Os planos de Elizabeth II para os 70 anos de reinado: 4 dias de festa, megashow e 1.400 soldados

Em fevereiro, a soberana se transformará no primeiro monarca britânico a chegar a 7 décadas no trono. Para junho está prevista uma grande mobilização em Londres e em toda a Commonwealth

Elizabeth II, em uma visita a Portsmouth, sul da Inglaterra, em 22 de maio de 2021
Elizabeth II, em uma visita a Portsmouth, sul da Inglaterra, em 22 de maio de 2021STEVE PARSONS (AFP)
Mais informações

Sete décadas se passaram desde que em 6 de fevereiro de 1952, durante uma viagem pelo Quênia, Elizabeth se transformou em rainha. Nesse dia, a milhares de quilômetros de lá, seu pai, George VI, morria no palácio de Sandringham quando tinha apenas 56 anos. Ela, de 25, se transformou em uma jovem rainha e em uma das mulheres mais poderosas da Europa e do mundo. Sete décadas depois, esse mundo mudou, mas ela continua lá. Elizabeth II tem 95 anos e, em alguns meses, se nada impedir, completará o feito de se manter no trono por 70 anos, sendo a primeira de todos os reis e rainhas britânicos (talvez do mundo) em realizá-lo. E pretende comemorar.

Por isso, o palácio de Buckingham tornou pública a agenda para os festejos do chamado Jubileu de Platina da soberana. Ainda falta tempo. A data oficial é seis de fevereiro, mas todos os anos a rainha comemora seu aniversário em junho (normalmente o segundo sábado do mês), em uma cerimônia cujo epicentro é um grande desfile militar, chamada Trooping the Colour. Em 2022, a data será adiantada: será na primeira semana de junho com quatro dias de festejos. Além disso, as comemorações não ocorrerão somente em Londres, e sim também em todo o Reino Unido e até na Commonwealth, a união de países que têm a rainha britânica como chefe de Estado e que possui um terço da população mundial, reminiscência do já enterrado império britânico.

Tanto a rainha como a família real viajarão em 2022 por todo o país para realizar atos comemorativos pelas sete décadas, como informa a casa real britânica. Mas os festejos começarão na quinta-feira, 2 de junho desse ano, quando ocorrerá um grande feriado prolongado com quatro datas nacionais. Nesse dia será o Trooping the Colour. Mais de 1.400 soldados, 200 cavalos e 400 músicos desfilarão pelas ruas da capital britânica, saindo do palácio de Buckingham e por todo o The Mall londrino até Trafalgar Square. A família real se unirá à comitiva em grandes carruagens históricas, para terminar, após a passagem dos aviões da Real Força Aérea, saudando a multidão. Além disso, nesse dia, tanto no Reino Unido como nos territórios de ultramar e nas capitais da Commonwealth, os principais monumentos de suas cidades serão iluminados.

A festa continuará na sexta-feira de modo mais discreto com um serviço religioso na catedral de Saint Paul e com mais eventos, que ainda não foram anunciados. Nessa missa tanto a soberana como a família devem comparecer. São esperados os filhos, netos e bisnetos, ainda que tenha sido colocada em dúvida, como já se tornou habitual nos últimos meses, a presença de Harry da Inglaterra, de Meghan Markle e de seus filhos (Archie e a futura filha que está prestes a nascer).

Após a formalidade religiosa, o sábado voltará a ser um dia de festa. De manhã, uma das atividades favoritas da soberana: corridas de cavalos, nesse caso no hipódromo de Epsom. De tarde-noite virá um dos pratos principais: a chamada “Festa de Platina no Palácio”, um grande show em Buckingham que, diz a casa real, “reunirá alguns dos maiores artistas do mundo para comemorar os momentos mais significativos e alegres das sete décadas de reinado da soberana”. As entradas estarão disponíveis um pouco mais para frente, afirmam, e por enquanto parece que serão destinadas a residentes britânicos. Além disso, será transmitida ao vivo pelo canal de televisão pública BBC.

Nada melhor para passar a ressaca da festa do que comer e beber. Por isso, no domingo, o último dia de festa, ocorrerá o “Grande Almoço do Jubileu”, uma iniciativa feita desde 2009 em datas especiais. Aqui as comunidades, amigos e vizinhos são estimulados a realizar um grande almoço nas ruas, fazendo piqueniques, churrascos e organizando um chá com bolo. Para finalizar, nos jardins, na parte de trás e nas ruas que cercam o palácio de Buckingham terá lugar um desfile com 5.000 pessoas “onde se combinará arte, teatro, música, circo, carnaval e fantasias, para comemorar o serviço de Sua Majestade e para homenagear o serviço coletivo das pessoas e comunidades por todo o país”, relata a casa real.

Esses eventos são só os mais importantes anunciados, mas do palácio já disseram que virá mais, como uma competição entre vários museus e instituições para criar o emblema do Jubileu. Esse que, dentro de poucos meses, inundará Londres e todo o país de copos, almofadas, bandeirinhas e diversas bugigangas dessas que os britânicos sabem vender ao mundo como ninguém. Desde que seja mantida a principal premissa de todo o Jubileu: que a rainha, que terá 96 anos, ainda continue no trono.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: