Bombardeio mais letal de Israel até agora mata 10 mulheres e 13 crianças em Gaza

Aviação israelense destrói a casa do líder do Hamas na Faixa. Lançamentos de foguetes das milícias se concentram na região de Tel Aviv. Secretário-geral da ONU adverte as partes em conflito que “os ataques indiscriminados contra civis violam as leis internacionais”

Agentes de resgate carregam menina em meio a buscas por sobreviventes após bombardeio de Israel.
Agentes de resgate carregam menina em meio a buscas por sobreviventes após bombardeio de Israel.MOHAMMED SALEM (Reuters)
Juan Carlos Sanz
Jerusalém -
Mais informações

Ao menos 42 pessoas, entre elas 10 crianças, morreram neste domingo em Gaza no ataque mais letal lançado por Israel desde o início das hostilidades, na última segunda-feira, de acordo com o Ministério da Saúde Palestino. A operação, que segundo um porta-voz do Exército israelense foi dirigida contra a sede do centro de inteligência do Hamas, no norte da Faixa, arrasou três edifícios. A mesma fonte militar afirmou que as instalações da milícia islâmica “ficavam ao lado de um jardim da infância”. “Isso demonstra que o Hamas põe em perigo os civis ao situar instalações militares em áreas densamente povoadas.” As equipes gazenses de resgate buscaram corpos e sobreviventes entre os escombros durante toda a manhã. Na madrugada anterior, os mais de 120 foguetes lançados do enclave palestino dispararam as alertas no sul e no centro de Israel, particularmente na superpovoada área de Tel Aviv, onde causaram pelo menos uma dúzia de feridos entre os habitantes que não conseguiram chegar aos abrigos antiaéreos a tempo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, advertiu as partes em conflito que “os ataques indiscriminados contra civis violam as leis internacionais”. A Anistia Internacional e outras organizações humanitárias pediram ao Tribunal Penal Internacional, que investiga supostos crimes cometidos pelo Exército israelense e pelas milícias gazenses desde 2014, a inclusão dos últimos casos de bombardeios em massa. O papa Francisco pediu o fim dos combates neste domingo, quando está prevista uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para tratar da situação em Israel e na Palestina.

Bombeiros fazem inspeção em área de Gaza após bombardeio israelense.
Bombeiros fazem inspeção em área de Gaza após bombardeio israelense.Adel Hana (AP)

A escalada bélica já custou a vida de pelo menos 181 pessoas em Gaza (entre elas 52 crianças e 31 mulheres), bem como 1.200 feridos; e de 10 outras pessoas em Israel (entre elas dois menores), com um saldo de 200 feridos. O Exército israelense intensificou os bombardeios na Faixa de Gaza, que agora já somam mais de mil operações aéreas, enquanto as milícias do Hamas redobraram os disparos de foguetes depois de cerca de três mil lançamentos. Desde a guerra de 2014, que durou dois meses, os dois lados não entravam em confronto com tanta intensidade.

Ao menos 10 membros da mesma família morreram no sábado no campo de refugiados de Al Shati, em uma das ofensivas da aviação israelense, quando o prédio em que moravam desabou. Em outro ataque aéreo no mesmo dia os militares derrubaram um prédio de 12 andares na cidade de Gaza que abrigava os escritórios da agência de notícias norte-americana Associated Press e da rede de televisão qatariana Al Jazeera.

É a quinta torre de escritórios bombardeada por Israel na ofensiva. Os ocupantes do imóvel receberam uma ordem de despejo antes de o ataque acontecer. Em nota, as Forças Armadas justificaram o ataque alegando que algumas dependências do prédio eram usadas pelo Hamas e pela Jihad Islâmica para armazenar material militar, embora não apresentaram evidências de que se tratava de um objetivo militar legítimo.

O presidente dos EUA, Joe Biden, telefonou para o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu na noite de sábado expressando sua “preocupação com a segurança dos jornalistas” e lamentando a morte de israelenses e palestinos, “incluindo crianças”. Também reiterou o apoio de Washington ao “direito de Israel de se defender” contra os ataques do Hamas.

O dirigente israelense, por sua vez, declarou que Israel continuará respondendo “energicamente” aos ataques “até que a segurança seja restabelecida” para seus cidadãos. O Gabinete de Segurança, órgão do Governo que decide a estratégia em caso de conflito armado, deve se reunir neste domingo, antes do início de um feriado religioso judaico ao entardecer.

Biden também falou, pela primeira vez, por telefone com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, a quem pediu que contribuísse para acalmar a situação, enquanto expressou “a necessidade de o Hamas parar de disparar foguetes contra Israel”. A Faixa de Gaza é governada de facto pelos islamistas desde 2007, quando afastaram do poder o Fatah, o partido do presidente Abbas.

Enquanto os dois lados se enredam na lógica da guerra, a mediação do Egito, Qatar e dos Estados Unidos se esforça para tentar chegar a um acordo de cessar-fogo, por enquanto sem resultados. Fontes oficiais citadas pelo diário israelense Haaretz afirmaram que uma pressão internacional crescente está sendo exercida sobre o Governo de Netanyahu para interromper os combates devido ao elevado número de vítimas civis.

A aviação israelense atacou no sábado a casa de Khalil al-Hayya, chefe político adjunto do Hamas em Gaza, e neste domingo bombardeou a residência de Yahya Sinwar, principal chefe da organização islâmica no interior de Gaza. Ambos estão provavelmente escondidos em abrigos antiaéreos desde o início das hostilidades. O líder histórico do Hamas, Ismail Haniya, está no Qatar, sob a proteção do Governo de Doha.

Enquanto isso, as sirenes antiaéreas continuaram a soar em diferentes pontos do sul e do centro de Israel, especialmente na área de Tel Aviv, onde um homem de 50 anos foi morto no sábado no subúrbio de Ramat Gan quando um projétil atingiu sua casa.

O Exército israelense estimou em mais de 2.900 os disparos de foguetes na última semana, dos quais 1.150 foram interceptados pela Cúpula de Ferro (sistema antimísseis), com uma aparente taxa de derrubada de projéteis inferior a 50%, já que outros 450 foguetes não chegaram a alcançar o território israelense devido a falhas no lançamento. O sistema antimísseis não é ativado se os radares detectam a queda do projétil em uma área desabitada.

O Exército israelense também mobilizou reforços na Cisjordânia, onde desde sexta-feira 12 palestinos foram mortos em confrontos com as forças israelenses no 73º aniversário da Nakba (desastre, em árabe) que comemora o êxodo de mais de 700.000 palestinos em 1948 diante do avanço das tropas do recém-criado Estado de Israel.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: