other illicit cyber operations. (AP Photo/Andy Wong)
China rebate acusações de espionagem e diz que EUA fazem campanha difamatória por “razões políticas”
(FILES) In this file photo taken on August 28, 2016, a woman uses her iPhone in front of the building housing the Israeli NSO group "Pegasus", in Herzliya, near Tel Aviv. - An Israeli firm accused of supplying spyware to governments has been linked to a list of 50,000 smartphone numbers, including those of activists, journalists, business executives and politicians around the world, according to reports Sunday. (Photo by JACK GUEZ / AFP)
Vazamento revela espionagem de governos contra jornalistas e opositores com o programa Pegasus
BERLIN, GERMANY - DECEMBER 11:  A woman walks past the Chinese Embassy on December 11, 2017 in Berlin, Germany. Hans-Georg Maassen, the head of the German intelligence service, the BvG (Bundesamt fuer Verfassungsschutz), has accused China of seeking to spy on German politicians and institutions by setting up fake accounts on LinkedIn and other social media for recruitment purposes.  (Photo by Sean Gallup/Getty Images)
Cientista político alemão é detido espionando para a China

Como milhões de adultos em todo o mundo, muitos chefes de Estado e de Governo vivem grudados nas telas, em telefones celulares. Donald Trump, presidente dos Estados Unidos até janeiro passado e usuário compulsivo da rede social Twitter, pode ser o exemplo mais extremo, mas não é o único.

Emmanuel Macron, que supostamente figura em uma lista de alvos da espionagem telefônica dos serviços secretos marroquinos, não pode viver sem seus dispositivos móveis. De acordo com o Le Monde, ele tem pelo menos quatro.

O presidente francês possui dois iPhones que usa para conversas e mensagens privadas ou profissionais, mas oficialmente não secretas. Possui também um modelo denominado CryptoSmart: um Samsung com segurança reforçada que permite fazer ligações e enviar mensagens de texto criptografadas, embora para isso o receptor deva ter o mesmo modelo. E, por último, segundo o jornal francês, dispõe de um Teorem, “um telefone ultrasseguro” fabricado pela empresa francesa Thalès que, sendo “pesado, complexo e muito incômodo, só se destina às comunicações mais sensíveis da República, protegidas como [os graus de classificação] confidencial-defesa e segredo-defesa”.

E um dos iPhones de Macron está possivelmente no visor dos espiões do Reino de Marrocos, conforme revelado esta semana pelo consórcio de mídia Forbidden Stories e pela organização Anistia Internacional.

O Marrocos, segundo essas revelações, incluiu o número do presidente da República Francesa em uma lista de candidatos a serem espionados com o programa Pegasus, que a empresa israelense NSO Group vende a clientes estatais. O programa permite capturar ligações, mensagens, contatos e fotos dos dispositivos atacados, e ainda ativar o microfone e a câmera. O país, um aliado estratégico da França, nega ter alguma vez encomendado o programa Pegasus à NSO e rejeita o que descreve como “acusações infundadas”. A empresa israelense, por sua vez, afirma que Macron “nunca foi um alvo e nunca foi selecionado como alvo de clientes da NSO”.

Na França, o debate sobre o ultraje que representaria um país amigo espionar o chefe de Estado rapidamente levou a uma discussão sobre a possível fragilidade de Macron quando se trata de proteger suas comunicações. Desde que a notícia de uma tentativa de espionagem sobre Macron foi divulgada na terça-feira, o Governo francês e o Palácio do Eliseu evitaram mencionar o Marrocos.

“O presidente da República ordenou uma série de investigações em amplo sentido”, anunciou o primeiro-ministro Jean Castex, na quarta-feira, em entrevista à televisão. Mas acrescentou: “Seria irresponsável, de nossa parte, falar alguma coisa enquanto não soubermos exatamente do que se trata e quais as medidas que esta situação pode requerer”.

Para tratar das revelações sobre o Pegasus, Macron convocou na quinta-feira o Conselho restrito de Defesa e Segurança Nacional, um grupo que se reúne semanalmente e do qual participam os ministros da Defesa, Relações Exteriores, Interior e Economia, entre outros. No final da reunião, uma fonte da presidência francesa, que pediu anonimato, declarou: “Se os fatos forem provados, obviamente são muito graves. Por ora, não apareceu nenhuma certeza [sobre as revelações], por isso, convém prudência nos comentários”.

Para a França, a questão não parece ser tanto quem espionou Macron, mas por que — depois do escândalo na última década sobre a vigilância em massa da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês)— os telefones do presidente permanecem vulneráveis.

Uma explicação pode ser que a inovação em tecnologias de espionagem vai mais rápida do que o desenvolvimento de meios de proteção contra as invasões. Mas outra é que as pessoas que são alvo dos serviços secretos não agem com os devidos cuidados. “Houve imprudência”, lamentou na emissora RTL o senador Bruno Retailleau, líder do grupo parlamentar Os Republicanos. Retailleau aconselhou Macron a colocar seu telefone pessoal na gaveta e acusou-o de “ingenuidade”.

O jornal Libération afirmou na quinta-feira que os antecessores de Macron —o socialista François Hollande (2012-2017) e o conservador Nicolas Sarkozy (2007-2012)— também usaram telefones pouco seguros sem a devida cautela. E lembrou que, quando Sarkozy chegou ao poder, o chefe técnico do serviço de espionagem externa francês, Bernard Barbier, fez uma demonstração sobre como seus telefones eram vulneráveis à intrusão de potências estrangeiras.

“O segredo não existe”, respondeu Sarkozy, como Barbier lembraria anos depois, em uma conversa com estudantes disponível no canal do YouTube. O presidente, então, pegou o telefone seguro que seus espiões lhe ofereceram. Sempre de acordo com Barbier, ele o jogou no lixo e disse: “Nunca vou usar essas coisas, no que a gente faz não tem segredo, nada é secreto”.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS