JEANINE ÁÑEZ

Parlamento Europeu qualifica a ex-presidenta boliviana Jeanine Áñez como “presa política”

Oposição boliviana celebra resolução do Parlamento Europeu, que pede às autoridades a “libertação imediata” do ex-presidenta e de dois de seus ex-ministros

Jeanine Áñez, durante sua prisão em La Paz em março deste ano.
Jeanine Áñez, durante sua prisão em La Paz em março deste ano.LUIS GANDARILLAS / AFP

Mais informações

A oposição boliviana esperou com expectativa e, depois, celebrou o resultado da deliberação do Parlamento Europeu sobre a situação dos direitos humanos no país andino após a prisão da ex-presidenta Jeanine Áñez e de dois de seus ex-ministros, em março deste ano, acusados de participar de um golpe contra o então presidente Evo Morales em novembro de 2019. O Parlamento Europeu aprovou nesta quinta-feira uma resolução comum em que Áñez e seus ex-colaboradores são considerados “presos políticos” e se “denuncia e condena sua detenção arbitrária e ilegal”. A resolução pede às autoridades bolivianas que “os libertem imediatamente e retirem as acusações de motivação política contra eles”. Também clama por “um quadro de justiça transparente e imparcial, sem pressão política” e exorta as autoridades a “fornecer toda a assistência médica necessária para garantir seu bem-estar”.

O partido do Governo boliviano havia se antecipado à mensagem europeia. A Câmara dos Deputados, controlada pelo Movimento pelo Socialismo (MAS), aprovou nesta quarta-feira uma declaração rejeitando a interferência de organizações internacionais nos assuntos bolivianos. Ao mesmo tempo, Evo Morales tuitou: “Rejeitamos a iniciativa intervencionista promovida pela extrema direita no Parlamento Europeu que promove a impunidade diante das mortes e graves violações dos direitos humanos durante o golpe. A Bolívia é um povo livre que exerce sua soberania com dignidade e identidade“. Além disso, um colaborador próximo do ex-presidente atacou a delegação da União Europeia na Bolívia em 2019. Segundo o MAS, isso contribuiu para a derrubada de Morales e a consolidação do gabinete de Áñez, ao qual foi oferecido apoio financeiro e rápido reconhecimento de países europeus.

Por outro lado, Carolina Ribera, filha de Áñez, agradeceu ao Parlamento Europeu a sua posição. “Esta é mais uma prova de que o governo da minha mãe foi apoiado e continua a ser apoiado pela comunidade internacional. Esperamos que o Governo nacional tome esta resolução com o respeito que ela merece (...) e não tente silenciá-la com ataques sem sentido“, declarou à imprensa local.

Em suas considerações preliminares, o documento europeu, que foi aprovado com 396 votos a favor, 267 votos contra e 28 abstenções, afirma que na Bolívia não se cumpre a separação de poderes e que a justiça nacional age muitas vezes por motivos políticos. Ele também intervém em uma discussão muito acalorada na Bolívia, afirmando que Áñez sucedeu Morales de acordo com a Constituição. De acordo com isso, não teria havido golpe, como alega o governante boliviano.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Em 12 de março, o Ministério Público incorporou Jeanine Áñez e seus colaboradores mais próximos a um processo judicial pelo suposto golpe de 2019. Este processo não julga os atos repressivos ordenados por Áñez, conforme sugerido pelo tuíte de Evo Morales. A ex-presidenta e seus ministros foram acusados de terrorismo, sedição e conspiração pelo que teriam feito antes da renúncia de Morales em 10 de novembro daquele ano. Por isso os promotores conseguiram prender Áñez, pois se a denúncia se referisse a fatos ocorridos durante seu mandato como governadora, ela teria que ser julgada pelo Parlamento. A defesa argumenta que nem ela nem os demais réus participaram dos protestos ou das negociações políticas que antecederam e seguiram a renúncia de Morales. Ao mesmo tempo, observou-se que, em vez disso, os verdadeiros líderes desses protestos não estão sendo investigados.

Tanto a Human Rights Watch como a Anistia Internacional descreveram o processo de Áñez como político, algo que é recordado na resolução do Parlamento Europeu. Esta resolução repete as críticas das organizações de direitos humanos mencionadas a respeito da amplitude e ambiguidade da acusação de “terrorismo” na Bolívia e em outros países semelhantes.

Paralelamente a este processo, o Governo boliviano apresentou três denúncias à Assembleia Legislativa contra Áñez e membros de seu gabinete. O mais grave deles a culpa pelo assassinato de mais de 30 pessoas na repressão aos protestos contra seu governo nas cidades de Sacaba e Senkata. No entanto, é improvável que essas acusações tenham sucesso, porque o MAS não tem os dois terços dos votos necessários para processar um ex-presidente.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50