Contradições de Harry crescem com revelação de que Charles lhe deu dinheiro até meados do ano passado

Contas da família real britânica também mostram que o duque e a duquesa de Sussex devolveram o equivalente a 16,5 milhões de reais pelos custos da reforma de casa que usaram por apenas um ano

Os príncipes Charles e Harry em um evento em Londres em abril de 2019.
Os príncipes Charles e Harry em um evento em Londres em abril de 2019.Doug Peters/EMPICS Entertainment
Mais informações

A família real britânica publicou as suas contas anuais, nas quais consta que a monarquia custou ao contribuinte um total equivalente a 603 milhões de reais, sendo 60% para as tarefas e despesas de pessoal de Elizabeth II (tem 500 funcionários a seu cargo apenas em Londres) e sua família, enquanto os outros 40% se destinaram a gastos palacianos. Isto representa cerca de 125 milhões de reais a mais do que no ano anterior por causa das obras em Buckingham (só a reforma do telhado custou quase 3,5 milhões de reais). Além disso, a receita de contribuição da rainha se reduziu à metade por causa da falta de turistas. Mas os relatos revelam mais detalhes, que foram explicados por porta-vozes do palácio e que põem em questão algumas informações anteriores.

É o caso das contas de Harry e Meghan Markle. Em sua entrevista a Oprah Winfrey em março passado, o casal afirmou que toda a ajuda financeira que recebia tinha sido cortada depois que deixaram a instituição, em março de 2020. Harry disse que “no primeiro trimestre” do ano passado eles haviam parado de receber os recursos e que passaram a viver com a herança da princesa Diana. “Com o que minha mãe me deixou”, ele disse exatamente.

Mas agora um porta-voz de alto escalão da Clarence House, ou seja, a residência do príncipe Charles, pai de Harry, contradisse essas declarações para toda a imprensa britânica. “Como devem lembrar-se, em janeiro de 2020 os duques anunciaram que deixariam de ser membros ativos da família real britânica, e o duque explicou que trabalhariam para se tornar financeiramente independentes”, disse o porta-voz. “O príncipe de Gales lhes destinou uma quantia substancial para apoiá-los nessa transição. Esse financiamento terminou em meados do ano passado. O casal agora é independente financeiramente”, disse ele. E concluiu: “Não estou traindo ninguém quando digo que tiveram muito sucesso em sua independência financeira”. Com isso, ele se referia aos acordos com a Netflix, o Spotify e a Apple TV, entre outros, que o casal assinou ao longo destes meses.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Portanto, o palácio dá uma versão que contradiz a de Harry, que se queixara tanto da falta de apoio financeiro quanto da relação nula com seu pai desde que partira, em março. O porta-voz foi questionado sobre essas duas versões opostas e afirmou: “”Tudo o que posso lhes apresentar são os dados”.

Segundo as contas da Clarence House, Charles deu aos dois filhos, William e Harry, um total de 4,45 milhões de libras esterlinas (30,7 milhões de reais) durante o exercício de 2020/2021. Esse valor é 1,3 milhão de libras (8,9 milhões de reais) inferior ao do exercício de 2019/2020, o último em que os duques de Sussex foram membros ativos da família. O relatório não detalha como esses 4,45 milhões de libras foram distribuídos e os porta-vozes não quiseram dar detalhes.

Também se sabe que os duques devolveram, conforme prometido, o custo da reforma e de morar em Frogmore Cottage, a casa ao lado de Windsor que passou por uma reforma milionária e na qual residiram por apenas um ano, de março de 2019 até o no mesmo mês de 2020. As contas reais mostram que o casal devolveu aos cofres reais 2,4 milhões de libras, ou seja, 16,5 milhões de reais. Em setembro, um porta-voz do casal explicou que eles já haviam quitado a dívida, o que agora se reflete nos orçamentos. “Não entraremos em detalhes sobre o acordo comercial de uso da casa pelos duques de Sussex, mas, por favor, lembrem-se de que o pagamento cobre todas as suas obrigações”, explicou o responsável pela chamada Carteira Privada, isto é, os rendimentos que a própria rainha tem graças a terrenos e investimentos, e que se destinam a despesas tanto privadas como oficiais. Além da Carteira Privada, a família é financiada pela chamada Subvenção Soberana, uma porção dos orçamentos do Estado dedicada à casa real, e pelo patrimônio particular da rainha.

Durante a entrevista a Oprah Winfrey, Harry contou sobre o grande distanciamento que mantinha do pai. “Parou de atender o telefone, ele está enredado”, disse ele sobre o herdeiro do trono britânico. “Sempre vou amá-lo”, afirmou. “Mas há muita dor, e consertar essa relação continuará a ser uma das minhas prioridades.” O filho mais novo de Charles não tem encontros em particular com o pai há meses. Embora tenha retornado ao Reino Unido para o funeral de seu avô, o príncipe Philip, e encontrado lá seu irmão, William, não se reuniu com nenhum dos dois, disse o especialista na realeza Robert Lacey ao The Times. Ambos temiam que suas conversas aparecessem no dia seguinte em página inteira na imprensa.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: